Pular para o conteúdo principal

DE HUMOR E DE ESPERANÇA À TERRA DESCE >>> Albir José Inácio da Silva

O bicentenário da chegada da família real ao Brasil reedita os registros sobre esse momento importante de nossa história. A pompa e reverência com que os brasileiros receberam Sua Majestade não estavam isentas de ironia e de um humor nem sempre tão discreto. O monarca bonachão não parecia se importar muito com isso. Aproveitava a lisonja e fingia não ouvir o riso a suas costas.

Daí para cá nenhum governante foi poupado. Alguns seguiram o exemplo de D. João VI, fingiram não entender, e a história do Brasil seguiu seu curso sem maiores traumas. Outros, raivosos, ameaçaram prender e arrebentar. E prenderam e arrebentaram, tingindo de sangue a esperança do jovem país. Mas nem estes calaram o riso.

A ironia , embora pareça passiva, é muitas vezes a resistência possível. Rir da situação opressiva em que se está inserido é rir de si mesmo, mas é também rir do algoz que sabe quão ridículo é o seu comportamento. Ninguém escapa ileso. Mesmo fechadas as urnas e calados os representantes do povo, os opressores sabem que no silêncio das ruas, onde quer que se reúnam duas pessoas, eles estão sendo julgados. É a democracia possível quando esse poder é formalmente usurpado.

Neste país, apesar das ditaduras ridículas, dos governantes ridículos em situações tão trágicas quanto risíveis, nunca puderam os ditadores dormir tranqüilos. A inconfidência jazia até mesmo no sorriso subserviente dos oprimidos. Somos um povo que tem sabido rir de si mesmo e daqueles que nos fazem chorar. É a vingança do oprimido.

É verdade que o riso não nos tem adiantado muito, por exemplo, na economia. Vamos trocando um explorador por outro, Portugal, Inglaterra, Estados Unidos, e nossa gente continua necessitada, por mais que risonha. O que não tem rendido na economia, entretanto, sobeja na literatura. De Machado de Assis a Stanislaw Ponte Preta, a ironia nos tem alimentado em substituição até mesmo ao arroz e feijão. Coisas como o Samba do Crioulo Doido e FEBEAPÁ (Festival de Besteiras que Assola o País) do Stanislaw não têm data. Ou, se correspondem a algum período de nossa história, diria que vai de 1500 a 2008.

D. João não é mais ridículo nem menos herói que qualquer brasileiro. Fez coisas importantes mesmo sem querer. Cometeu erros quando tinha ótimas intenções. Foi ridículo e foi gentil. Não queria vir e depois sofreu porque não queria partir. Traduz o monarca a nossa própria dor que, reciclada em anedotas, vem nos fazer felizes. Felizes, na falta de outro motivo, por habitar esta terra sempre tão cheia de graça - nos dois sentidos.

Comentários

Adoro trocadilhos, Albir, feito esse do título. E vamos sem perder a ironia, que conserva nosso humor enquanto esperamos a graça. :)
Joana disse…
eduardo tem razão. O título é uma delícia.
Adorei que você pegou um gancho, que nem bem começou o ano e já tá ficando batido (mas que é inevitável), e deu a ele uma outra abordagem.
Como você sabe sou uma irônica de carterinha, membro da comunidade dos eskrotinhos e não pude deixar de lembar também das cobras do veríssimo. parabéns!
Marisa Nascimento disse…
Albir, um belo texto começa com o título. E este é tudo de bom!! É a introdução perfeita para a sua crônica bem-humorada, irônica, porém, de alto nível.
albir disse…
Obrigado, maestro Edu - sempre dando força pros seus músicos!

Joana,
que bom ver você aqui. Saudações irônicas! Bjs.

Marisa,
não houvesse outros motivos para se escrever crônicas, ler seus comentários já seria o bastante. Bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …