Pular para o conteúdo principal

MIL E UM DIAS DA MULHER >> Eduardo Loureiro Jr.

Andy Kingsbury/Corbis.comQuando eu nasci, um anjo mulher, desses de longos cabelos, disse: "Vai, Eduardo, amar e ser amado". E deu-me minha mãe Mazé, que havia sido dada à minha Vó Izolda, e esta à minha bisavó Encarnadinha.

Quando eu era bebezinho, minha mãe estudava com suas colegas de faculdade em nossa casa. Com minha mãe, além das amigas, vieram as tias, as primas, e depois mais primas e as irmãs. No mundo em que eu cresci, as mulheres eram as estrelas e nós, os homens, éramos os satélites: coadjuvantes.

Depois vieram as professoras, as médicas, as terapeutas, as amigas: sempre em maior quantidade que os homens. (Até minhas grandes amizades masculinas têm uma sensibilidade e afabilidade que não seria demasiado qualificar de "femininas".) Para onde eu fosse, sempre havia uma grande mulher: uma anfitriã amorosa, uma conselheira sábia.

Ainda hoje, se mudo de cidade, o que me aparece? Mulheres. Numa nova sala de aula, o que vejo? Mulheres. Um grupo de pesquisa? Mulheres. Um estúdio de TV? Mulheres. Estarão elas em todos os lugares ou sou eu que as procuro?

Tive dois casamentos. Um que pode parecer longo — 10 anos —, mas que eu prolongaria indefinidamente com prazer. O outro casamento foi curto — 2 meses —, mas o guardo com a intensidade dos infinitos. A essas duas mulheres, eu poderia chamar de deusas. (Ao próprio Deus, só chamo Deus por hábito, e para não me tomarem por maluco — vontade que tenho é chamá-lo Deusa.)

Minhas namoradas, e mesmo meus amores platônicos, não as tenho como criaturas terrenas, por isso às vezes as nomeio de Nuvens, Sereia, Lua... Em quase todos os meus relacionamentos, me pergunto: "Mas o que foi mesmo que esses seres especiais viram em mim?"

Quanto às minhas amigas queridas, não podem ser outra coisa senão as mais variadas manifestações daquele anjo mulher original. São elas a quem amo, e por elas é que sou amado no cumprimento do meu profetizado destino.

Em minha distorcida lógica masculina, parecia muita pobreza — muita desconsideração — que, dos 365 dias do ano, apenas um fosse dedicado à mulher. Que sociedade é essa que dedica um único dia a quem se poderia dedicar — por mérito e com prazer — toda uma vida? Mas elas — as mulheres — gostam dessa humilde lembrança, e multiplicam as alegrias e homenagens desse dia em tantos dias que — arrisco dizer — o ano delas deve ter mil e uma noites.

Ah, por que falo tanto? Por que me perco em excessivas palavras? Se "do luar não há mais nada a dizer a não ser que a gente precisa ver o luar", da mulher não há mais nada a dizer a não ser que a gente precisa ver e ouvir e beijar e cheirar e abraçar e admirar... a mulher.

Comentários

Mulheres queridas, e homens encantados feito eu, o espaço de conversa está aberto. Fiquem à vontade. Vamos saborear palavras.
Anônimo disse…
Oi Eduardo,
Te conheço tão pouco e com tanta intensidade que parece que tem muito tempo. Meu amigo,que só conheço por e.mail, você é muito especial, e hoje também é seu dia pois sua Alma é totalmente Feminina, você entende a mulher como ela é realmente, então te desejo tudo de bom no dia de hoje.
Beijos desta que te admira muito, mesmo em tão curto tempo.
Celia
Debora Bottcher disse…
Ai, Eduardo... Que homenagem mais linda - até me roubas lágrimas...
E sinto-me assim: vista, ouvida, beijada, cheirada, abraçada, admirada... :)
Os olhos do mundo estão em mim através de suas palavras... Obrigada, amigo.
Beijo enorme.
albir disse…
Que a arte do Eduardo aplaque o silêncio de nossa perplexidade ante a presença dessas que desceram do Olimpo para habitar entre nós por mera benevolência!
Anônimo disse…
Que linda, linda! Fiquei encantada, e enlevada com a lembrança de sua doce pessoa. Obrigada, em meu nome, e de todas as (também muitas) mulheres de minha vida.
Beijocas,
Ana Paula Zaupa
lcarlosampaio disse…
Oi, caro amigo, é patente a emoção com que escreves. Creio que a isso se deve a beleza de sua homenagem. Sinto que as mulheres a muito estão conquistando espaços outros além de nossos corações, os quais, a seus pés, sempre estiveram.
Dilma disse…
Edo, no Brasil o dia 30 de abril é considerado o dia Nacional da Mulher,por decreto lei sancionado pelo Presidente Figueiro em 1980. Mesmo assim, concordo com vc em achar dois dias muito pouco para festejar "A MULHER". Convém lembrar que ela não existe por si só. Toda mulher tem um "HOMEM" em sua vida. Marido, amante, namorado, filho, professor, médico, padre. E quando mais amada, respeitada, prestigiada por esse homem que ela admira, mais divina e graciosa a mulher se torna.Agradecemos suas doces palavras, ficamos mais belas ao ler essa matéria.
ines disse…
Oi, Du! Cheguei em casa agora e fui surpreendida pela deliciosa beleza de sua crônica.

Grata por permitir que nossa beleza se irradie pelo seu olhar.

Beijo,

Inês
Gente querida, muito bom ter vocês por aqui...

Celia, é uma honra ter uma alma feminina.

Debora, que o mundo nunca tire os olhos de seus sentimentos.

Albir, que continuemos contando com a benevolência das deusas. :)

Ana Paula, encanto e enlevo te levem as cantos mais felizes.

Luis Carlos, bem lembrado: nosso coração a seus pés. Eu adoro pés. :)

Dilma, que delicadeza sua lembrar de nós, homens.

Inezinha, a beleza de vocês melhora o meu olhar.

Alguém mais?
Anônimo disse…
Eduardo, sou daquelas mulheres que não dou muita atenção ao dia 08 de março por uma série de motivos. Neste dia 08 de março, coincidêcia ou não, minha vida ficou perdida num turbilhão de afazeres que não tive tempo para nada nem para comentar aqui que é uma coisa que faço questão. Mas quando li o que você escreveu minha primeira frase frase simplesmente me traiu. Estou aqui, ainda atarefada, mas com uma sensação de que a vida faz sentido, sabe? Como é bom te ler...
Marisa Nascimento disse…
Ih, foi como anônimo. Agora foi o touchpad que me traiu...risos
Anônimo disse…
Quando temos um amigo especial que manisfesta carinho e atenção o ano inteiro, nem lembramos do detalhe de sermos homenageadas apenas uma vez por ano. Nos sentimos especiais sempre perto de você."Chuvas" de beijos.
Anônimo disse…
Dear Edu,
Being a woman of your life makes me grateful and conceited,simultaneously,thanks for that.
To my mind, your intelligence is something that is one of your "cups of tea."
Love now and always
Meninas...

Marisa, a vida quando faz sentido é como uma luz que acende pra iluminar e guiar outras vidas em busca de sentido.

"Chuvas", é gostoso me molhar em seus beijos carinhosos. O ano continua...

English woman, perdoe os erros do meu inglês ruim :) and be close.
Tia Monca disse…
Meu querido sobrinho, quase filho, amigo, astr�logo preferido.
Mais um belo presente que voc� nos d�.
Muito bom ter voc� t�o pertinho!
Voc� � muito especial�!
Tia Monca
Carla Dias disse…
Eduardo... Isso me chega como bem mais do que uma homenagem... Soa reconhecimento. Tem a ver com o universo feminino, mas creio que seja ainda mais importante enquanto o olhar para a nossa humanidade.

Que as mulheres da sua vida sejam sempre tão generosas quanto você é ao percebê-las.
Andrea Bianchi disse…
Edu,

Amei o carinho. Um superbeijo para vc e obrigada por nunca esquecer de mim.

Andrea Bianchi
r a c h e l disse…
Lindo o texto. :*)
Ai, ai, ai... assim eu vou transcender minha realidade masculina e ter orgasmos múltiplos. :)

Tia Monca, quase mãe?! Retroceder jamais! :) Você é um presente bem grandão que eu desembrulho com calma e prazer.

Carla, re-conhecer, conhecer novamente e comunicar o conhecido às conhecidas. :) Você bem sabe que esse site correria o risco de já ter acabado sem a sua constância inspirada.

Andrea, Andrea, Andrea, nem acredito que é você. De tanto lembrar de você, tenho certeza de que um dia verei seus textos novamente aqui no Crônica do Dia. :)

Raquel, fiquei imaginando como essas três palavras de comentário soariam na sua boca numa noite na Cobal... :)

Muito grato a todas e todos vocês, gente! É um prazer escrever-lhes.
Ribamar Aragão disse…
Acessei o blog e gostei da proposta!
Valeu, Ribamar! Você sabe a hora de chegar: apareceu bem em dia de festa. E ainda mais das mulheres. :) Continue aparecendo e conversando. Prazer receber gente nova.
Feliciana e Fatima Castro disse…
Olá Eduardo...
Obrigada pela lembrança. te conhecer foi maravilhoso!!! Parnaiba sentiu-se honrada por ter te recebido, sabemos que retornará logo. Seja sempre bem vindo.
Suas ex alunas: Feliciana Barros e Fatima Castro
Fatima Castro (sem acento) - Parnaíba-PI disse…
Eduardo vou roubar essa mensagem pra mim, igual fiz com a música: Menina!!!!Ela é linda demais.
Um grande abraço
SUELY disse…
VALEU!!
SUELY BJS.
Brigadim pela visita, Su!

Fatima, seu roubo está autorizado. :)

Feliciana, já se recuperou?

E vamos em frente para uma crônica nova...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …