Pular para o conteúdo principal

O PERIGO PODE ESTAR AO LADO >> Clara Braga

Com certeza todo mundo já ouviu aquela máxima que diz que a única certeza da vida é a morte.

Eu não concordo, e ainda assumo que tenho muito preconceito com essas generalizações que todo mundo tem mania de fazer, mesmo sabendo que até para dizer que eu tenho preconceito com generalizações eu acabo generalizando. Parece inevitável!

Mas o meu maior preconceito mesmo, são essas pessoas que ficam tão atordoadas com essa ideia de vida e morte que acabam deixando de viver com medo da morte, mesmo sabendo que, até hoje em dia, ela é inevitável.

Concordo que nós podemos ser cuidadosos e evitar algumas situações perigosas que possam terminar em tragédia, como por exemplo, sempre atravessar a rua na faixa depois dos carros terem parado, não ficar dando sopa na rua em lugares escuros e que todo mundo sabe que são perigosos, tentar ter uma alimentação saudável e deixar para exagerar só no final de semana, fazer exercício regularmente, não tomar bebidas que já estavam abertas quando chegaram até nós e outras coisas que já cansamos de ouvir dos nossos pais, mas que ainda vamos repetir para os nossos filhos até eles não aguentarem.

Mas acho que não precisa exagerar, por exemplo, eu não vou deixar de viajar porque existe uma chance, por menor que seja, do avião cair, não vou deixar de tomar coca cola de vez em quando porque ela é cancerígena, até porque está difícil achar algo que não dê câncer hoje em dia, não vou deixar de sair de carro porque tem tido muito acidente e etc.

Mas, para a alegria dos paranoicos (sem ofensas, na minha família tem muitos), que agora devem estar pensando que eu sou louca e quero morrer, outro dia me peguei sendo um pouco paranoica também. Estava comendo no Subway, que aqui em Brasília fica no posto de gasolina (não sei se é assim em todos os lugares, mas aqui parece que virou moda ter lanchonete no posto), quando de repente comecei a sentir um cheiro de gasolina muito forte. Tudo bem, eu estava no posto, normal ter cheiro de gasolina, mas eu já tinha comido lá antes e o cheiro não era assim tão forte! Quando um dos carros que estava parado no posto saiu, eu vi que ele deixou para trás uma grande poça de gasolina no chão. Grande mesmo!

O que o frentista fez? Nada! Ficou lá e continuou trabalhando como se nada estivesse acontecendo. Eu comecei a imaginar que aquilo não podia ser muito bom, afinal de contas, se a gente não deve nem atender o celular quando está abastecendo porque corre risco de explosão, imagina uma lanchonete onde as pessoas comem, falam no celular, depois de comerem acendem um cigarrinho e logo ao lado tem uma poça de gasolina no chão!

Eu comecei a ficar tão nervosa que já conseguia ver perfeitamente o posto explodindo igual às cenas de explosão que a gente vê em filme! Foi então que eu decidi que preferia continuar vendo essas cenas nos filme ao invés de fazer parte dela, peguei meu sanduiche e fui embora comer em casa.

Claro que não aconteceu nada lá, o posto estava lá no dia seguinte, nenhum plantão da globo anunciou nada, o Subway continua funcionando e as pessoas continuam comendo, falando no celular e fumando lá. Só eu que fiquei mais medrosa (espero que não tenha ficado paranoica) e comecei a achar esse papo de lanchonete misturada com posto de gasolina a pior ideia do mundo, nunca tinha passado pela minha cabeça o risco que pode ser! Posto de gasolina daqui para frente é só mesmo para abastecer o carro rapidinho e me mandar. Comer... é melhor deixar para comer em qualquer outro lugar!

Comentários

Anônimo disse…
Gostei muito.

Visitem meu blog com textos e poemas

http://anatomiadolivro.blogspot.com.br/

Um abraço.
Anônimo disse…
kkkkk....
muito legal sua paranoica

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …