terça-feira, 3 de abril de 2012

TE PEGUEI! >> Clara Braga

Essa última semana foi exatamente a semana que eu usaria para ilustrar o que significa estar no lugar certo, com a pessoa certa, na hora certa.

Em um dia eu estava num barzinho comentando com a tal pessoa certa sobre o projeto que desenvolvo na Universidade, e então em menos de uma semana eu estava dentro de um avião com destino à Lisboa preparando uma palestra para dar no encontro dos jovens que trabalham na empresa onde essa pessoa certa é diretor.

E então começou a semana que poderia ilustrar, a partir daí, coisas que com certeza vão dar errado, mas no final das contas, sem que ninguém consiga explicar muito bem como, dão certo.

O outro palestrante do projeto, que iria viajar comigo, não tinha passaporte. Corre para fazer em menos de uma semana. Nós nunca tínhamos feito palestras juntos, eu nunca tinha feito palestra nenhuma em toda a minha vida. A palestra tinha que ser em inglês, pois seria para a área internacional da empresa. Chegando ao aeroporto a passagem não constava como comprada, ninguém sabe o porquê até agora. Não teríamos tempo de nos encontrarmos para resolvermos como seria a palestra, então teríamos que usar às 9h de avião para elaborar tudo do zero! Parece ou não parece que a situação está perfeitamente montada para dar errado?

De uma forma um pouco surpreendente, tudo deu perfeitamente certo, a palestra foi sensacional, fomos super elogiados, as pessoas querem ajudar o projeto, a palestra estava tão organizada que parecia que essa era a milésima vez que estávamos apresentando.

Diante de uma situação dessas, onde em meio a bagunça tudo dá certo, não tem como não aliviar e deixar a tensão ir embora de uma vez por todas! Depois de dar uma relaxada era hora de ir atrás das encomendas e voltar para casa feliz da vida. Se essa bagunça toda tinha funcionado, nada mais poderia dar errado.

Grande erro meu! Depois de encher a mala de mão com as compras, já a caminho do aeroporto, descubro que líquido não pode ser levado dentro do avião. Minhas horas de madrugada arrumando a mala foram para o espaço, cheguei no aeroporto e tive que abrir as malas e arrumar tudo de novo, igual cena de filme.

Tudo bem, primeiro stress resolvido. Corre, faz check in, entra, passa pelo free shop, compra tudo que todos pediram, embarca e pronto. Hora de dormir que é para passar rápido. Dormir? O que é dormir? Aqui vai uma baita turbulência que é pra você ficar bem acordadinha! E não é que a safada da turbulência veio justo depois do almoço! Quando desci em Brasília eu estava branca, passando mal de verdade! E então piorou quando a mulher que estava na minha frente disse: “Vocês não trouxeram queijo não né? É proibido entrar com queijo, se eles te pegam na alfândega você vai pagar uma multa altíssima, podendo até correr o risco de ser presa!”

Eu não tinha trazido um ou dois, mas sim 5 queijos! Seria presa com certeza!! Ela me instruiu a negar que tinha queijo até a morte, o problema é negar quando eles estão bem ali na minha frente e com aquele cheiro inconfundível!

Passei negando até a morte, não trouxe nada, eu juro! Apenas roupa, fui a trabalho, não tive tempo de ficar comprando queijos! E graças a Deus eles não leram aquele livro “O corpo fala”, pois eu dizia que não enquanto meu corpo todo dizia: “Abram minha mala, ela está lotada de queijos deliciosos!” Passei sem nenhum problema, mas se tivessem me parado eu já teria a resposta na ponta da língua, afinal, era domingo, dia 1.

Trouxe queijo? Eu não! Então o que é isso aqui? Te peguei, feliz dia da mentira!!!

Partilhar

2 comentários:

Anônimo disse...

kkkk
muito boa .Mas no fim tudo acabou em queijo.

Anônimo disse...

kkkk...
muito boa. pelos menos deu tudo certo.