Pular para o conteúdo principal

FERIADO PARTICULAR [Ana Coutinho]


Quando era ainda criança e ainda completamente tonta, tinha uma amiga que se chamava Clara e que fazia aniversário em 21 de Abril. Um dia, talvez perto do feriado, lembro-me de ter perguntado pra ela porque, afinal, era feriado nesse dia. Ela me olhou marota, e disse com alegria: “Porque é meu aniversário, oras!”

Eu fiquei ali, paralisada, pensando o que ela tinha feito para merecer um feriado só dela, o quanto talvez ela fosse importante e eu nem sabia e, depois, em casa, cheguei a pensar se eu também não poderia fazer alguma coisa tão grandiosa quanto a Clara deveria ter feito (apesar de eu não saber) para que eu tivesse um feriado no dia 21 de Março - parece que ninguém que nasceu nesse dia tinha feito nada de muito especial até aquele momento (já que meu aniversário não era feriado), e eu poderia tentar transformá-lo.

Não deve ter demorado muito até que eu percebesse que a Clara não tinha feito nada de especial - a não ser ter nascido no dia que Tiradentes morreu, anos e anos depois dele. Mas, ainda hoje, me lembro dessa história com certa nostalgia e rio de mim mesma por ter sido tão tola e ingênua.

A cada feriado que se aproxima me pergunto quem faz aniversário, o que aconteceu e quando, afinal, eu vou ter o meu feriado. Provavelmente nunca haverá um feriado destinado a mim pelo meu país, nem pelo meu estado, nem pela minha cidade e nem mesmo pelo meu bairro.

Ainda assim, tenho pensado em fazer um feriado particular, decretar para mim um dia especial, que mereça a minha atenção mesmo que o mundo nem se importe. E quem não merece um feriado? Quem nunca fez algo tão desafiador e difícil quanto o Marechal Deodoro da Fonseca em 1889, e quem disse que foi difícil pra ele?

Os tempos mudaram e hoje, mais do que antes, todos nós precisamos matar um leão por dia pra viver, as vezes dois, três ou quatro dependendo do dia, da vida, do calor, do frio, de tudo.

Eu proclamei a indepedência dos meus pais, fui morar sozinha, fiz meu próprio chá quando resfriei mais de doze vezes, aqueci a minha própria bolsa de água quente durante cólicas e cólicas seguidas, e não mereço nada?

E você, colega, que foi condenada à forca pela sua família quando decidiu se separar e enfrentar a vida sem amarras? Teve alguma coisa decretada em nome disso? E aquele outro que pediu demissão do emprego pra viver da arte, enfrentou o medo do futuro, o medo da vida, o medo de tudo? Ou a mulher que resolve perdoar uma traição – não por medo da solidão, mas por amor e por esperança na vida, nessa vida que nos dá tantas pauladas e rasteiras - e, ainda assim, ainda com a desaprovação das amigas e do resto do mundo, ela decidiu tentar. Ora! E isso não é um grande feito?!

Há os que trabalham honestamente até de madrugada pra alimentar os filhos, os que se casam apesar das estatísticas, os que cuidam dos pais, os que tiveram filhos enlouquecedores, os que comemoram 50 anos de casados sem nunca, nem por uma vez sequer, terem traído suas esposas/seus maridos. Fala? Isso não é tão importante quanto o aniversário de São Paulo?

Com todo respeito, o que Nossa Senhora da Aparecida fez de melhor do que todos esses seres-humanos normais, falíveis, cheios de dívidas e culpas, traumas, dores e, ainda assim, felizes, alegres por um dia, por uma tarde de quarta, só porque a partir da quinta é feriado prolongado?

E feriado do que mesmo?

Doce Rotina

Imagem: Postcard, Aenz

Comentários

estrela disse…
Ana,
Aqui em Portugal o dia do seu aniversário não é feriado...mas comemora-se o começo da Primavera.
Haverá dia mais lindo?
Estrela
Mariana disse…
Ai querida...tantos leões "matados" que se algumas pessoas se dessem feriado ahco que tirariam uma licença-prêmio de uns 6 meses...dias sgeuidos pra compensar...e aposto que os leões insistiriam em serem mortos ainda no feriado particular, pq vamos combinar, em feriado, nao devia ter leão nenhum, né? Amei! Bom feriado pra vc!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …