Pular para o conteúdo principal

O DIÁRIO >> Whisner Fraga

Eu prometi que escreveria, todos os dias, algo para Helena, em um caderno que comprei no dia de seu nascimento. Naquele dia enchi doze laudas de uma história que não interessaria a ninguém mais do que nós. Nunca produzi tanto em uma única tarde. Continuei, durante os próximos quatro dias, preenchendo aquelas páginas, ansioso, febril. Era um momento de desabafo, não queria produzir literatura e sim notas, recados para um futuro, memórias.

No quinto dia encomendei outros cadernos em uma loja da Internet, mas continuei escrevendo naquele antigo, já um pouco desgastado. Depois o substituí por um novo. Claro que não consegui relatar algo sobre Helena todos os dias. Em algum momento eu estava tão cansado que não pude falar nada sobre minha filha. Foram poucas as vezes em que isso aconteceu. Digamos que, dos 365 dias de vida que esta menina linda faz esta semana, 340 estão esmiuçados no Diário que criei para ela. As anotações estão lado a lado com estudos de personagens, ideias para contos, versos soltos, trechos de algum livro que li. Tudo misturado, como gosto.

No dia 22 de janeiro de 2012, qualquer um que estiver de posse de meus relatos pode ler: “Helena faz 4 meses e 16 dias. Está comendo papa de banana, mamão e pera. Ana deu a ela 4 colheres de mamão gelado e ficou preocupada pensando se a menina pegaria uma gripe. Pesquisou e descobriu que o melhor a fazer é dar o leite do peito logo em seguida. Como foi exatamente o que ela fez, ficou sossegada. Helena faz um longo ruído com a boca quando está chateada. Gravei o barulho em um vídeo para não esquecer.” Abaixo, ainda no mesmo 22 de janeiro, acrescentei: “Livro: Entre a luxúria e o pudor. Autor: Paulo Sérgio do Carmo. Editora: Octavo. Hoje gravei aqui em casa mesmo um vídeo para a TV Brasil, pois não queria ir ao Rio de Janeiro. Amanhã enviarei carta para o Antonio Maura Barandiarán para sondar a possibilidade de uma tradução.”

E assim foram os dias, alguns fáceis, outros mais complicadinhos, como é a vida, de qualquer maneira. Helena completa um ano no próximo dia 06 e eu queria lhe dar esta crônica de presente. Não apenas a ela, mas também à sua mãe, Ana. Neste primeiro ano em que convivemos com essa criança tão linda, eu queria relatar uma tristeza que sofri. E por culpa minha. Ana vivia seu primeiro dia das mães e, não sei o motivo, não preparei nada para ela. Não lhe comprei um presente, não encomendei flores, apenas lhe dei os parabéns, pela manhã e pronto. Tenho certeza que, por mais que haja tamanha carga comercial na data, fui insensível. Devia ter preparado uma festa, no mínimo.

Não foram os choros, as birras, as grandes inseguranças de pais de primeira viagem, os pequenos sustos que nos dão um ser tão dependente, que me deixaram, muitas vezes, um tanto desconsolado. Foi este primeiro dia das mães de Ana e foi culpa minha. Pondero que para sempre ela se recordará da data como um dia vazio, de decepção. Então, minha filha Helena, esta crônica é para que nos lembremos que ano que vem temos a obrigação de preparar algo inesquecível para Ana, alguma coisa tão grande, tão bela, tão inesperada, tão surpreendente, como a imagem de seus dedinhos beliscando carinhosamente o pescoço sensível de sua mãe.

Comentários

Fico imaginando uma filha lendo uma homenagem assim quando tiver quinze, vinte anos. Além da forma e das expectativas cheias de pedantismo que, canonicamente, definem a Literatura, a boa Literatura, para mim, não passa de um recado bem recebido no futuro. Se uma pessoa apenas receber e ficar tocada, já valeu muito! Abraços Whisner!
Kamila Mendes disse…
que homenagem linda, tenho certeza de, que se a Ana ler essa crônica, ela entenderá como você se sente...parabéns!
Zoraya disse…
Nossa, Whisner,tão raro um homem fazer essa mea culpa, e ficou linda, tenho certeza de que Ana ficou muito feliz em ler essa crônica romântica. Parabéns e felicidades aos três!
albir disse…
Parabéns, Whisner, a cada um de vocês pelos outros dois.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …