Pular para o conteúdo principal

QUEM NÃO ME TORNEI >> Carla Dias >>

Pensei que tivesse nascido para uma tarefa muito especial. Que, em algum momento, minha existência valeria tanto e mais. E hoje, observando-me com atenção, percebo que se há realmente algo que me faça ocupar este posto, perdeu-se dentro de mim.

As noites que passei em claro, batendo papo com Deus e com o olhar voltado ao futuro, foram noites decisivas. Frente ao espelho, consertando com uma auto-bondade falseada a estrutura de mim que não cabia em panos ou na realidade que sorvia. Encarando o diariamente com aquela inquietude que, para quem via de fora, era apenas um silêncio matuto, de quem ruminava planos que tinham tudo para dar certo no logo adiante. Mas que, no fundo, era a mais pura solidão. E no cenário dela construí esperanças que buscavam pelos seus pares, pois nem mesmo elas agüentam o isolamento por muito tempo.

As provações pelas quais passei, ah, que nem sei como engoli. Não sei, até hoje, por que adoravam galhofar de mim os meninos da escola. E para criar a lonjura necessária entre nós, eu sonhava com um príncipe encantado de desencantos, olhos chorosos, uma penca de problemas para resolvermos juntos. E que se permitia fascinar pela sensibilidade; que conjugava importâncias a ponto de me fazer desejar, profundamente, seguir adiante no universo das querenças e desavenças. Na falta da aparição desse príncipe, permiti-me compreender que, de dentro pra fora, a jornada sempre é solitária.

As noites que passei fazendo vigília às labaredas das velas que me metiam medo. Não sei o que mais me amedrontava, se as velas acesas ou a escuridão total. Se a luz contornando ilusões ou a escuridão criando fantasmas que se encostavam nos móveis, sorriam para mim... Queriam saber do meu futuro. Para os meus fantasmas eu fazia a corte ao vazio. Mal sabiam eles que eu o vislumbrava, como caneta assediando o papel em branco. E que neste fazer havia um quê de coragem que nem sempre se encara nessa vida.

Os dias em que passava assuntando possibilidades eram os que me agradavam mais. Lavando louça, enquanto o pensamento visitava uma idéia. Na minha cabeça, criei diversas de mim: militante, pacifista, antropóloga, pessoa dos afazeres sociais. Pensei, desde sempre, que faria alguma diferença nessa vida; que descobriria um jeito bom de ajudar as pessoas. E então percebi que, freqüentemente, também as magoamos.

As noites ofereciam o silêncio necessário para que eu refletisse sobre meus medos. Temia me tornar uma pessoa medíocre, sem sonhos, sem buscas, acostumada demais com o que vivia que, ainda que insatisfeita, desempenharia sem pestanejar meu papel de conivente com a realidade. E este tem sido um temor companheiro, pois não há época para ele. Não há fase que o delimite.

Acreditei, verdadeiramente, a partir daquele momento da vida em que acreditar é essencial, que faria alguma diferença nesse mundo. Que realizaria grandes feitos, dignos de uma pessoa que passa tanto tempo em companhia das reflexões; que pondera, mas não renega os impulsos. Que acredita no dia seguinte como se nele coubesse somente o melhor. Obviamente, até mesmo as crenças sofrem abalos, e de certa forma isso é um descontruir para reconstruir de uma forma mais humana. Mas no momento em que essa transformação acontece, nossa, dói tudo: corpo e alma.

Pensei que seria uma pessoa de valor imensurável, acreditei piamente nisso, como se realmente houvesse como escolher este significado. Porém, hoje percebo que essa importância é uma conquista diária e que nem sempre está em grandes feitos, mas na sutileza e na simplicidade de cada experiência pela qual passamos. Que se trata de um estado de espírito que é construído aos poucos, e que se desfruta também dessa forma: homeopaticamente.

Posso não ser a pessoa que idealizei na infância das minhas experiências. Talvez nunca chegue perto de ser este alguém. Mas o que torna este pensamento tão ambíguo e ao mesmo tempo revelador, é que eu posso me tornar uma pessoa bem melhor do que, dia desses, eu fui. E acho que isso já é uma possibilidade e tanto, não?

Imagens: Anny Jacopetti

www.carladias.com

Comentários

joão vilhena disse…
Vc já escutou a música do Kleber Albuquerque "Cabimento"? Rubi está cantando no seu último cd "que está bárbaro" diz: Cabe tudo no mundo - que alívio - Cabe até eu - que pensei que nunca caberia. Sua crônica me remeteu ao que esperava da minha vida e o refrão me trouxe uma espécie de alívio!!!que bom essa possibilidade!! joão vilhena
Essa crônica é tão eu. :) Mas ainda não desisti de todo do que não me tornei. Tenho a esperança de que não precisamos desistir do que queremos, mas apenas da maneira como o queremos. Seu príncipe, por exemplo, ainda vai achar o rumo de lhe encontrar. :) E, pra mim, pessoalmente, você já cumpre uma tarefa muito especial de maravilhosa escritora de sentimentos. :)
Ghii disse…
Que bela crônica. Parece ter sido escrita especialmente para mim.
Simplesmente linda.
Você escreve muito bem.
Muito obrigada e meus parabéns!
"Certas canções que ouço
Cabem tão dentro de mim
Que perguntar carece:
Como não fui eu que fiz?"

Li. Chocou. Sou eu, desnudada. Como assim? Aí, pensei que fosse a única. Só até ver os comentários.

"Como não fui eu que fiz?" Essa é fácil de responder... tivesse eu o seu talento, poderia tê-la feito, pois me vi ali por inteiro.

Carla, obrigada.

Beijos

Chris
Carla, estava apenas simpatizando com este blog, mas sua crônica me fez apaixonar. Linda, linda , linda!!! Parabéns!!! Fiquei fascinado, não tenho mais palavras...
Daniela disse…
Acabo de me tornar fã do blog e especialmente de suas crônicas!!! Maravilhoso!! Parabéns!!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …