Pular para o conteúdo principal

AJUSTES DE FABRICAÇÃO [Ana Coutinho]


E se você pudesse voltar no tempo, na época em que Deus (ou o diabo) estava construindo o seu marido/namorado e pudesse fazer alguns ajustes? Melhor, e se você pudesse fazer apenas um, um único ajuste?

Veja bem, Deus (ou o diabo) está construindo seu marido com todas as características: ele vai ser calmo, vai ser calado, falar pouco, vai ser preguiçoso, vai odiar lavar louça, vai preferir tênis a futebol, não vai ser muito de ler, mas, em compensação, vai ser ótimo pra eventuais consertos domésticos. Vai ter olhos escuros, cabelo ruim, mas, provavelmente, vai gostar de cortá-lo curto e, cedo, cedo vai ganhar uns fios brancos pela vasta cabeleira.

Ele vai ser calorento, vai ter insônia, vai sofrer de ansiedade, e vai ser nervosinho no trânsito também. Vai ser magro, desses com barriguinha, mas vai gostar
de esportes e, em algumas fases da vida, vai até ficar saradão. Ele vai ser peludo. Peludíssimo inclusive, se der tempo, diz Deus, vou caprichar até mais que no Tony Ramos (se bem, que, isso seria obra do diabo, com certeza).

Ah, ele vai ser alérgico a leite, mas vai ser forte a beça pra cerveja, e vou deixá-lo ser capaz até de enfrentar uma boa mistura alcólica com certa resistência (olha o demo aí, pegando boa parte da produção...).

E assim Deus (ou o diabo, dependendo da sua sorte) vai passando o dia, fazendo uma coisa, desfazendo outra, usando barro pra ajeitar o nariz, ou arrastando figuras com vários tipos de narizes (?) num super computador, enfim, como a sua imaginação permitir... E você ali, atenta, porque enquanto observa a construção do seu marido tem uma chance, apenas uma, para, de repente, gritar: “Páááááááára! Isso não, isso, por favor, não!!”

Difícil, né, colega? Eu sei, mas, pode ser um bom exercício, e, para te ajudar, eu compartilho o meu ajuste com vocês.

O meu marido é um doce. Ele lava a louça, troca a lâmpada, deixa a tampa do vaso sempre abaixada, não gosta de cerveja, é praticamente uma mulher em termos de organização - e só. No resto ele é bem homem, graças a Deus (isso foi de Deus, certamente).

Mas, na construção dele, eu eliminaria um ponto que pode parecer ridículo aos olhos alheios, mas é muito sério se olhado de perto. Se eu pudesse mudar alguma coisa, na hora da definição dele, eu o faria ser, simplesmente, menos calorento.

Estou louca, né? Então tá, então você, que não tem esse problema, experimente dormir com alguém que gosta de ligar o ventilador mesmo se estivermos sei lá, no inverno da Rússia. Tudo bem, nunca estivemos no inverno da Rússia, mas já tivemos dias frios aqui e meu lindo marido insiste em sentir calor (acho ótimo que ainda não possamos ter um ar-condicionado em casa).

Se estamos assistindo TV tranquilamente, de duas uma, ou a janela está fechada e o rapaz está suando, ou está aberta e eu espirrando. Se estamos no carro, no levíssimo trânsito de São Paulo, ou eu não consigo nem me mexer por conta do gelo do ar-condicionado, ou então ele bufa de calor enquanto eu acho a temperatura “amena”. É um problema sério, pode até ser uma doença a pessoa não ter habilidade de sentir frio!

Então, eu, deixaria Deus construir tudo. O mesmíssimo nariz, a mesma timidez, a exata dose de orgulho - ainda que seja muito, tudo bem. Pode continuar aí trabalhando. Não quero nem mais um centímetro de altura, nem a menos, mas, na hora de regular a temperatura eu pediria aí, uns 3 graus de diferença e Deus, eu sei, deixaria, se eu pudesse voltar no tempo...

Enquanto isso, dá-lhe edredon à noite e casacos extras no carro, até que, quem sabe, a menopausa me iguale um pouco a ele.


Imagens: Maitresdel'Affiche, Jules Cheret; Eros and Psyche, Bougereau

Doce Rotina

Comentários

Entre recalls e ajustes, a gente vai deixando a vida do jeito que a gente quer. :) Mais uma bela crônica!
Cris Ebecken disse…
Sintonizar... colocar beleza na dessintonia...
Mariana disse…
Ai...esta foi boa...fiquei imaginando o que o lindo marido mudaria em mim...rsrs E em você? Será que ele pedirira que sua temperatura fosse uns 4 graus ou mais que isso, elevada? rs Que vc nao tivesse rinite? rs Fiquei curiosa e com medo de imaginar a minha propria construção :) Agora é coisa do diabo dar apenas uma chance d emudar algo...pq o ser humano tão insatisfetio quer sempre mais e pediria: "só mais uam coisiquinha de nada, pode ser? nem vai dar trabalho"

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …