Pular para o conteúdo principal

OLHOS E CADERNOS >> Albir José Inácio da Silva

Naquele começo dos sessenta, meninas não falavam nem escreviam certas coisas. Mas a coisa foi escrita no caderno e lida pela mãe e depois pelo pai de uma delas. Era uma dessas piadinhas que misturam palavras e desenhos com um significado meio bobo e meio sexual, o que foi considerado uma afronta pelos genitores.

Na sala, a diretora, o pai e a professora, numa espécie de inquérito, olhavam o caderno, falavam baixo, consideravam. Beto era o único menino nas carteiras da frente, cercado por cinco meninas. Essa localização era determinada pelos resultados da última prova, e ele sempre conseguia ficar por ali. O caderno foi mostrado a cada um deles, enquanto seus rostos eram demoradamente examinados pelos investigadores.

Beto estava tranqüilo por duas razões: ele não tinha escrito aquilo e suas garatujas em nada se pareciam com aquelas delicadas, redondas e femininas letrinhas colocadas no papel. Por isso, deve ter olhado um tanto desafiadoramente para os investigadores, que logo retornaram à mesa e confabularam por mais algum tempo. Pai e diretora concordaram, só a professora, Maria do Carmo, olhava Beto com olhos inconformados.

O pai saiu primeiro, fuzilando o menino com os olhos. A diretora o seguiu com cara de indignada. Só então Beto compreendeu o arranjo que satisfazia a todos: o pai tinha um culpado, um moleque abusado de quem sua filha precisava ficar distante; a diretora encerrava o caso sem nenhum estrépito; e as meninas ficavam protegidas já que, naquele começo dos sessenta, meninas não falavam nem escreviam certas coisas.

Beto não entendeu nada, não foi acusado de nada, não se defendeu de nada e não tinha do que reclamar, embora sentisse cheiro de injustiça. A questão era simples, bastava confrontar as letras nos cadernos, mas isso não interessava a ninguém. O garoto ficou muito incomodado com o olhar daquele pai. Teve vontade de falar, mas não sabia o quê, nem com quem.

Em seu socorro só vieram os olhos de Maria do Carmo. Era o que ela podia fazer diante da iniquidade baseada em silêncios e conveniências. Doce olhar de professora que o acarinhou pelo resto da aula. E Beto a amou para sempre.

Alguns dias depois, no vinte e dois de abril, os cartazes tinham de ser entregues no dia anterior se quisessem concorrer ao direito de exposição nas paredes da sala. Por preguiça ou brasileirice, o de Beto só veio quando os demais já estavam nas paredes. Ocorre que Maria do Carmo resolveu defender, perante a diretora, as qualidades do trabalho “daquele atrasado, mas ótimo aluno”.

A autoridade não perdeu a chance para disciplinamento e, mesmo concordando que o trabalho não era de todo ruim e o aluno não era de todo ruim, ele precisava entrar na linha. O cartaz seria exposto, mas na parede de trás, os colegas teriam que se virar para vê-lo e quem chegasse à porta não o veria. E todos se lembrariam do castigo pela indolência de Beto. Ela decretou e foi embora. De novo o desamparo, e de novo a salvação pelos olhos da professora, que ainda sorriu e murmurou:

- Não ligue, não. Eu vou olhar para ele o tempo todo.

Beto que já a amava, confirmou seus votos.

Comentários

Zoraya disse…
Que lindo, Albir! Isso é um conto de amor! Um bálsamo delicado nesses tempos rudes. Obrigada, beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …