Pular para o conteúdo principal

AMOR EM PORTUNHOL >> Fernanda Pinho





Eu nunca pensei que fosse me mudar de cidade, muito menos de país. E, ultimamente, todas as coisas que eu tenho dito começam assim: Eu nunca pensei que fosse me mudar de cidade, muito menos de país. Acho que ando abobalhada com as surpresas da vida, que vieram para mim em atacado. Eu também nunca pensei que existisse o nosso homem ideal, o nosso príncipe encantado. O que nunca me impediu de sonhar com ele. É claro que eu sonhava. Mas eu sonhava com ressalvas, com os dois pés no chão e a consciência de que um dia eu conheceria alguém totalmente diferente do homem dos meus sonhos, que me cederia um pouco de amor e eu me daria por satisfeita.

Mas eu sempre gostei de sonhar. E, ainda que supostamente consciente da realidade, sonhava. Com um libriano (só alguém do meu signo me entenderia), de olhinhos puxados (um leve complexo por ter os olhos grandes demais?), com sotaque espanhol. Esse último quesito, quase um fetiche, talvez tenha sido o que me motivou a estudar espanhol quando 90% dos meus amigos estudavam inglês. Estudei, mas esqueci quase tudo.

Como quase me esqueci também desse negócio de príncipe encantado. A gente cresce, leva umas rasteiras e meio que se vê obrigada a se preocupar com outras coisas. Pensei tanto em outras coisas que me distraí. Me distraí tanto que, quando ele apareceu, quase não me toquei. Chegou sem muito estardalhaço, se apresentou, mas nem precisava. Eu já conhecia sua família há anos. Tinha ouvido falar dele uma ou duas vezes. Por isso fui receptiva. Por isso e pela vontade de aprender o espanhol de uma vez por todas. Seria bom ter um amigo com quem praticar a língua.

Mas rapidamente ele me convenceu de que eu deveria ensiná-lo o português. Eu, inconscientemente encantada, virei a professora mais dedicada do mundo. Não demorou muito mas já estávamos falando banalidades no meu idioma. Banalidades do tipo "eu amo fazer compras". Eu disse isso a ele num dia e essa teria se perdido em meio a tantas outras frases corriqueiras se ele não tivesse respondido com um "e eu amo você". Ama? Eu? Como assim? Meu Deus, esse homem tá misturando as palavras, os idiomas, sei lá. Será que eu ensinei tudo errado? Fui e voltei em outra galáxia procurando o que dizer depois disso. Suei, tremi e decidi: era o caso de dizer a verdade. "Eu também amo você".

O que veio depois disso foi uma sequência de cenas dignas das comédias românticas mais fofas do mundo, com direito a encontros apaixonados, despedidas dolorosas em aeroportos e pedido de casamento espontâneo. A ponto de eu ter que parar e refletir: está acontecendo mesmo ou eu pirei de vez? Se eu pirei espero não voltar à normalidade nunca. Só quero saber de continuar estrelando meu filme e fazendo par romântico com este chileno-libriano-de olhinhos puxados que não me ensinou a falar espanhol. Mas me ensinou a amar.

E agora, que eu acabei me mudando de cidade e país, chegamos na melhor parte do filme: o que vem depois do “felizes para sempre”.

Imagem: www.sxc.hu

Comentários

Samara disse…
Isso é bonito, fico realmente feliz por você! Engraçado a gente dizer que isso daria um filme, mas é isso, né, foi uma jornada que levou a heroína ao final feliz que só está começando.
:: | Ale | :: disse…
Linda historia... E em um otimo dia para ler... Hj completo 4 meses com meu mexicaninho...kkkkk e tb irei me mudar para o Mexico daqui a 3 meses... Te desejo muita sorte e espero que possamos manter contato. Meu email e franci65@gmail.com. Super beijo Alessandra
Carla Dias disse…
Fernanda... Fico muito feliz por você, principalmente porque nem todos podem entrar no sonho e vivê-lo, em versão melhorada, então! Que a sua nova cidade, e o seu novo país, e o novo roteiro da sua vida, providenciem os cenários necessários para esse amor. Beijos!
Anônimo disse…
Linda a crônica, irmã... E mais linda que esta crônica é a história de vocês! ♥
Zoraya disse…
A crônica é linda e a história também. Que haja lindas sequências desse filme! Felicidades!
Que lindo Ferdi, texto sincero e apaixonado. Sabemos, muito bem, o quanto você merece esse sonho. E quando vier a fase Malhação, não se deixe levar pelos invejosos... E acabe com elas. kkkk Beijo
Anônimo disse…
Ahhhhh que história mais linda amiga!!!! Até chorei, fico feliz demais cada vez que vejo q vc ta feliz de verdade!!!! Amo vc!!
Bjuuusss

Loreyne
Linda de viver, arrasou no texto e na vida real! Aproveite ao máximo, você merece demais! Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …