Pular para o conteúdo principal

MIL E UMA COISAS >> Carla Dias >>

Aperte o play e leia com trilha sonora.

ADAM HURST - Sparrow



Não, meu bem. Não é que mil e uma coisas acontecem de repente em sua vida, e ao mesmo tempo. Não há plano divino destinado a bagunçar a sua cabeça, a embaralhar os seus pensamentos. Não são os demônios contratados, vez ou outra, para tecerem a impaciência no seu espírito sempre tão sereno.

Na verdade, é você que, às vezes, acorda para as mil e uma coisas que acontecem o tempo todo ao seu redor, mas que são ignoradas com a ajuda das distrações que cultiva para amenizar a sua jornada existencial.

Então, neste de repente equivocado, os carros passam mais rápido por você, e parecem muitos, mais do que você já vira antes. As pessoas esbarram em você, e são muitos os olhares aborrecidos com essa colisão, afinal, a intimidade forçada intimida, desacata o direito a passar despercebido.

E você é dos que aprecia ser anônimo nos grandes feitos. Talvez por isso sinta que o “tudo ao mesmo tempo agora” lhe persegue, e justamente no prelúdio dos momentos em que está prestes a ser feliz, tira-lhe a sincronia com tudo o que a felicidade lhe oferece, ofuscando as oportunidades que seriam suas, não fosse esse despertar insólito da vida a desorganizar as suas certezas e esperas.

Não, meu bem. Não é a vida que lhe entorta desse jeito, que o coloca a apreciar paisagem como se a alma fosse pular do corpo e se grudar a ela, permanecendo distante o suficiente de seus admiradores, mas sem perder contato, sem deixar de ser avistada.

Não é a vida que o faz desejar perder a identidade, o endereço, e esses adereços que enfeitam a sua biografia. Essas fugas são a alma em poesia, mas ao se tornarem escolhas e não acontecimentos, elas passam ao posto de grades que o manterão nessa prisão que é o lamento... E o desajeito com o que acontece, imprevisível e volatilmente, e que dá à existência seus devidos tons, criando a beleza do que jamais seremos capazes de conduzir.

Não é que mil e uma coisas acontecem ao mesmo tempo, de vez em quando, justamente no quando no qual você programou executar mudanças fundamentais. Não são as mil e uma coisas que atrapalham seus planos, que o fazem chorar escandalosamente, como se fosse menino privado da companhia dos pais, em dia de tempestade.

É que, meu bem, as mil e uma coisas estão por aí, desde sempre, e são indiferentes às suas necessidades. Porém, elas trabalham para que você compreenda que, apesar de você se esconder no seu quarto, emocionando-se com a beleza de melancólicas melodias, desejando despertencer ao mundo, a vida simplesmente acontece.

A vida acontece aqui e o tempo todo, com as suas mil e uma coisas exigindo desfecho. Ela lhe acontece, meu bem. Ela nos acontece.



Comentários

Anônimo disse…
De onde vem esses teu acordes, que em palavras constroem a melodia de se apropriar da intimidade dos seres humanos nos mais pungentes sentimentos que, sem nome, provocam angústias, melancolias e as tais mil e uma coisas....
Obrigada!
Vera Menezes
Vicente Lima disse…
Se anjos vivem entre nós, meros mortais, podendo eles penetrarem profundamente na alma, guiando-nos a paz, ou caminho de luz quem sabe, estes a invejam, por não teres asa, nem magia, mesmo assim conseguindo fazer os sonho levitarem quando estou acordado, explicar tão dom, impossível, o que o torna mais prazeroso.
Obrigado por dividir aquilo que até os anjos invejam.
Carla Dias disse…
Vera e Vicente... Vocês foram tão gentis nos comentários, que me faltam palavras para agradecer. Mesmo faltando as certas, ou as que realmente traduzam a intensidade do agradecimento, aproveito também para agradecer por terem se permitido mergulhar no meu texto., e de forma tão profunda. É uma honra recebê-los no meu universo literário :)
albir disse…
Você faz parecer que vale a pena o caos nosso de cada dia.
Carla Dias disse…
Albir... Parece não... Vale sim :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …