Pular para o conteúdo principal

BEIJO >> Zoraya Cesar

Suely, eu vou confessar uma coisa, você é minha melhor amiga, e eu preciso falar com alguém. Não precisa fazer essa cara, não estou doente, graças a Deus.
Suely, eu beijei um homem e não era o Paulo. Como assim, não entendeu? Eu beijei um estranho. Beijei e fui beijada. Na boca, Suely, na boca. E foi tão bom que eu não paro de pensar nisso.
Não, não estou tendo um caso! Eu lá sou mulher de ter caso? Jogar fora 37 anos de um casamento que me custou suor e lágrimas? De jeito nenhum.
Sei que foi uma loucura, mas... hein? Claro que não levei pra terapia! Tá doida? Pra ela analisar minhas pulsões sexuais e traumas de infância e tirar toda a graça do negócio? Nem morta!
E falando em graça do negócio, Suely minha amiga, ele era uma coisa de bonito e ... Suely, pare de ficar dando gritinhos ridículos, ou eu não conto mais nada. Ele devia ter uns 30 anos, se tanto.
Sei que estou com 62 anos, não precisa fazer sermão. Estou cansada desse negócio de ser obrigada a ter comportamento “condizente” com a idade. Aliás, minha conduta é irreprochável, como diria meu avô. Só porque beijei um estranho na boca não quer dizer que tenha ficado sem caráter. No máximo, sem vergonha na cara. Mas, a essa altura do campeonato, pra que eu quero vergonha na cara? Já bastam as rugas. Embora eu aparente bem uns 10 anos a menos, bendita plástica.
Deixa eu contar os detalhes sórdidos. Menina, você não tem idéia, ele tinha cara de homem, sabe? Parecia uma versão mais nova daquele ator, o Josh Brolin, do Onde os fracos não têm vez. Éeeee... esse mesmo, maravilhoso. Morra de inveja, amiga, eu beijei o Josh Brolin tupiniquim.
Para de gritar, sua velha tarada, que eu continuo. Olhe como são as coisas. Cheguei ao consultório do dentista e a secretária avisou que a consulta fora desmarcada. A vaquinha disse que tentou me avisar, mas eu duvido. Enfim, deixa pra lá. Com tempo sobrando, saí andando meio sem destino e, quando vi, tinha entrado numa academia de dança de salão.
Levei até um choque quando aquela figura veio me atender. Era estranho mesmo, cheio de tatuagem, brinco, o cabelão preso com elástico. Eu disse para ele não se incomodar, eu só estava dando uma espiada, e sabe o que ele respondeu? “Sem problemas. Não é todo dia que aparece uma mulher bonita por aqui”. Há anos não ouvia cantada tão barata!
Mas na nossa idade qualquer cantada é lucro, fiquei na minha. Depois de me tratar como se eu fosse aluna VIP, ele me acompanhou até o elevador. Foi então que o espírito de uma velha louca me possuiu, porque joguei o maior charme, você acredita? Ele tinha idade para ser meu filho! E eu sou casada!
Pensei que nem soubesse mais como fazer isso. Pedi desculpas pelo incômodo, agradeci o tratamento, afinal, eu não era nenhuma gatinha... essas coisas. Uma canastrona, você precisava ver. Nem sei o que eu pretendia com aquilo, o que eu sei é que ele chegou perto, pertíssimo de mim, e me disse “vocês mulheres não sabem do que um homem gosta”... e me beijou. Ele me beijou, ali, no meio do corredor de um centro comercial! Suely, eu tenho 62 anos! E o Josh Brolin me beijou na boca!
O que eu fiz? Suely, eu beijei de volta!
E beijei muito, porque aquela boca estava macia demais e beijava muito bem.
Depois, cada um tomou seu rumo, sem uma palavra. Eu mal podia acreditar. Minhs pernas tremiam. Um cara lindo sentiu desejo por mim! Um homem feito, só porque era mais novo eu não poderia beijar? Me senti mulher, linda, poderosa, sedutora. Ainda sei beijar de língua, ainda sei seduzir, não estou velha, não estou morta.
De jeito nenhum vou procurar por ele Suely, já disse que não quero ter um caso.
Mas a bomba vem agora: quero fazer de novo. Não com ele, com outros. Assim, sem compromisso. Encontrar, seduzir, beijar muito e sumir. "Ficar", como dizem por aí.
Por quê? Porque gostei desse negócio de ver que ainda desperto interesse, porque gostei do perigo, da emoção. Mesmo que não encontre quem beijar, já vale pela diversão. Nem me fale do Paulo, isso não tem nada a ver com ele, tem a ver comigo. Preciso ser beijada.
E vou procurar no subúrbio, onde os homens são mais homens. Amanhã vou a Madureira, nunca fui a Madureira, mas a mulher do meu porteiro me ensinou. Falei que quero ir ao Mercadão com umas amigas, sabe como é, tenho de ser cuidadosa.
O que? Você quer ir comigo? Mas... você é mais velha do que eu, Suely! Não tem vergonha?



Comentários

fernanda disse…
Òtimo, Zoraya. Adoro seus contos. =)
Anonimus Mercadonicus Madureirensis disse…
Smaaaaaac...
albir disse…
Muito bom, Zoraya. Divertidíssimo. E o mais interessante é ela achar que a outra não pode. Beijo.
Anônimo disse…
Hahahaha, muito bom!
Érica disse…
Adorei. Morri de rir! Divertidíssima a história. Já estava imaginando a "desavergonhada" em Madureira, com a Suely, em plena caça! rsrs Mas, fala sério... ou esse cara tava a perigo (menos de 30 anos!!?) ou tinha acabado de ler Harold and Maude hahaha
Anônimo disse…
cadê o endereço do Mercadão de Madureira??!!!! Tb quero!!!!
Alexandre Durão disse…
Zoraya.

Como sempre, adorei.
A vida tem dessas novidades, mesmo. Como cada um reage é que acaba sendo matéria para deliciosas histórias. Que bom que você se dispõe a usar seu talento e contá-las pra nós.

Beijos.
Zoraya disse…
Pessoal, obrigada pelos comentários e pelas risadas.

Fernanda: fico orgulhosa, obrigada!

Albir: pois é, que cara de pau a dela, nao? (eu tb achei isso divertido demais. O pior é que mtas vezes agimos exatamente assim)

Erica, vc me deu ideia para uma continuaçao. Vou conversar com a Suely, se é q a coitada conseguiu ir a Madureira...

Anônimos (3): a amiga da Suely recebe os beijos, anima-se com os risos e diz que vai dar o mapa para quem quiser ir a Madureira

Alexandre: obrigada pelo incentivo de sempre!A vida tem dessas coisas mesmo. Espero q as nossas viradas sejam menos radicais q a da nossa amiga
Anônimo disse…
kkkkkkkk A Sueli é terrível.
Carla Dias disse…
Muito bom, Zoraya! Adorei :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …