Pular para o conteúdo principal

POEMAS NEM TÃO TARDIOS >> Carla Dias >>

Há algumas semanas, eu conversava com uma aluna de bateria aqui da escola, a Julia. Falávamos sobre assuntos gerais, principalmente a música. Não sei como nossa conversa foi parar na literatura, mas chegou lá.

Comentei com ela que escrevo contos, crônicas, poemas e romances; que num mundo gracioso e receptivo sou escritora, mas que na realidade apenas tenho urgência em escrever.

Foi então que a Julia me falou do seu avô poeta... Eu tive um avô poeta, o paterno. Na verdade, Sr. Aureliano, carinhosamente tratado como Seu Lili - e Vô Lili para nós, os netos - escrevia belíssimas cartas e as enviava lá de Poços de Caldas, Minas Gerais, para Santo André, São Paulo. Eu e minhas irmãs esperávamos por essas cartas numa ansiedade que só. Na época, meu irmão ainda não estava conosco.

Mas voltando ao avô da Julia... Eu que sempre estou disposta a ler o que me cai na mão, perguntei se não poderia ler alguns poemas dele. E ela me explicou que o avô adora escrever, que mesmo informalmente distribuía sua poesia, principalmente entre os familiares. E disse que sim, traria algo dele para eu ler.

Outro comentário que ela fez eu só alcancei mesmo quando ela chegou na escola com um livro e me entregou. Era presente, livro do avô. O título me levou longe, longe, mas antes de desfiar comentários a respeito, apresento-lhes, nessa crônica, o Vô da Julia: Sr. Claudio Navarra.

Poemas Tardios, o livro, traz na contracapa palavras que sintetizam o que a Julia comentara comigo. Lá está escrito “Com a obra Poemas Tardios, o autor se despede do Mundo da criação poética. Permanecer como degustador também é gratificante”.

Durante a minha vida, até este momento em que digito letrinhas e formo palavras para esta crônica, escrever um livro sempre foi a conclusão de um ciclo e o fôlego para começar o próximo. Não importa a demora, se em dias, meses ou anos este início se apresentará, mas eu sei que ele está adiante... Diante de mim. Há conforto neste pensamento.

Mesmo sem ter lido um só poema do poeta que se despede, senti-me enfaticamente triste. Certos fins me entristecem. Porém, ao me deixar guiar pelas páginas do livro, percebi que essa despedida é diferente daquela que idealizei... Há um quê nesse poeta de gratidão por tudo que a poesia lhe proporcionou. Então, a tristeza deu lugar à admiração.

Poemas Tardios é um livro de interesses e muitos deles cabem bem na poesia de Claudio Navarra. O porquê do livro, o tema de fechamento de um ciclo que não será aberto novamente, porque o autor “já atingiu uma idade avançada”, como reza o prefácio, agora tem outro sentido para mim. Passado o susto do fim que introduz ao começo da leitura, depois de conhecer os poemas tardios, posso dizer que o poeta, o Vô da Julia, que já desenhou para as capas de outras obras dele; assoprou alguns inícios na minha alma. E se não há eternidade neste gesto, opto por viver completamente enganada sobre a vida, e a sabedoria que ela alimenta. Para mim, os inícios flertam com os pontos finais.

----
Clique aqui e leia alguns poemas do livro Poemas Tardios, de Claudio Navarra.


www.carladias.com

Comentários

Carla, normalmente velhos literatos introduzem jovens aspirantes em suas resenhas. Esse seu texto inverte as coisas ao apresentar um velho escritor inédito se aposentando. Só senti falta de que você incluísse algum poema no próprio texto, dialogasse com ele. Seu Lili ia ficar bem na sua companhia poética. :)
Júlia disse…
Carla,
como já disse lá no instituto, gostei bastante do texto. Palavras bem escolhidas para lidar com esse assunto tão delicado: o final. Assim como você, a minha reação foi a mesma ao ler o prefácio.
Fico feliz que tenha gostado dos poemas, é bom saber que não somos apenas nós (os familiares) que o admiramos. Já enviei o seu site por e-mail e tenho certeza de que o vovô, ligado à leitura do jeito que é, vai se encantar. Quem sabe com um pouco de incentivo ele não desista desse "hobby", não é?
Bom, é isso... caso o poeta resolva continuar escrevendo, te aviso. Boa páscoa e até terça feira que vem ! Beijos
Marisa Nascimento disse…
"Os inícios flertam com os pontos finais". Que lindo isso, Carla!!
Esse ciclo de começo e despedida faz a gente pensar sobre tantas outras coisas que completam a poesia.
Talvez o senhor Claudio Navarra escreva ainda mais, talvez não, tudo é hipotético, mas ele foi lá e fez, deixou registrado. Essa é a marca que vai atravessar gerações!
Legal demais você ter feito esta homenagem a ele.
Enxergar as pessoas e saber interpretá-las vai ser a sua marca...*pisc
albir disse…
Carla,
Seu texto é impecável e só resta lê-lo. Ouso comentar o título: poemas não são tardios porque não são efêmeros. Nem eternos. São absolutos. Eles se bastam. Como diz Cecília Meireles: "Eu canto porque o instante existe...".
Obrigado por se lembrar de nos mostrar o Navarra. E tomara que ele leia sua crônica.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …