Pular para o conteúdo principal

DIA INTERNACIONAL DA MULHER [Monica Bonfim]


Oi, prazer, meu nome é Mônica, brasileira, advogada, solteira aos 47 anos e feliz, feliz. Sou um membro útil da sociedade, respeitada no meu meio de trabalho, uma boa profissional, amiga dos meus amigos e até de quem tenta me prejudicar. Além disso, para melhorar a coisa, sou bonita e razoavelmente inteligente e culta.

Porque abri uma crônica sobre o Dia Internacional da Mulher com tal declaração? Porque é importante, muito importante.

Há pouco tempo atrás deparei-me com um sujeito que não consegue entender meu lugar no mundo: mulher que não casa e não tem marido, para ele é uma frustrada sem valor. Mulher trabalha é para ajudar o marido, desde que não atrapalhe no andamento da casa e do cuidado com os filhos. Mulher solteira que trabalha é porque é solteira e está “passando o tempo e se sustentando” enquanto o marido não chega.

Caiu de páraquedas na minha vida fazendo promessas de casamento, de vida a dois. Considerou ele que prometendo tais coisas — que diga-se a bem da verdade, tinha intenção de cumprir — comprava minha eterna submissão às suas vontades. Sob sua ótica retrógrada e distorcida, uma mulher de 47 anos solteira ser-lhe-ia eternamente grata por ele tê-la salvado do apodo de “solteirona”.

Hoje é Dia Internacional da Mulher e, embora eu não seja muito de datas e comemorações, vou dizer a vocês que esse ano eu vou comemorar: comemorar que já temos escolhas, que já podemos escolher... PODEMOS ESCOLHER! Podemos ser donas de casa, se quisermos; trabalhadoras, se quisermos; putas, se quisermos; oprimidas, se quisermos; dondocas, se quisermos. E aquelas que não podem ainda escolher, já são alvo de atenção, por não terem escolhas. Até o silêncio, hoje já faz algum barulho.

Já há lugares e meios onde um indivíduo que pensa o que pensou o sujeito do começo do texto não é sequer levado a sério. Onde a atitude dele é considerada um desrespeito tão grande que ele é considerado doente e desequilibrado.

Hoje é Dia Internacional da Mulher. Meu nome é Mônica, sou solteira, advogada, tenho 47 anos e sou feliz, feliz. Fechei ontem dois acordos complexos, que advogados homens tentaram por anos e não conseguiram; meus amigos me ligaram para ir jantar fora; estou em pé sobre meus próprios pés e feliz... porque posso escolher.

P.S. O sujeito? FALA SÉRIO!!! Ainda está pensando nele?

Imagens: Lawyers, Moodboard/Corbis; Woman in Food Preparation Training Facility, William Taufic; Woman Washing her Face, Moodboard/Corbis

Comentários

albir disse…
Nessa sua vitória, Dra., não há sucumbentes. Ganhamos todos: os seus leitores, os seus clientes, os seus amigos, a justiça brasileira. E até aquele sujeito lá atrás ganhou - uma lição!
Parabéns!
Monica, fiquei pensando na palavra "acordo": acordar, afinar as cordas do coração. Desejo que um dia você faça acordos simples até com aquele homem que tinha a intenção de cumprir.
Cláudia Mello disse…
Mônica...
Adorei!
O mais incrível é que ainda tem gente que, realmente, pensa assim. Incrível que muitas dessas pessoas sejam mulheres, que têm sua auto-estima lá embaixo por não terem um "marido para mostrar para as amigas".
Relacionamento não é isso. Não é obrigação e nem símbolo de status, é algo que deve acontecer naturalmente, quando há amor e vontade de criar uma vida em comum. As pessoas costumam namorar e casar pelos mais variados motivos, menos os que fazem sentido...rs
grande beijo
Debora Bottcher disse…
Valha-me, Monica! :) Homens assim não têm mais espaço nesse mundo. Essa mentalidade retrógrada não cabe mais nem mesmo em sociedades que cultivam valores ultrapassados - até nelas, as mulheres, mesmo as que têm que ser submissas pra não morrer, clamam por um pouco mais de respeito, ainda que se curvem.
Mas sim, Claudia: na contrapartida, existem mulheres que ainda têm medo de suas próprias capacidades de gerir a própria vida; a essas, o casamento é mesmo uma opção por inúmeros motivos errados - até o amor para essas é secundário.
Beijo, bonitas.
Heloisa Reis disse…
Mônica,
Neste dia especial deu depoimento demonstra como uma mulher batalhadora É uma vencedora!
Isto merece comemoração! Que todas as mulheres do mundo recebam um pouco dessa sua força e determinação! Parabéns , menina!
Beijo
Heloisa
Carla Cintia disse…
Fala, Moniquinha!

Mandou superbem. É esta a palavra de ordem: escolha.

beijo,

Carla

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …