Pular para o conteúdo principal

O CHAMADO >> Eduardo Loureiro Jr.

Nada acontece sem um aviso. Desde as histórias que Vó Izolda contava, tudo acontece depois de um anúncio. Minha amiga Juliana dizia "aqui, quando chove forte, de relâmpago e trovão, venta forte antes e a gente sente, ouve a chuva chegando". Tinha uma luz no meio do caminho: uma chama, um chama, um chamado.

A gente resiste, claro, faz charme, faz de conta que não é com a gente. Peixe que carrega pra longe a isca que já mordeu. E o pescador dando corda: "Vai, foge, curte a liberdade, o mar é todo teu..." E zás! O fio do destino puxa o peixe pela boca. E se o peixe morre pela boca, o poeta vive pela palavra.

Na saída do Labirinto, eu, Dédalo, falei para o Minotauro e para Teseu: "Tantos anos e vocês aqui, dentro de uma idéia minha. Tantos anos a se perder e a se encontrar. Tantos anos de pedra, de couro, de espada. Inventem agora vocês alguma coisa na qual eu possa entrar."

Vocês foram lá e inventaram. Teseu no céu tecendo seu fio. Minotauro na terra cavando a mina. E o chamado: "Está tudo pronto. Você nos deu o labirinto, o labor interno, o trabalho de si. Nós lhe devolvemos o trabalho do outro, o labor externo, as sete moças e os sete rapazes que já não vêm para o sacrifício — estão soltos, a gente por aí."

E eu aqui, olhando pra vocês, como quem estica o pescoço pelo orifício do portal. Vou? Não vou? Fico? Não fico? "Se alguém obriga você a andar um quilômetro, caminhe dois quilômetros com ele". Mas, Mestre, e se alguém pede ao invés de obrigar, quantos 1.789 quilômetros devo andar?

"O poeta aprofunda meu dilema", diz meu amigo Fabiano. "Um poeta inspira outro poeta que respira", diz meu amigo Fabiano. E eu, o que digo? "Eu nunca fiz uma canção pra você, nem um plágio de bolero sequer."

O badalo do sino bate alternado: som, eco, silêncio. A chama do chamado dança ao ar do pátio. Não posso ser forte nem fraco. Nem inflamo nem apago, guardo. Um pedido de amor não tem lados. Um portal é só uma janela que dá para o que receber. Um só coração em dois corpos. Um só copo pra nós dois beber.

O que acontece depois do chamado?

Comentários

Renata disse…
Dear Edu,
you have a strange way of makink us think...do you believe in destiny?If you do who is responsible for it in your opinion?if you do not how do you explain this"call"?Love
Anônimo disse…
O chamado pode ser atendido,pode passar despercebido e pode ser negado ou pode causar dúvidas...vou ou nao vou...
Carla Dias disse…
Ah, o chamado e seus mistérios, e suas sei lá quantas mil facetas.
Há dias em que tudo se resolveria num chamado, não? Ou se chamássemos... Quem sabe se nos chamassem.
Há muito que se refletir sobre os chamados. Há muito que viver a partir deles.
Anônimo disse…
O Chamado não é o nome daquele filme da meninazinha das madeixas compridas? Tem um filme assim que eu sei. Ou eu nada sei, enfim?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …