quarta-feira, 18 de abril de 2012

MIL E UMA COISAS >> Carla Dias >>

Aperte o play e leia com trilha sonora.

ADAM HURST - Sparrow



Não, meu bem. Não é que mil e uma coisas acontecem de repente em sua vida, e ao mesmo tempo. Não há plano divino destinado a bagunçar a sua cabeça, a embaralhar os seus pensamentos. Não são os demônios contratados, vez ou outra, para tecerem a impaciência no seu espírito sempre tão sereno.

Na verdade, é você que, às vezes, acorda para as mil e uma coisas que acontecem o tempo todo ao seu redor, mas que são ignoradas com a ajuda das distrações que cultiva para amenizar a sua jornada existencial.

Então, neste de repente equivocado, os carros passam mais rápido por você, e parecem muitos, mais do que você já vira antes. As pessoas esbarram em você, e são muitos os olhares aborrecidos com essa colisão, afinal, a intimidade forçada intimida, desacata o direito a passar despercebido.

E você é dos que aprecia ser anônimo nos grandes feitos. Talvez por isso sinta que o “tudo ao mesmo tempo agora” lhe persegue, e justamente no prelúdio dos momentos em que está prestes a ser feliz, tira-lhe a sincronia com tudo o que a felicidade lhe oferece, ofuscando as oportunidades que seriam suas, não fosse esse despertar insólito da vida a desorganizar as suas certezas e esperas.

Não, meu bem. Não é a vida que lhe entorta desse jeito, que o coloca a apreciar paisagem como se a alma fosse pular do corpo e se grudar a ela, permanecendo distante o suficiente de seus admiradores, mas sem perder contato, sem deixar de ser avistada.

Não é a vida que o faz desejar perder a identidade, o endereço, e esses adereços que enfeitam a sua biografia. Essas fugas são a alma em poesia, mas ao se tornarem escolhas e não acontecimentos, elas passam ao posto de grades que o manterão nessa prisão que é o lamento... E o desajeito com o que acontece, imprevisível e volatilmente, e que dá à existência seus devidos tons, criando a beleza do que jamais seremos capazes de conduzir.

Não é que mil e uma coisas acontecem ao mesmo tempo, de vez em quando, justamente no quando no qual você programou executar mudanças fundamentais. Não são as mil e uma coisas que atrapalham seus planos, que o fazem chorar escandalosamente, como se fosse menino privado da companhia dos pais, em dia de tempestade.

É que, meu bem, as mil e uma coisas estão por aí, desde sempre, e são indiferentes às suas necessidades. Porém, elas trabalham para que você compreenda que, apesar de você se esconder no seu quarto, emocionando-se com a beleza de melancólicas melodias, desejando despertencer ao mundo, a vida simplesmente acontece.

A vida acontece aqui e o tempo todo, com as suas mil e uma coisas exigindo desfecho. Ela lhe acontece, meu bem. Ela nos acontece.





Partilhar

5 comentários:

Anônimo disse...

De onde vem esses teu acordes, que em palavras constroem a melodia de se apropriar da intimidade dos seres humanos nos mais pungentes sentimentos que, sem nome, provocam angústias, melancolias e as tais mil e uma coisas....
Obrigada!
Vera Menezes

Vicente Lima disse...

Se anjos vivem entre nós, meros mortais, podendo eles penetrarem profundamente na alma, guiando-nos a paz, ou caminho de luz quem sabe, estes a invejam, por não teres asa, nem magia, mesmo assim conseguindo fazer os sonho levitarem quando estou acordado, explicar tão dom, impossível, o que o torna mais prazeroso.
Obrigado por dividir aquilo que até os anjos invejam.

Carla Dias disse...

Vera e Vicente... Vocês foram tão gentis nos comentários, que me faltam palavras para agradecer. Mesmo faltando as certas, ou as que realmente traduzam a intensidade do agradecimento, aproveito também para agradecer por terem se permitido mergulhar no meu texto., e de forma tão profunda. É uma honra recebê-los no meu universo literário :)

albir disse...

Você faz parecer que vale a pena o caos nosso de cada dia.

Carla Dias disse...

Albir... Parece não... Vale sim :)