Pular para o conteúdo principal

SALA DE AULA >> Albir José Inácio da Silva

Ao contrário do que tenho ouvido dos alunos de hoje, a sala de aula sempre representou para mim um encantamento: a presença de pessoas tão diferentes, atentas umas, distraídas outras, algumas sorridentes, outras sérias, as que falam alto, as que nem falam; as relações que se desenvolvem timidamente a princípio, por olhares, por sorrisos, por gestos de cortesia; todos concentrados no que acontece a frente, nas palavras e gestos do professor, mas também prestando atenção nos outros. Muitos vão se transformar em amigos, outros nem tanto, e outros ainda serão indiferentes. Mas todos têm potencial. A sala de aula é uma possibilidade de convivência que de outra forma não se teria. Há uma necessidade de se estar ali, mas há também a inafastável emoção do encontro.

Apesar do desenvolvimento tecnológico nas comunicações, as possibilidades de encontro e de convivência diminuem para o humano moderno. Conversa-se com o colega do lado pelo computador. As pessoas trabalham juntas, mas passam semanas sem se ver ou se falar pessoalmente. Nadao contra s avanços da comunicação. Também já não consigo viver sem celular e sem e-mail. Como diz Gilberto Gil sobre as viagens à lua, “confesso que estou contente também”. A questão é quando pessoas de todas as idades dizem que se pudessem não pisariam mais na escola. Algumas até estudiosas e bem informadas, reclamam da exigência de presença nas turmas, porque preferiam estudar sozinhas e comparecer apenas para as provas. Outras até gostam da Universidade, quer dizer, gostam do pátio, da cantina, do bar em frente, mas não da sala de aula. Essas pessoas se esquecem do que esse espaço já lhes proporcionou. Acho muito difícil que não tenham amigos ou pelo menos boas lembranças da época em que eram obrigadas a freqüentar as aulas. Aquele mau encarado que depois virou melhor amigo. O sorridente do primeiro dia que ficou esnobe no decorrer do ano. Ou o riquinho que passou a freqüentar o barraco do colega na favela para brincar. Uma caixa de surpresas, a sala de aula.

Claro que as pessoas vão juntas ao bar ou às festas, mas aí encontram os seus iguais. Fazem uma seleção de companhia que, embora muito agradável, não é tão enriquecedora. Na sala de aula não podemos escolher os colegas, temos de conviver com todos. Um pouco como acontece com as disciplinas. Imagine se pudéssemos evitar esta ou aquela matéria de que não gostamos. Quantos de nós não teriam descartado matemática, ou história, ou até o estudo do próprio idioma, com sérios prejuízos para a formação? A sala de aula tem essa riqueza, não nos permite escolher. Essa imposição muitas vezes nos reserva os encontros mais importantes de nossas vidas. Ali aprendemos muito mais coisas do que supomos e ganhamos muito mais do que conhecimento e diplomas.

Não acredito em bons velhos tempos. Cada época tem a sua beleza e as suas dificuldades, e a humanidade marcha sempre, por bem ou por mal. Apesar das dificuldades da escola e da baixa qualidade do ensino público, existe atualmente uma oferta maior de vagas e possibilidades mais concretas de se estudar. Mas temo hoje pelo futuro da classe, porque se os alunos ainda estão presentes, seus corações, parece, já pararam de freqüentá-la.

Não o meu. Ainda hoje, quando entro numa sala para fazer um curso e vejo pessoas trocando tímidos olhares e sorrisos, não consigo deixar de sentir alguma emoção. É nostalgia de um tempo que não volta, mas que deixou marcas. Boas marcas.

Comentários

Muito interessante esse assunto que você puxou, Albir. Eu, particularmente, não tive muito bem-querer pela sala-de-aula quando era estudante, mas estou descobrindo o prazer agora, como professor. :)
Marisa Nascimento disse…
Albir, para mim a sala é de aula é sempre um palco para nossas molecagens. Seja em um curso qualquer ou em uma disciplina de doutorado, voltamos a viver saudáveis meninices diante de um professor. Não precisa muito para estarmos trocando palavras cochichadas como se fôssemos ter a atenção chamada por aquele que está à frente da turma. Acho, sinceramente, que até as reclamações são parte de um todo que vai ficar numa saudade gostosa.
Bom te ler e sentir essa saudade da minha última sala de aula.
Carla Dias disse…
Albir,

Foi bom relembrar a sala de aula através da sua crônica.

Eu fui uma estudante que realmente curtia estar na escola e, principalmente, pelos motivos que você citou. Além do aprender havia o socializar, lidar com pessoas que, tendo opção, não escolheríamos conhecer.

Para mim, a escola sempre foi a caixinha de surpresas predileta. Gostava de aprender as matérias, claro que havia ressalvas sobre as que mais me interessavam. E também gostava de aprender as pessoas.

Obrigada pela volta às aulas.
cacau disse…
Adoreiiii essa crônica me permitiu algumas viagens a esse bom e velho tempo. Obrigada!

Feliz Páscoa ;-)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …