Pular para o conteúdo principal

OS TRÊS DO 16 >> Eduardo Loureiro Jr.

Eu estava no que hoje se chama puberdade, mas que na época era só meninice mesmo. Entre os super-heróis, eu não queria a força do Super-Homem, contentava-me em possuir a discrição do Homem Invisível... e naquele quarto em que ela estava, eu entrava descalço, com todo o cuidado para não produzir nenhum som que me denunciasse. Ela estava na rede, olhos fechados. Eu deitava na cama e ficava observando. O tempo parava, preso no silêncio e no encantamento. Ela abria os olhos, mas não me via; colocava os óculos — inúteis — e continuava sem me ver. Ainda sem se levantar da rede, e mesmo sem se virar, ela estendia a mão direita para a mala que ficava ao lado — coisas de hóspede que estava só de passagem. Da mala ela retirava um pente, marrom, daqueles que também poderia servir como prendedor de cabelo — não havia o que retocar em seus cabelos lindos, lisos, inelinháveis. Eu aproveitava minha invisibilidade para assistir àquele ritual de delicadeza e graça. Guardado o pente, ela passava lentamente suas mãos finas sobre o vestido para se certificar de que não estava amassado — ela estava sempre pronta, sempre arrumada. Para finalizar o ritual, ela tomava em suas mãos uma lata de alumínio e a balançava. Sim, havia algo dentro, e isso a deixava tranqüila. Logo que alguém chegasse, ela poderia oferecer biscoitos de maisena. Se ela soubesse que eu estava ali, me ofereceria quantos eu quisesse. Mas ela não podia me ver. Ela era cega.

*

Da primeira vez que eu a vi, ela estava sentada no degrau do meio de uma escada que ficava como que suspensa do lado de fora da parede. No topo daquele prédio de dois andares, havia uma pequena torre. A escada era azul, e ela parecia uma princesa inteligente e ousada o suficiente para escapar da torre em que fora presa por um monstro qualquer e sentar-se no degrau do meio da escada. Fomos apresentados dias depois: seu nome estava cheio de canções que eu não era capaz de ouvir na época. Eu era tímido de ouvidos e de tudo mais — incapaz de chegar até ela, iniciar uma conversa e abrir espaço para aquele começo de encantamento. Eu estudava na cela nº 9 do pátio interno. Eu lia Marcel Proust e sublinhava as longas lindas linhas que ele havia escrito há tanto tempo. A cela nº 9 era de porta e quase-janela: combogós. Ela passou frente à porta e, naquele pedacinho de segundo, as longas lindas linhas curvas dela me fizeram tirar os olhos do livro. Mesmo sem parar, ela também percebeu que eu estava ali e, quando passou em frente aos combogós, virou o rosto em minha direção e sorriu — meu mundo se abrindo como se fosse uma marionete dos lábios dela. Dias depois, eu, que só escrevia poemas curtos, entreguei-lhe seis páginas — O Sorriso —, o maior poema que escrevi até hoje. Meses, cartões, encontros depois, nós cantávamos Cajuína. Nós "éramos olharmo-nos intacta retina" e, quando a letra da música terminou, nós começamos a improvisar palavras de nosso próprio sentimento. E ainda hoje é difícil acreditar que nós nunca tenhamos nos dado o final feliz de um beijo.

*

Não costumo fazer canções para desconhecidos, então é de supor que já nos conhecíamos. mesmo que eu não tivesse memória de seu rosto. Ali, na penumbra — seu corpo deitado em sono e sua mente ocupada em sonhos — seus braços e pernas se mexiam. Um movimento por vezes brusco, feito luta; outras vezes, fluido feito dança. Luz em cada gesto. No meu olho, uma lágrima deslizava: frio na barriga de topo de tobogã. Emoção colorida e invisível: infravermelha, ultravioleta; eu vendo só o arco-íris que levava até, e que trazia: a canção, esse pote de ouro em pó e luz. E na letra da canção a que eu ia, e que me vinha, eu pedia que um daqueles gestos de sono e sonho tocasse a canção: "pega com a mão esse tesouro em minha voz".


Clique no play (>>) para ouvir a canção.

*

Minha bisavó, meu grande amor platônico e meu sobrinho nasceram num dia 16 de março. Minha bisavó já fechou os olhos pela última vez. Meu amor platônico deixou-se aprisionar novamente na torre... e ainda não saiu. Meu sobrinho, em seu primeiro aniversário, sorri e enfia os dedos em minha boca.

Comentários

Marisa Nascimento disse…
É, Eduardo, não tem jeito...Você vai ter que continuar lendo meus comentários! Quem manda traduzir textos que eu tenho guardados dentro de mim. Aqui deitada do meu lado,em sono profundo, veio passar o final de semana, a menina que faz 17 anos hoje, 16 de março. Um presente que a vida me deu. Não veio como filha, mas Ele sempre dá um jeitinho de fazer os laços afetivos se aproximarem.
Linda a música, linda a sua história, linda a sensibilidade que você desperta em cada pessoa que aqui passa!
Obrigada.
ines disse…
Que linda, Du Dudu! As pessoas que se lêem em suas crônicas devem ver uma beleza que, em geral, o espelha revela.

Que lindo olhar você tem!

Beijo,
Anônimo disse…
Edo,
O primeiro texto dos tr�s do 16.me tocou tanto que visualizei os outros dois em preto e branco.
Tia Monca disse…
Junoca,

Aprendi com Vo Encarnadinha que sexta-feira é o dia da alegria, mas se ela ainda vivesse concordaria comigo que a segunda-feira é também dia melhor: dia de ler a cronica do domingo :)
Como sempre muito linda! Fiquei com saudades do biscoito de maizena e feliz de lembrar que temos hoje o Luis, muito fofo, para comemorarmos o dia 16 de março.
Bj,
Tia Monca
Marisa, é ótimo TER QUE ler seus comentários. :) E tenho certeza de que sua menina é tão inspiradora quando os meus três do 16. Até semana que vem. :)

Inezinha, "o seu olhar melhora o meu". :)

Dilma, como você é escritora, deve ter se sentido mais atraida pelo primeiro trecho, que era mais especificamente literário. Eu, de minha parte, gosto muito de preto-e-branco. :)

Tia, a alegria está tomando conta da semana: sexta para a Vó Encarnadinha, segunda para você e domingo para mim, que escrevo. :) Vamos deixar a alegria dominar.
JP disse…
O texto foi muito enfadonho, sem ritmo. Não por ser algo longo de ler, nada disso, mas o ritmo do mesmo não me fez continuar. Parei várias vezes, tentei retomar mas não deu. Talvez pelo horário que eu escolhi, meia-noite, e o brilho do monitor com o fundo branco da homepage não casaram bem. Mas senti falta de ritmo mesmo.
Legal, JP! Os elogios são bons porque nos dão o incentivo para continuar. E as críticas são muito bem-vindas porque nos auxiliam a continuar com mais qualidade. Além da meia-noite e do brilho do monitor, talvez o caráter mais descritivo do texto tenha passado essa sensação de falta de ritmo. Tentarei dar um pouquinho mais de ação quando fizer descrições em futuros textos. Grato por partilhar sua sensação de leitura: foi muito importante para mim.
Carla Dias disse…
Eduardo,

Que poesia solta nessa prosa!

E parecia música, antes mesmo de eu apertar o play. E para mim ela tinha um ritmo bom; tinha até melodia, antes do play. E no fundo branco da homepage eu alcancei um quê de paraíso. Casei-me com o entendimento lá, obviamente, com o consentimento do imaginário.

E certamente minha compreensão da crônica seja cronicamente diferente da sua, mas quer saber? Não parei por um segundo... Descarrilei meus pensamentos e li mais um belo texto de sua autoria.

Play. Stop. Bye.
Carla, que delícia de comentário! Poesia com poesia se paga. :) Fiquei curioso, doido pra ouvir a música que você criava durante a leitura. A sua compreensão e a minha compreensão compreendem o texto maior, tecido maior, que vai se fazendo em nossas conversas, em nossas palavras. :)
Anônimo disse…
Due to your great ability with words,feelings and everything else,my life is much better,maily today..thanks a lot for that,
love
English woman, your much better life is an unexpected lovely result of my writings. :)
Hebinha disse…
Eduardo Júnior, depois de mais de mês é que estou tendo a alegria que a Mônica teve naquela segunda-feira. Li duas vezes e dá vontade de ler mais a primeira dos 03 do 16. Sua descrição me fez me ver na sua mesma observação, certas vezes, junto da Vó Encarnadinha sem ela saber. Até segurei as lágrimas de saudade daquele tempo.
A segunda dos 03 do 16 sugiro, mais uma vez, que você transforme em um belo livro pra eu presentear e ler pros meus e pra outros. O amor e a inspiração da terceira dos 03 do 16 já vi e ouvi transformada em pessoa e em canção encantadores.
Beijo,
Hebinha

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …