Pular para o conteúdo principal

SURPRESAS TRISTES [Débora Böttcher]


Foi quinta-feira: pela manhã chegou a notícia de que o marido de uma amiga/parceira profissional tinha falecido. Não me pegou de surpresa propriamente dita - ele enfrentava um câncer de estômago há pouco menos de um ano. Mas sempre me surpreendo com a Morte...

Quando saí da garagem subterrânea do prédio onde moro em destino ao local da cerimônia de despedida, deparei-me com um dia especialmente azul - que contrastava totalmente com meu traje preto e minha alma sombria. Ventava um pouco, como sempre parece acontecer nessas ocasiões - naturalmente, uma coincidência sem real associação.

Isso também me surpreende sempre: como a vida continua, alheia às terríveis dores e perdas individuais.

Acho que posso dispensar comentários sobre a tristeza do fato: ele era um homem jovem - 51 anos -, bonito - de brilhantes olhos azuis e pele clara -, educado, gentil, divertido, muito alegre. Amante da natureza, de animais, da vida sofisticadamente simples, ele construiu uma casa grande num condomínio fechado, com jardim para abrigar e brincar com os cachorros que criava. Não tiveram filhos - por razão que desconheço, pois eles apenas diziam que tinham decidido assim. Vinte e cinco anos de casamento e escolhas cotidianas me fazem imaginar que haja acordos plenamente satisfatórios, que nenhuma das partes precisa expôr ou explicar.

Não me surpreendi com o que a doença fez com ele fisicamente - já passei por isso com meu pai e o câncer, descobri, arrasa a todos igualmente, independente da região em que se instala.

A dor em mim se deu pela angústia contida e praticamente silenciosa, em lágrimas sofridas, da 'moça' pequena e querida que amargava a perda do marido: "Ele sempre foi mais pra mim do que fui pra ele...", repetia. Essa sensação é compreensível, mas não é verdadeira: muito voltada para sua vida pessoal (apesar de não abdicar da carreira), especialmente no último ano, eu a vi dedicar-se inteiramente a uma batalha incansável, com gigantesca esperança otimista, numa cansativa guerra que ela não sabia, mas era invencível. Isso sempre me surpreendeu em sua postura: uma certeza de milagre quando as evidências eram claras em apontar numa direção contrária.

Aliás, acho que eu sempre me surpreendo com a maneira como as pessoas enfrentam uma doença terminal de um ente próximo: elas se armam de uma coragem inabalável, ignorando sinais, informações concretas, protegendo-se num manto de irrealidade, atendo-se apenas às histórias de superação. Mas vamos combinar: apesar dos avanços importantes da Medicina, as estatísticas não mentem e sabemos que as chances não são
tão positivas.

Na sala memorial, era possível sentir a presença invisível da Morte num canto esquecido do aposento. Ela não sorria - não seria tão dissimulada -, mas assistia a tudo com sua arrogância impassível. Ela, uma soberana ante a Vida, merecia um capítulo à parte - mas isso entristeceria ainda mais esse relato.

Ainda assim, não sou capaz de terminar esse texto sem expressar minha própria melancolia. E a sempre surpresa que me causa, me paralisa, me põe de joelhos quando constato minha total impotência diante da Morte...

Expressões Letradas
Imagens: Travesseiro, Autor Desconhecido; O Dia da Morte, Bouguereau.

Comentários

Mariana disse…
ah, e não dá pra fechar os olhos: as doenças terminais são tantas e tão silenciosas, e muita vezes não são afecções fisicas apenas né...triste saber disso. A arrogância da morte, como vc disse, é o que assusta...ela tem um ar de ´tô nem aí´...pavoroso.
Um beijo, agora melancólica...rs
Debora, sua crônica veio se juntar a outras duas leituras "de morte" que estou fazendo: "A menina que roubava livros" e "A roda da vida". Parece que o tema está me cercando. :)

Tenho uma grande desconfiança de que a morte teme a mudança tanto quanto a gente teme a morte.
Cris Ebecken disse…
A nossa impotência frente a morte tem a mesma proporção da nossa potência frente a vida... e ambas caminham lado a lado nos ensinado sobre sentidos...
Carla Dias disse…
Lembro-me da primeira vez que tive o pensamento “melhor que partisse logo, ao invés de sofrer tanto” voltado a alguém que amava; que fazia parte do meu diariamente. A tristeza que há nessa constatação é daquelas de nos deixar paralisados. Por mais que eu soubesse do desfecho, lutar pela vida era instintivo… E sempre será!

Minha crença pessoal é que, algumas vezes, a espera pela partida de uma pessoa acontece para que alguns possam reencontrar a própria humanidade, e também a força necessária para aprender a conviver com a ausência.

Gosto de pensar que a morte, por intrigante que seja, abriga muitos dos mistérios da vida. E que nos veremos logo mais adiante.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …