Pular para o conteúdo principal

QUERER BEM >> Eduardo Loureiro Jr.

Eu quero o bem de outra mão na minha — fria. O bem de uma noite calma — até nos sonhos. De despertar na hora — exata — de receber o dia. De um recado da irmã — querida. De ver a forma do que era idéia — delícia. De ouvir a voz de um antigo amigo — trazendo uma canção já esquecida. De ver a lua aparecer de dia — colocando (entre parênteses) o tempo-ontem e o tempo-agora. De ler a carta em que um amigo — irmão — conta as novidades com demora. De ter os pedidos — os mais simples — atendidos. De abrir o longo e-mail de um distante primo — e prima. De esquentar — com estas palavras que agora escrevo — o coração de um casal cujo corpo é aquecido pelo vinho. De assistir a um filme - de final imprevisível. De almoçar — para seguir leve — um sanduíche. De abrir a rede — para armar um cochilo. De poder mudar de planos — pelo conselho do sono. De quebrar cabeça — só com problemas feitos de numerais e símbolos. De caminhar ouvindo música — meus passos quase de dança. De uma caneca d'água — carinho na sede. De tomar banho no escuro — sem eletricidade. De rumar para um recanto — um pouco além da cidade. De rever novos amigos — aprender-lhes qualidades. De escutar uma antiga história — versão mais simples, verdadeira. De tocar uma canção — novinha em letra e melodia — em homenagem a um musical parceiro. De um leitor — de carne e osso — abençoar minhas escritas palavras. De ouvir no rádio a música — mesmíssima — que pouco antes tocava em meu interno ouvido. O bem de escolher a cama — pois melhor me esquento. Eu quero o bem de reolhar o dia — e sabê-lo perfeito.


Clique no play (>>) para ouvir esta crônica.

Comentários

Meus queridos amigos, e leitores desconhecidos, aqui está mais uma crônica tecida com o coração. Fiquem à vontade para comentar. Que este seja um espaço de conversa, de encontro, de tecer palavras nossas, e não mais só minhas.
albir disse…
...e o bem de sentir o domingo na semana inteira, só por ter lido a crônica eduardo-loureira.
HeloisaReis disse…
Eduardo,
Adorei ouvir a cronica, que pode fazer o final do meu domingo mais perfeito!
Heloisa ( uma Artemísia)
estrela disse…
Olá,
Gostei muito de ler e...ouvir esta crónica(?), eu acho que é poesia.
Não há ninguém como os brasileiros para adoçar tão bem a língua portuguesa.
Obrigada,
Estrela
Anônimo disse…
Edo,
Fiquei pensando se o seu "bem" era o mesmo meu. Muitas coincid�ncias..rsr. O bem de ver a lua aparecendo de dia ( o tempo ontem e tempo agora), foi demaisssssssssssss.De rumar para um recanto - pouco al�m da cidade...Bem �s vezes necess�rio.
Ben�o a sua escrita. Sou de carne e osso.
Marisa Nascimento disse…
Eduardo,
O que mais admiro na sua forma de escrever é a intensa variedade de inspiração que você tem. E, terminar/começar a semana lendo e ouvindo essa terapia para a alma é algo que as minhas limitadas palavras não conseguem expressar. Garanto, porém, que neste exato momento, meu coração sorri!
Obrigada.
Debora Bottcher disse…
Eduardo, meu amigo,
Puseste Artemis em polvorosa com sua voz. Valha-me... :)
A questão é que, agora, muitas querem se fazer ouvir. Portanto, trata de anunciar o programa com que gravaste essa crônica, porque de agora em diante é provável que textos se farão em vozes - ninguém manda inventar moda... :)))
Lindo o que escreveste. Iluminou minha madrugada com esperança de sonhos.
Muitos beijos.
Brigadim, gente!

Albir, a idéia é essa: espalhar o bem por toda a semana.

Heloisa, que bom que a minha perfeição não foi egoísta e pôde servir para você também.

Estrela, fiquei feliz por saber que as estrelas têm paladar. ;)

Dilma, sim, é o mesmo bem: compartilhemos.

Marisa, suas palavras são Ilimitadas. Beijo em seu coração sorridente.

Debora, mantenha as madrugadas acesas. Eu lhe falo do "caminho das pedras" por e-mail.

A conversa tá boa. Continua? :)
Anônimo disse…
deste longe quero cumprimentar vc
li seu Pequenos Poemas
so hoje encontrei o site e vou voltar mais vezes

M.Helena
Bem-vinda, Helena. Agora que achou o caminho, venha sempre. :)
Anônimo disse…
Eduardo, a gente sente na pele o que voce escreve

M.Helena
Entào vou pegar leve, Helena. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …