Pular para o conteúdo principal

GRANDES ESTREIAS >> Fernanda Pinho


É difícil sair do nosso ambiente e encarar o novo sem levar na bagagem alguma carga de preocupação. Cheguei a Santiago trazendo duas preocupações bastante específicas. Situações com as quais, eu sei, não me sentiria à vontade para o confronto. Pois em menos de três semanas, tive que encarar as duas.

A primeira eu sabia que não haveria como escapar por muito tempo: comer abacate na comida. Ciente da alta aplicabilidade do fruto (?) na culinária chilena eu sabia que, mais cedo ou mais tarde, teria que vencer minha resistência e, enfim, experimentar. Eu já havia feito a tentativa anos antes, num restaurante mexicano, quando me serviram guacamole com sei lá o que. Para minha cabeça pouco elaborada gastronomicamente falando, era puro e simplesmente abacate com feijão. Detestei, mas me garantiram que o abacate daqui (ou palta, como dizem) era diferente, mais oleoso etc e tal. Pelo menos na experiência chilena não tinha feijão. Mas tinha frango. Uma pasta de frango recheando a metade de um abacate. Bonito, reconheço. Se fosse para avaliar a estética, nota 10. Mas o sabor, não desceu. Quer dizer, desceu porque eu comia sob o olhar atento da família aqui do Chile e eu não iria cuspir a boa educação brasileira na cara de todos. Mas não desceria mais que um pedaço. Eles que continuem comendo abacate com pão, frango, shushi, feijão e sanduíches do MC Donalds. Eu continuarei sentindo saudade da vitamina de abacate.

Não deu uma semana e sucedeu a situação temida número dois. Aconteceu na madrugada para aumentar o teor dramático do episódio. Acordei com ele me chamando. Me chamando e me sacudindo. Naquele estágio em que estamos meio acordados meio dormindo, lembro de ter pensado: "homem de Deus, por que me sacode tanto? Tenta me acordar com um beijinho que será muito mais eficiente". Ai que ingênua. Não era ele me sacudindo. Era um terremoto. Apesar de sentir o chão tremendo sob meus pés e de ouvir um ruído muito estranho e muito mais assustador que o tremor em si, só entendi a situação quando percebi todos descendo para o primeiro piso. Eu já havia sido avisada sobre essa regra geral para casos de terremoto: descer para o primeiro piso. Logo entendi o motivo: no térreo, a sensação é muito menor. Qual sensação? Bom, a sensação de estar em cima de um celular gigante e ele começar a vibrar. Eu sei que analogia não é meu forte, mas é mais ou menos por aí. Quando passou o sustinho inicial, tomei nota: preciso dormir mais bem vestida por aqui. Tive tempo para pensar nessas superficialidades porque não demorou muito nem fez nenhum estrago em lugar nenhum do país. Houve tempo até para achar graça nos boletins transmitidos dos estúdios das emissoras de TV, com imagens trepidantes, como se o cinegrafista estivesse bêbado. Depois voltei a dormir, porque nada abala meu sono. Agora eu sei, nada mesmo.

Trocando em miúdos: comer abacate na comida me incomodou muito mais que o terremoto.

Comentários

Carla Dias disse…
Com o abacate você corre o risco de se acostumar. Já com o terremoto... Ou seria o contrário? Bom Chile pra você, Fernanda!
Kkkk, amiga, eu entendo... pior que eu não gosto da fruta abacate, nem vitamina, nem doce, imagina no meu Big Tasty. Reze muito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …