Pular para o conteúdo principal

ELA [Anna Christina Saeta de Aguiar]

Ela, que queria tanto da vida. Ela, que queria porque acreditava que, de algum modo, as coisas chegam se você as quiser de verdade. E ela queria muito, queria tudo, queria de verdade. Queria amar - e isso não era difícil - e queria, principalmente, ser amada. Ela que sempre sonhou com o dia em que alguém olharia fundo nos seus olhos e diria, sem riso nem fuga, "eu te amo".

Ela, que tinha tantas esperanças e planos e motivações. Ela que viu em sonhos imensos as pequenas mãos do filho que teria. Ela que imaginava o choro de seu bebê, e até mesmo sentia o corpo miúdo e macio dele aconchegado em seu seio. Logo ela, que acreditava tanto no mérito da sobrevivência e no milagre da vida que todos os anos celebrava seu próprio aniversário com bolo, velas e risos.

Justo ela, que acreditava tanto na verdade. Ela que pensava não existir nada mais correto do que dizer a verdade, mesmo que a verdade pudesse causar algum desconforto. Porque ela realmente cria que a verdade liberta. Ela não tinha medo de chavões ou frases feitas. Ela apenas esperava ter outra verdade de volta quando oferecia a sua própria.

Ela que lia livros, via filmes e ouvia música, sorvendo cada nota, gesto e palavra delicadamente, recolhendo tudo o que parecia belo para guardar em algum lugar especial e muito íntimo. Ela que estudava e ensinava, que pedia e dava, que ouvia e falava, na esperança de que isso a ajudasse a construir a pessoa que seria um dia.

Pois foi ela que, numa manhã cinzenta, pegou aquela maldita lâmina. E pensou na vida que vivera até então e em tudo o que acreditava, esperava, planejava, queria. E percebeu, com perplexidade, que os dias eram curtos demais e que agora era tarde para receber um novo amor, ter um filho, ler um livro ou mesmo...

Ou mesmo continuar a querer, a acreditar, a esperar, a planejar.

E então ela não sentiu mais nada, nem mesmo a dor pelos riscos rubros e profundos desenhados pela lâmina.

Foi tudo muito suave.

E frio.

Tão frio que, quando entrei no quarto, naquela noite, encontrei-a enrodilhada, como se tivesse, no último momento, presenteado a si mesma com um abraço.

A mim, só deixou essas palavras, as poucas que usei para contar tudo que sei sobre ela.

E o silêncio.

Comentários

Paula disse…
Ah, não...

Quando comecei a ler achei que ia ter o final mais feliz do mundo, estava até me identificando com a menina sonhadora e aí esse susto no final! Puxa, fiquei triste... Mas adorei "te ler", como sempre!

Beijo!
Debora Bottcher disse…
Valha-me... Que texto! Mas ao contrário da Paula, eu previa um final assim. Talvez porque eu seja um pouco parecida com ela - mas sem tanta coragem (porque penso que é preciso muita coragem para deixar a vida num silêncio assim...)
Beijo, moça.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …