Pular para o conteúdo principal

PALAVRAS-CHAVE [Mariana Monici]


Não sou uma pessoa racional - fato admirado por alguns e totalmente condenado por outros. Reparo que algumas pessoas vivem exatamente de forma calculada, feito uma planilha no excel: cada novo dado inserido já prevê um resultado. Admiro e, se houvesse este tipo de consultoria, pensaria em contratar o consultor que aplicasse conceitos matemáticos e prevesse resultados mais sensatos pra minha vida emocional em tudo que lhe diz respeito. Mas tudo bem, procuro aceitar a coisa como ela é.

Alguns tentam me dizer palavras-chave que suscitem sensatez (porque um tanto eu tenho, claro!), como, por exemplo, “calma!”, “tempo ao tempo”, “um passo de cada vez”, e vou confessar que ouvi-las me dá um certo tipo de aflição que sinto as bochechas esquentarem, uma descarga de adrenalina do tipo ruim. Pois pessoas guiadas pelo emocional não gostam muito de ouvir isso - preferem ouvir palavras que demonstrem apoio, efusivamente proferidas.

Isto é sim um tipo de confissão e não um pedido. O melhor seria que todos nós tivéssemos o equilíbrio exato nas demonstrações de emoção e afeto e soubéssemos usá-lo também com a razão.

Tem um ditado chinês que diz que o lugar mais escuro é embaixo da lâmpada. Fiquei refletindo um pouco e pensei que talvez queira dizer que conseguimos enxergar melhor quando nos distanciamos do objeto, seja uma tela de Monet, um relacionamento, uma sala iluminada - afinal, só se pode ver a ilha estando fora dela. A principio, a palavra “distância” soa como “tempo” ou “calma”, porém como acho que é infinitamente rico observar coisas, pessoas e relações, aceito melhor “distância”.

Distância é uma coisa engraçada, porque nunca se distancia de tudo; se você se distancia de um ponto, obrigatoriamente se aproxima de outro (pra avaliar qual seria mais produtivo, o excel ajudaria).

A parte boa é que você pode, distanciando-se de tudo ,aproximar-se mais de você mesmo e descobrir coisas totalmente novas, um mundo, mil pessoas diferentes, novos jeitos pensar, de amar, de ver, sentir; e pode descobrir que gosta mais de Zeca Baleiro e menos de Pink Floyd do que imaginava, que prefere mesmo chocolate meio amargo, e que refrigerante diet é um dos piores paladares do mundo. Pode-se pensar melhor e até mesmo rever seus conceitos sobre aprender a usar o excel. Para isso é necessário tempo e também calma...

Ao final, vejo que não tem como fugir. Que as palavras-chave sirvam, então, para aproximar-me do tão almejado equilíbrio entre a emoção e a razão, mas que na distância do mundo ou de mim mesma não se perca o que nenhum deles tem de melhor.

Outras Cenas

Imagens: Lighthouse Possibly, QuintBuchholz; Winter, Tori Amos

Comentários

Ivã disse…
Acho que a Sra. Mariana está completamente certa e o equilíbio é o que devemos buscar!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …