Pular para o conteúdo principal

RECONSTRUÇÃO >> Carla Dias >>

Dia desses, eu gastei horas a observar minhas mãos sobre o papel em branco. Meus dedos não estavam ágeis, mas sim repousavam sob a vigília das pausas de semínimas preguiçosas.

Lembrei-me da canção, do poema, da festa na qual não estive presente. E também dos feriados prolongados, em que passei ruminando quais seriam as decisões, reflexões e anseios dos personagens aos quais eu dera a luz. Meus filhos impacientes, envolvidos em tramas inventadas que misturei com algumas das minhas próprias experiências.

O escritor que rouba a história da moça; que se apaixona por ela de um jeito que para ele é novo, por isso foge, até perceber que correu em círculos, e cai de vez no abraço dela que para ele foi único. A moça que sente não caber no mundo, apodera-se de uma câmera que é para fisgar a verdade na encenação do outro. Que tem medo do que sente pelo escritor e foge dele... Até perceber que andou em círculos, e se depara com um olhar que põe seu mundo do avesso.

A moça magoada que só, aquela que o pai tenta enlouquecer só para ficar com a herança. E o moço que apontaram como assassino, mas, mesmo não sendo, sabe que depois que apontam o dedo da acusação a você, já foi condenado. Uma anarquista e um homem em busca de paz de espírito, ambos apaixonados pela idéia de fazer uma cidade inteira compreender que seus valores são rasos. Ambos empenhados em trazer para o centro dela as beiradas, o gueto.

A moça que se trancou no apartamento durante três dias e abusou da reflexão, da profundidade de sentimentos. Viajou lonjuras emocionais para buscar a si, porque quem se tornou não fazia sentido. Assumiu o amor não só por alguém, mas também pela possibilidade de se reinventar.

O moço que se apaixonou pela cidade, que compreendeu que tanto a beleza quanto suas mazelas tinham significado e faziam parte de um todo. Da janela de seu apartamento, vislumbrou o concreto e plantou flores nele, através de seu olhar. Conheceu a moça irônica quando trabalhava no telemarketing. Ela disse ser acrobata e ele, em anos de conversa por telefone, não chegou mesmo a acreditar nisso, mas pensava nela equilibrando alegrias e tristezas, enquanto voava sob a lona da solidão. Na jornada em busca pela paz de espírito (ela realmente é famosa nos meus escritos), conheceu outra moça que, pelos acontecimentos de uma breve convivência, fez com que ele acreditasse que era uma corajosa militante, o que a levou a denunciar um figurão pelos seus crimes. O figurão virou governador e ela sumiu do mapa. A paz de espírito do moço não chegava... Mas veio rasgando o tempo a saudade dele pela moça com quem pouco conviveu, mas tanto o marcou. Enquanto isso, a acrobata vivenciava a solidão do moço.

Poderia continuar falando sobre todos os personagens que já criei, mas confesso que os quero tão bem, até mesmo aos bandidos bem quero... Pois são meus, eus, são um pouco de invenção misturada nesse caldeirão de verdades que, ainda que nem sempre sejam minhas, são da vida.

Melhor parar por aqui, antes que coloque a todos numa mesma trama, e reconstrua aquilo que, do jeito que está, já é.

Imagens >> Nilton Mendonça

Comentários

Ô mulher da prosa boa! Vontade de continuar passeado por seus mundos de gentes, mas, como disse em seu final perfeito, vamos deixar do jeito que é.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …