Pular para o conteúdo principal

VIROSE [Carla Cintia Conteiro]

Os estadunidenses estão começando a ficar encafifados com o aumento exponencial de casos diagnosticados de autismo dentro de suas fronteiras. Estão se questionando, pois talvez seja possível a indústria médico-farmacêutica ter alguma coisa a ver com fato de cada vez mais sintomas ou coisas antes conhecidas como características de personalidade, como introspecção, caberem sob o guarda-chuva de um diagnóstico tão bombástico. O mesmo acontece com depressão, TDHA, síndrome do pânico ou qualquer outra enfermidade levemente indefinida, mas que utilize medicamentos caros e de uso prolongado ou vitalício.

Embora também vejamos estas enfermidades em terras brasileiras, por aqui a epidemia é outra. Muitos afirmam que as autoridades deveriam tomar providências para evitar o crescente surto de virose. Pode ir a qualquer posto médico, emergência de hospital, UPA e conferir: a incidência de virose é altíssima. Se o sujeito não tiver sido resgatado de um carro em chamas, quase ao ponto de virar churrasco; se não tiver caído do sexto andar e apresentar diversas fraturas expostas; se a dona não tiver o olho roxo e o lábio pendurado graças a uma discussão mais acalorada com o marido, é batata: trata-se de um caso típico de virose. Na melhor das hipóteses, uma sinusite.

E nossos médicos estão ficando tão craques em detectar o problema que já nem mais examinam os pacientes. A criatura entra no consultório (ou mesmo da maca de um corredor lotado) e queixa-se de dor de cabeça, prurido, febre, tosse, dores abdominais ou nas costas, diarréia, dor de ouvido, dificuldade para respirar, vermelhidão, náuseas e/ou vômitos, ou tudo isso junto ou qualquer outra coisa e o doutor, sem nem olhar para a cara da pessoa, responde:

– É um andaço. Tem tido muito disso por esses dias. É uma virose. Tome uma injeção de bezetacil / dois comprimidos de paracetamol / dipirona (ou um antibiótico, antiinflamatório/corticóide/antiácido ou tudo junto) e, se não houver melhora em 48 horas, retorne.

Vejo algumas pessoas reclamando desse tipo de tratamento recebido, chamando-o de desumano e incompetente. Bobagem! A medicina e o atendimento médico melhoraram muito. Essas pessoas esquecem de comentar as doenças que foram exterminadas nos últimos tempos.

Por exemplo, qual foi a última vez que você ouviu falar num caso grave de ziquizira, de quebranto, de espinhela caída? Não tem mais, quase. E banzo, mal de amor, paixonite mal curada? Acabou!

Evidentemente, a dengue corre por fora, querendo tomar o lugar nobre da virose no ranking das doenças mais populares entre os habitantes da Terra Brasilis. Mas para que isso acontecesse, seria necessário que os médicos dedicassem algum tempo para a anamnese, examinassem seus pacientes, fizessem exames complementares, conhecessem seu histórico... Isso é coisa para despreparados. O bom médico já sabe de pronto tudo o que precisa saber sem nem levantar os olhos do que seja lá que esteja fazendo de tão importante, sem necessitar de qualquer informação, sem tocar no paciente, sem verificar seus sinais vitais.

Entretanto, se você cometeu a heresia de se interessar mais pela própria saúde e não satisfeito com o atendimento recebido, foi pesquisar na Internet, e desconfia que o seu caso pode ser um tantinho mais complexo, algo assim como um aneurisma, um AVC, um infarto, um câncer, você é um tolo em pensar que o seu caso é médico. Especialmente para quem não tem um plano de saúde que cobre mensalmente o valor das vidas humanas de um país sub-desenvolvido inteiro, o indicado é procurar um bom pastor, padre, pai-de-santo, guru, rabino ou equivalente em seus respectivos ambientes espirituais à espera de um milagre e começar a distribuir sopão na madrugada para garantir seu lugar no paraíso.

Comentários

Vicente Lima disse…
Nossa nação precisa de um novo governo, nem a sopa ela está distribuindo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …