Pular para o conteúdo principal

PALCOS DE SAMPA >> Carla Dias >>

Quando vim para a capital de São Paulo, em 1995, sabia que seria uma mudança para a intensidade. Santo André, minha cidade natal e onde morei até os 25 anos de idade, era mais pacata culturalmente, na época, mas somente no que se referia a espaços culturais e bares, pois nela e nos seus arredores, no ABC Paulista, surgiam compositores, instrumentistas e intérpretes, e muitos deles eram inquestionavelmente talentosos. Faltavam palcos, mas não quem fosse capaz de garantir uma boa apresentação sobre eles.


Élio Camalle interpreta a canção “ Caso”. Compositor, violonista e cantor que muito admiro – www.camalle.com.

Eu não ouço rádio, então ando meio por fora do que anda acontecendo por aí, comercialmente falando, mas conheço as tendências e os artistas com seus sucessos relâmpagos, não só do Brasil, mas de outros países. Continuo a buscar um diferencial na música que me proponho a apreciar. Não consigo usufruir de uma música que não mexa comigo pela sua letra ou sua parte instrumental; se der sorte, pela combinação de ambas.


Bocato – um dos mais peculiares trombonistas do cenário da música instrumental. Também já tocou com diversos artistas, entre eles Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção, Rita Lee e Ney Matogrosso.

Chegam em São Paulo artistas de todos os cantos do país. Há muitos espaços para apresentarem os seus trabalhos, mas a concorrência é acirrada. Justamente nessa diversidade é que mora a riqueza cultural da cidade, que não é feita somente de grandes casas de espetáculo. Nos bares e centros culturais dos bairros é onde boa parte da mágica acontece. Nas salas de estar desses artistas nascem grandes idéias, entre um cafezinho e outro, e que se transformam em espetáculos inspiradores.


Virgínia Rosa no videoclipe Amado Samba, de Luísa Maita, do seu novo CD Samba a Dois. Uma intérprete que canta compositores brasileiros com graça e presença - www.virginiarosa.com.br.

Tenho sorte de poder estar próxima desses compositores, instrumentistas e intérpretes. Cada qual, através das suas percepções, enriquece esse pedacinho do Brasil que é São Paulo. Tenho sorte, também, por conhecer pessoalmente estes que citei nesta crônica. São pessoas que admiro, por quem torço e que desfilam pelos palcos de Sampa.


Robson Fernandes no palco do SESC Pompéia, apresentando-se no Encontro Nacional de Harmonica 2007. Talentoso gaitista que vem fazendo um belo trabalho - www.robsonfernandes.com.

Eu quis mostrar um pouquinho do que acontece aqui em São Paulo na área musical. Porém, há muito que se mostrar e vou preparar crônicas específicas a respeito desses artistas. Espero que, dessa forma, vocês possam conhecer melhor o que vejo de perto e admiro mais a cada dia... A cada show... A cada café na companhia dos amigos.


Kléber Albuquerque canta “Manjedoura”, de sua autoria. Meu conterrâneo; compositor-poeta dos mais inspirados - www.kleberalbuquerque.com.br.


www.carladias.com

Comentários

Marisa Nascimento disse…
Carla, que mimos mais agradáveis esses com que você nos presenteou. É uma diversidade de melodias e letras, porém, com qualidade incontestável. Já anotei as páginas pessoais dos artistas para poder conhecer um pouco mais de cada um deles, porque muito me agrada o puro, ainda não corrompido pela mídia, sem querer fazer banais generalizações.
Parabéns pela iniciativa!
albir disse…
Carla,
vou ficar aguardando ansiosamente as próximas crônicas. Elas têm sido verdadeiras aulas de arte e generosidade. Generosidade com os artistas, por divulgar-lhes o trabalho, e generosidade conosco, pela qualidade do que você avaliza.
Carla, eu sou daqueles que escuta rádio (gosto bastante da FM Cultura aqui de Teresina, e também da MPBfm e da Inconfidência, que escuto via internet). O rádio me dá surpresas boas: aquela canção antiga, já esquecida; aquela canção nova, lindíssima, candidata a obra-prima, clássico.

O que me impressiona no que escuto (rádio, TV, internet, amigos) e também na sua crônica é a grande quantidade de gente fazendo boa música. E ainda tem gente, e nós mesmos às vezes, que se impacienta com o mundo, que se pessimiza. Como pode o mundo não estar melhorando com tanta gente fazendo boa música?! O mundo vai se acabar em música, dissolvido em sons, e nós vamos todos subir, cantando e tocando, pro céu. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …