Pular para o conteúdo principal

AMOR POR ESCRITO >> Eduardo Loureiro Jr.

Amor por escrito, Eduardo Loureiro Jr.As analfabetas que me perdoem, mas a escrita é fundamental. As que escrevem mal que me relevem, mas a grafia correta é imprescindível. As que escrevem só o necessário que me dêem um desconto, mas a desnecessária inspiração é indispensável.

O amor me chegou por escrito, como sempre me chegou: em bilhetes, cartões, cartas, e-mails, mensagens de celular.

O amor por escrito é o amor paciente de que fala O Livro: não exige o momento nem se esgota nele; está ali desde sempre até que se queira conhecê-lo e, uma vez conhecido, estará sempre ali para ser relido como se fosse a primeira vez.

As bonitas que me desculpem, o amor por escrito só vê o invisível essencial. As malhadas que me escusem, o amor por escrito é lânguido, frouxo. As maquiadas que me tolerem, o amor por escrito é sem máscaras.

O amor por escrito fala de si sem dizer o próprio nome: tem uma intimidade anterior aos batismos. O amor por escrito pede silêncio e inspira música.

O amor por escrito é prosa prosaica de mar que se afoga em si mesmo; e, de repente, é peixe dourado que salta da água com seus versos e ágeis barbatanas. O amor por escrito, quando reto, é reticência; quando curvo, é saliência, enxerido assanhamento. O amor por escrito é um só texto composto por dois autores.

Verbo que se faz letra, o amor por escrito é pó & cia. e à poesia voltará.

Quando eu li, amei. Quem me ler, amará?

Comentários

Cris Ebecken disse…
Para no reticente seguir escrito... mergulhar entre versos o verbo da vida... florescrescer...
Carla Dias disse…
Havia aquietado o meu desejo, até ler sua crônica. O desejo de que, dia desses, o amor por escrito faça parte da lista de importâncias de muito mais pessoas. Que elas não se assustem com a intensidade ao serem presenteadas com ele. E que se permitam embrenhar na sua poesia, percebendo que também ele pode ser condutor de acontecimentos. Desejo de que o amor por escrito ganhe a realidade do sentimento.

Os amores por escrito me fascinam.

Obrigada por me lembrar disso.

Li. Amei.
leonardo marona disse…
Eduardo, às vezes vossa senhoria me deixa um tanto encasquetado (desculpe o vocabulário chulo) e pensando "cronica do dia", "poesia do dia", "poesia de uma cronica diária". talvez isso. Quem saberá dizer. Me diga você.
Encasquetado, Léo! :)

O penúltimo parágrafo já deveria ter-lhe dito.

Acrescento: crônica vem de Cronos, do Tempo: "Por isso é que eu não tenho forma." Você conhece, por exemplo, a crônica do Vinícius que depois seria transformada (levada para além da forma) no poema "Operário em construção"?

A crônica é a liberdade na literatura. A moça livre. Dá conforme lhe dão. Às vezes minha senhoria dá poesia pra você porque é poesia que minha senhoria recebe. :)

Adoro encasquetamentos. :)
Ines disse…
Amor por escrito é linda! Mas quer saber o que é mais lindo? O manuscrito desse texto deixado como presente ilustrando essa crônica.

Tem coisa mais linda que o amor escrito num manuscrito?

Beijo admirado
criscalina disse…
Semana passada eu pensava em como a gente não consegue se desvencilhar de alguns escritos, principalmente de amores escritos. Cheguei a odiar a escrita. Queria mais era ser maquiada (maquiavélica), malhada e bonita. O amor que me perdoe, mas eu queria mesmo era ser livre.
Beijo,
Mariana disse…
Amado, já!
Sem ser escrito o amor não consegue nem doer de desamor...tenho cada linha que me foi possivel guaradr e outars tantas ainda nao enviadas...mto bom!
beijo por escrito
mari

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …