Pular para o conteúdo principal

DEUS ME VÊ [Maria Rita Lemos]


Quando a semana começou, e me lembrei que era a Semana Santa, bateu saudade da infância. Bateu saudade do Colégio São José, do sagu da Irmã Benigna, saudade até da frustração porque a Irmã Gertrudes não me deixava jogar basquete, porque eu tinha que ser pianista, e esse esporte prejudicava as mãos. Creio que foi por aí que minha carreira esportiva foi abortada antes de nascer... como, infelizmente, a de pianista também, embora tenha durado por muitos anos, até a gravidez da primeira filha minha.Retifico: a de pianista está em “pause”, a de música jamais.

Focando novamente na Semana Santa, vamos lá. A cada vez que passo pelo Colégio São José, pressinto as janelas (ainda estão do mesmo jeito?) onde nossa juventude se pendurava, nos intervalos das aulas, para ver os meninos que, por sua vez, iam à Praça Luciano Esteves só para nos ver. Tínhamos, sempre, uma “olheira” na porta, porque se uma das Irmãs nos visse ali era um horror. E o fruto proibido era tão doce que cada menino que passasse por ali, por mais desengonçado que fosse, parecia, para nós, um Elvis Presley ou um Neil Sedaka, que na época não tinha Brad Pitt nem Tom Hanks. Não valia nem ser “feio mas sensual”, tinha que ser lindo mesmo. O palmo de rosto, bem diferente do que deseja agora a adolescência de minha neta, tinha que ser perfeito. E quem quiser saber quem eram esses caras, é porque nasceu bem depois de mim, então, que procure nas internets da vida. Mas, voltemos à Semana Santa, porque quando a gente senta aqui pra escrever tem que se policiar para não “viajar” demais - credo, vem tudo na cabeça, soltam-se os fantasmas todos...

Eu era menina e tinha muito medo do que estava escrito naquele muro, encostada ao qual eu ficava, todas as tardes, esperando papai me buscar. Não havia, nos anos aos que me refiro, essa profusão de vans escolares, nem mesmo ônibus circulares se viam, acho que estavam apenas começando. A cidade era pequena, e para ir do Colégio à Vila Paraíso, onde ficava minha casa, quinze minutos eram suficientes. Mas, para meu pai, significavam a estrada perigosa da liberdade, sabe-se Deus o que alguém com a minha idade e cabeça podia fazer ou pensar nesse trajeto! Por isso, papai me buscava todas as tardes, era uma pausa no Banco da qual ele não abria mão. E, enquanto ele não chegava, eu ficava olhando para a estátua gigante de São José com a mão no ombro de Jesus Menino, em frente ao muro onde, em letras garrafais, lia-se: “Deus Me Vê”.

Eu não gostava daquela frase, sentia-a como ameaçadora. Talvez, pelos arroubos juvenis, muitos dos quais eram considerados pecaminosos, eu pensasse nessa frase visualizando um Deus tremendo, vingativo e impiedoso, disposto a me castigar, e a todos quantos transgredissem seus mandamentos... Felizmente, hoje já não penso assim, embora continue não gostando da frase em questão e do que eu sentia, quando a lia.

“Deus me vê”, dizia o muro visto diariamente. Hoje, mais sábia e madura, consigo ver o olhar de Deus diferentemente, e é isso que me encanta. Como tanta coisa se modifica na maturidade da vida, também o olhar de Deus já não me martiriza com medo de punições. Muito pelo contrário.

Dia desses eu contemplava - porque ver é muito pouco -, meu neto sendo amamentado, e vez por outra ele parava de sugar e ficava fitando os olhos de minha filha, sua mãe. Ambos se olhavam, um olhar de gratidão, de saber serem amados um pelo outro, de confiança mútua. Creio que minha filha sentiu, naquele momento, que Deus estava olhando por ela.

Hoje, mais sábia, prefiro sentir que Deus não nos vê com aquele olhar que eu pensava aos oito ou nove anos, ameaçador e punitivo. Ele nos olha através de nossos próprios olhares para os outros. Ele nos vê com olhar de mãe para o bebê sendo amamentado, de quem sabe para quem não sabe ainda, de quem vai proteger a quem quer ser protegido.

Páscoa, com certeza, é isso: passagem de um olhar para outro, de uma forma de ver para outra, mais completa, mais madura. Eu vivo a Páscoa quando o “Deus Me Vê” do muro do Colégio já não é mais ameaçador, mas protetor como o colo de um pai, que me buscava todas as tardes, que eu esperava com a certeza de que viria. Um Deus Pai que virá, certamente, quando eu não sei, mas virá me buscar, e me olhará com amor, como me olha agora. Boa Páscoa a todos!

Recado: Carlos Chinelatto, amigo querido, obrigada pela forma como me vê. Você não é o único, mas está entre poucos. Beijos.

Imagens: Hands of God and Adam, Michelangelo; Detail of Ceiling, P. Deliss; Virgin and Child, Sassoferrato

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Maria Rita:
Que texto bonito e grandioso de se ler na véspera de Páscoa. O Deus que sempre habitou em mim, apesar de tudo que já foi dito, é Aquele que representa o amor e a justiça e é só assim que eu consigo vê-Lo. Muito bom ler esta sua crônica em forma de amor!
Lindeza de texto, Maria Rita! Deus me olhou através de suas palavras. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …