sábado, 17 de novembro de 2007

FERIADO PARTICULAR [Ana Coutinho]


Quando era ainda criança e ainda completamente tonta, tinha uma amiga que se chamava Clara e que fazia aniversário em 21 de Abril. Um dia, talvez perto do feriado, lembro-me de ter perguntado pra ela porque, afinal, era feriado nesse dia. Ela me olhou marota, e disse com alegria: “Porque é meu aniversário, oras!”

Eu fiquei ali, paralisada, pensando o que ela tinha feito para merecer um feriado só dela, o quanto talvez ela fosse importante e eu nem sabia e, depois, em casa, cheguei a pensar se eu também não poderia fazer alguma coisa tão grandiosa quanto a Clara deveria ter feito (apesar de eu não saber) para que eu tivesse um feriado no dia 21 de Março - parece que ninguém que nasceu nesse dia tinha feito nada de muito especial até aquele momento (já que meu aniversário não era feriado), e eu poderia tentar transformá-lo.

Não deve ter demorado muito até que eu percebesse que a Clara não tinha feito nada de especial - a não ser ter nascido no dia que Tiradentes morreu, anos e anos depois dele. Mas, ainda hoje, me lembro dessa história com certa nostalgia e rio de mim mesma por ter sido tão tola e ingênua.

A cada feriado que se aproxima me pergunto quem faz aniversário, o que aconteceu e quando, afinal, eu vou ter o meu feriado. Provavelmente nunca haverá um feriado destinado a mim pelo meu país, nem pelo meu estado, nem pela minha cidade e nem mesmo pelo meu bairro.

Ainda assim, tenho pensado em fazer um feriado particular, decretar para mim um dia especial, que mereça a minha atenção mesmo que o mundo nem se importe. E quem não merece um feriado? Quem nunca fez algo tão desafiador e difícil quanto o Marechal Deodoro da Fonseca em 1889, e quem disse que foi difícil pra ele?

Os tempos mudaram e hoje, mais do que antes, todos nós precisamos matar um leão por dia pra viver, as vezes dois, três ou quatro dependendo do dia, da vida, do calor, do frio, de tudo.

Eu proclamei a indepedência dos meus pais, fui morar sozinha, fiz meu próprio chá quando resfriei mais de doze vezes, aqueci a minha própria bolsa de água quente durante cólicas e cólicas seguidas, e não mereço nada?

E você, colega, que foi condenada à forca pela sua família quando decidiu se separar e enfrentar a vida sem amarras? Teve alguma coisa decretada em nome disso? E aquele outro que pediu demissão do emprego pra viver da arte, enfrentou o medo do futuro, o medo da vida, o medo de tudo? Ou a mulher que resolve perdoar uma traição – não por medo da solidão, mas por amor e por esperança na vida, nessa vida que nos dá tantas pauladas e rasteiras - e, ainda assim, ainda com a desaprovação das amigas e do resto do mundo, ela decidiu tentar. Ora! E isso não é um grande feito?!

Há os que trabalham honestamente até de madrugada pra alimentar os filhos, os que se casam apesar das estatísticas, os que cuidam dos pais, os que tiveram filhos enlouquecedores, os que comemoram 50 anos de casados sem nunca, nem por uma vez sequer, terem traído suas esposas/seus maridos. Fala? Isso não é tão importante quanto o aniversário de São Paulo?

Com todo respeito, o que Nossa Senhora da Aparecida fez de melhor do que todos esses seres-humanos normais, falíveis, cheios de dívidas e culpas, traumas, dores e, ainda assim, felizes, alegres por um dia, por uma tarde de quarta, só porque a partir da quinta é feriado prolongado?

E feriado do que mesmo?

Doce Rotina

Imagem: Postcard, Aenz

Partilhar

2 comentários:

estrela disse...

Ana,
Aqui em Portugal o dia do seu aniversário não é feriado...mas comemora-se o começo da Primavera.
Haverá dia mais lindo?
Estrela

Mariana disse...

Ai querida...tantos leões "matados" que se algumas pessoas se dessem feriado ahco que tirariam uma licença-prêmio de uns 6 meses...dias sgeuidos pra compensar...e aposto que os leões insistiriam em serem mortos ainda no feriado particular, pq vamos combinar, em feriado, nao devia ter leão nenhum, né? Amei! Bom feriado pra vc!