Pular para o conteúdo principal

TROFÉU AUTENTICIDADE -- Paula Pimenta

Ok, eu confesso. Eu vejo Big Brother. Todos os anos. Todos os dias. E não é só isso. Eu voto. E me envolvo tanto que chego a sonhar que sou amiga dos participantes.

Muitos, ao lerem isso, vão me olhar torto, afinal o programa – para os que não assistem – nada mais é do que um amontoado de gente com pouco cérebro e muita bunda. Eu também tinha essa opinião, antes de começar a assistir, só por curiosidade, lá pela terceira edição (já estamos na oitava). Mas o programa está longe de ser só isso. É uma novela da vida real. Eu, que não gosto de novelas fictícias, não perco um capítulo dessa, porque sei que o que eles fazem lá dentro não vai acabar depois dos três meses que dura o programa, e sim repercutir pela vida deles afora.

Assim como no futebol, o BBB é um jogo que precisa de times para ser interessante. E é na escolha do lado da torcida que vamos ficar é que está a graça. Geralmente, bem nos primeiros dias já sabemos de quais participantes gostamos e com quem não vamos com a cara. Isso pode mudar no decorrer do programa, através das atitudes das pessoas em determinadas situações, mas geralmente o que nos leva a simpatizar ou antipatizar com alguém são dois fatores: identificação e integridade.

Todos os anos é assim. Escolho meus preferidos, que geralmente são os que eu mais me identifico ou que tem o coração mais puro, e vou torcendo por eles até o final. E, geralmente, são os mesmos que todo mundo gosta, acho que são poucas as pessoas que torcem para o mal vencer. Este ano, porém, meus favoritos foram embora bem no começo. E a única que ainda sobrevive, está em último lugar nas enquetes de popularidade. Não sei se sou eu que estou cega, ou se as pessoas que não estão enxergando o que eu vejo.

O primeiro que gostei foi o Rafael Galego. Muito inteligente, muito bonito, muito na dele. E ainda por cima com um sotaque fofo. O povo não entendeu. Confundiram individualidade com indiferença. E botaram o menino pra fora, por ele não ter implorado por sobrevivência. Eu também não imploraria, tenho meu orgulho. Sairia como ele, de cabeça erguida, e aparentando não estar nem aí, dando graças a Deus por não ter que me misturar mais com aquela gentalha (como já diria a dona Florinda do programa do Chaves).

Tive então que escolher outro pra torcer, porque jogo nenhum tem graça se a gente não torcer por alguém. Pesquisei bem e mirei no Fernando. Juro que não escolhi pela beleza, mas pelos princípios. Acompanhei as histórias que ele contou sobre a vida dele, os comentários sobre o tempo em que fez faculdade, a vontade de prestar concurso público. O cérebro dele não era inversamente proporcional aos (muitos) músculos. Entendi também cada uma das reclamações que ele fazia para a Natália, percebia o ciúme dele ao vê-la dançando com os outros meninos e entendia a sua fraqueza ao fazer as pazes com ela várias e várias vezes. Ele gostava dela, sinceramente, e acabava perdoando. Duvido que alguém, no lugar dele, fizesse diferente. Já é difícil esquecer quem gostamos, sem ter que ver a pessoa o tempo todo. Agora, tenta não ter recaída tendo que esbarrar a cada minuto. A carne é fraca. Mas o povo também não quis saber. Bye, bye, Fernando e lá fui eu escolher o próximo, aliás, a próxima, e é com ela que eu vou até o final.

Eu gosto da Thatiana. Apesar da gritaria, apesar da confissão de já ter beijado meninos e meninas, apesar dela ser teatral, apesar de não ser miss de qualquer lugar. A Thati (como ela gosta de ser chamada) é gente como a gente. É a mais normal lá dentro. Ela nunca fez fotos sensuais, não participou de nenhum programa de TV em outro país, não é amiga do irmão da mulher do Boninho, não mora no Rio ou em SP, e não fica o tempo todo preocupada se a sombra combina com a cor do biquíni. A Thati veste roupas confortáveis e não as que a fazem parecer sexy. Ela faz faculdade, dá aula de inglês, tem uma melhor amiga, mora em Brasília, vive com os pais, tem um cocker spaniel. É uma menina comum. Pode sim, ser escandalosa e abusar das caras, bocas e frases feitas, mas ela só tem 21 anos. Ainda pode (e deve) errar muito, até descobrir quem ela quer ser na vida. Ela não está ali pra parecer o que não é. Não quer pensar no futuro e sim viver cada momento. Brinca, grita, ri, chora, namora, se diverte. E acredito que aqui do lado de fora ela seja exatamente igual.

Por isso, eu torço por ela. Ela pode sair na semana que vem, mas pra mim é a ganhadora desse ano, a que merece o troféu autenticidade. A Thati não está nem aí para o que pensam dela e só quer se divertir. Ela pode não ganhar o milhão, mas pelo menos não precisa dele para ser feliz.

Comentários

Anônimo disse…
Filinha, bravo pela crônica mas foi para mim, Beijos, Beré.
Anônimo disse…
putz, me decepcionei contigo.
Discordo totalmente. O programa é futil. As edições são parciais.
Lixo total.
Sorry, não lerei mais sdua coluna.
Paula Pimenta disse…
Não faço a menor questão de que uma pessoa que não tem nem coragem para assinar o próprio nome leia a minha "coluna". Muito menos pessoas preconceituosas, que acham que apenas programas intelectuais são bons. O mundo também é feito de coisas fúteis e por várias vezes elas são úteis e até necessárias para tirar um pouco o peso da vida.

Ah, em um ponto concordo com você. As edições são parciais, sim. Tenho payperview e vejo nitidamente como a Globo favorece quem ela quer.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …