Pular para o conteúdo principal

MENTE E CORAÇÃO (BRIGA DE CASAL)
>> Eduardo Loureiro Jr.

— Parabéns pelo seu dia!

— Meu dia?!

— Ora, logo você que é tão inteligente, minha Mente... De onde você pensa que vem a palavra "mentira"?

— Ih, lá vem você...

— Não se pode mais ser gentil?

— Pra que tanta mágoa, meu amor, meu Coração?

— Tá vendo? Peguei você na mentira de novo. Você não me ama e fica me chamando de seu amor.

— Só porque eu não lhe amo do seu jeito não quer dizer que eu não lhe ame.

— Você sabe muito bem que eu sou a casa do amor. Que outra forma há de amar senão a minha?

— A gente ama com o corpo todo, e com a alma.

— Ah, não me venha com enrolação. Chega de masturbação mental!

— "O amor não se enraivece", já dizia São Paulo.

— Você adora ficar decorando livros para usar frases soltas a seu favor, né?

— Você está ficando vermelho de raiva.

— Vermelho, sim, por que não? Vermelho é a minha cor. A cor das rosas. A cor da vida. A cor do amor. Melhor que esse seu cinza sem graça.

— Eu não sou só cérebro, meu Coração.

— Você sempre se achando, vivendo nesse seu mundo intelectual de pura ideia, sem pisar no chão, sem chegar junto. Só fica na sua, e me deixa só.

— Tô com o pensamento ligado em você o tempo todo, meu Coração.

— Besteira de abstração! Como é que eu vou saber se isso é verdade? União pra valer é com veia e artéria. Não me vem com papo mole.

— Nem tudo é matéria, há também energia...

— Você é irritante! Ir-ri-tan-te! Se me amasse de verdade, você faria pelo menos uma ponte de safena de você até mim.

— Faço versos, poemas, melodias, canções.

— Palavra não enche barriga nem aorta. Quero é sangue nas veias!

— Você está quase me convencendo de que é melhor nos separarmos.

— Lá vai você fugir na primeira oportunidade, "tomar um ar", como você diz. Quero ver aguentar o rojão, bater vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana.

— Eu não bato, meu Coração, eu inspiro.

— E eu piro, enlouqueço...

— Incendeia?

— Para com essa mania de me completar as frases. Eu não ia dizer isso.

— É porque pira tem a ver com fogo, então falei em incendiar.

— Tá vendo? Tá vendo?! Eu aqui tentando salvar nosso casamento e você com seus joguinhos cerebrais.

— Salvando? Você está mais para Nero que para bombeiro.

— Já avisei. Para com essas analogias idiotas!

— Senão o quê?

— Senão o que o quê?

— Senão você vai fazer o quê?

— Eu já estou fazendo!

— O que você está fazendo é discutir.

— Melhor que não fazer nada.

— Eu estou conversando.

— Você conversa demais. Quero ver é ação.

— Você sabe como é mentir em inglês?

— Tem horas que dá vontade de bater em você.

— To lie.

— Grande novidade! Só porque eu não fiz nem mestrado nem doutorado tá pensando que eu sou burro?

— E você lembra o outro sentido do verbo?

— Você não tem jeito, tá querendo me enrolar e me distrair de novo.

— Lembra?

— Deitar. To lie também quer dizer deitar.

— Vamos?

— Pra onde?

— Deitar.

— Ah...

— E então, meu Coração?

— Demorou!



Comentários

Anônimo disse…
Oi Eduardo,

Interessante a perspectiva que vc coloca do mentir/deitar... Ontem, a propósito do dia da mentira, Xico Sá escreveu em sua crônica:
"Você já mentiu para o seu amor hoje?

Mentir profissionalmente não tem graça. Ainda mais se você for publicitário, marqueteiro, jornalista, político, advogado, padre, cineasta, ator, pastor, policial…

Mentir profissionalmente é meio de vida. Só há mentira no amor ou no quase-amor, enfim, nos relacionamentos.

E das mentiras desse gênero, a minha preferida é a do orgasmo fingido.

Porque o fingimento do gozo também pode ser uma prova de amor, como o amor avulso das profissas.

Antes o fingimento, amigo, do que a ausência da dramaturgia amorosa de fato."

Acho que entre amores e mentiras, você e ele se conectaram com o possível dos relacionamentos....
Anônimo, bom saber que fiz parceria inconsciente de "amores e mentiras" com o Xico Sá. :) Grato.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …