domingo, 2 de março de 2008

QUERER BEM >> Eduardo Loureiro Jr.

Eu quero o bem de outra mão na minha — fria. O bem de uma noite calma — até nos sonhos. De despertar na hora — exata — de receber o dia. De um recado da irmã — querida. De ver a forma do que era idéia — delícia. De ouvir a voz de um antigo amigo — trazendo uma canção já esquecida. De ver a lua aparecer de dia — colocando (entre parênteses) o tempo-ontem e o tempo-agora. De ler a carta em que um amigo — irmão — conta as novidades com demora. De ter os pedidos — os mais simples — atendidos. De abrir o longo e-mail de um distante primo — e prima. De esquentar — com estas palavras que agora escrevo — o coração de um casal cujo corpo é aquecido pelo vinho. De assistir a um filme - de final imprevisível. De almoçar — para seguir leve — um sanduíche. De abrir a rede — para armar um cochilo. De poder mudar de planos — pelo conselho do sono. De quebrar cabeça — só com problemas feitos de numerais e símbolos. De caminhar ouvindo música — meus passos quase de dança. De uma caneca d'água — carinho na sede. De tomar banho no escuro — sem eletricidade. De rumar para um recanto — um pouco além da cidade. De rever novos amigos — aprender-lhes qualidades. De escutar uma antiga história — versão mais simples, verdadeira. De tocar uma canção — novinha em letra e melodia — em homenagem a um musical parceiro. De um leitor — de carne e osso — abençoar minhas escritas palavras. De ouvir no rádio a música — mesmíssima — que pouco antes tocava em meu interno ouvido. O bem de escolher a cama — pois melhor me esquento. Eu quero o bem de reolhar o dia — e sabê-lo perfeito.


Clique no play (>>) para ouvir esta crônica.

Partilhar

12 comentários:

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Meus queridos amigos, e leitores desconhecidos, aqui está mais uma crônica tecida com o coração. Fiquem à vontade para comentar. Que este seja um espaço de conversa, de encontro, de tecer palavras nossas, e não mais só minhas.

albir disse...

...e o bem de sentir o domingo na semana inteira, só por ter lido a crônica eduardo-loureira.

HeloisaReis disse...

Eduardo,
Adorei ouvir a cronica, que pode fazer o final do meu domingo mais perfeito!
Heloisa ( uma Artemísia)

estrela disse...

Olá,
Gostei muito de ler e...ouvir esta crónica(?), eu acho que é poesia.
Não há ninguém como os brasileiros para adoçar tão bem a língua portuguesa.
Obrigada,
Estrela

Anônimo disse...

Edo,
Fiquei pensando se o seu "bem" era o mesmo meu. Muitas coincid�ncias..rsr. O bem de ver a lua aparecendo de dia ( o tempo ontem e tempo agora), foi demaisssssssssssss.De rumar para um recanto - pouco al�m da cidade...Bem �s vezes necess�rio.
Ben�o a sua escrita. Sou de carne e osso.

Marisa Nascimento disse...

Eduardo,
O que mais admiro na sua forma de escrever é a intensa variedade de inspiração que você tem. E, terminar/começar a semana lendo e ouvindo essa terapia para a alma é algo que as minhas limitadas palavras não conseguem expressar. Garanto, porém, que neste exato momento, meu coração sorri!
Obrigada.

Debora Bottcher disse...

Eduardo, meu amigo,
Puseste Artemis em polvorosa com sua voz. Valha-me... :)
A questão é que, agora, muitas querem se fazer ouvir. Portanto, trata de anunciar o programa com que gravaste essa crônica, porque de agora em diante é provável que textos se farão em vozes - ninguém manda inventar moda... :)))
Lindo o que escreveste. Iluminou minha madrugada com esperança de sonhos.
Muitos beijos.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Brigadim, gente!

Albir, a idéia é essa: espalhar o bem por toda a semana.

Heloisa, que bom que a minha perfeição não foi egoísta e pôde servir para você também.

Estrela, fiquei feliz por saber que as estrelas têm paladar. ;)

Dilma, sim, é o mesmo bem: compartilhemos.

Marisa, suas palavras são Ilimitadas. Beijo em seu coração sorridente.

Debora, mantenha as madrugadas acesas. Eu lhe falo do "caminho das pedras" por e-mail.

A conversa tá boa. Continua? :)

Anônimo disse...

deste longe quero cumprimentar vc
li seu Pequenos Poemas
so hoje encontrei o site e vou voltar mais vezes

M.Helena

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Bem-vinda, Helena. Agora que achou o caminho, venha sempre. :)

Anônimo disse...

Eduardo, a gente sente na pele o que voce escreve

M.Helena

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Entào vou pegar leve, Helena. :)