Pular para o conteúdo principal

HASTA LA VISTA >> Albir José Inácio da Silva

Não comento a copa porque não sei nada de futebol. Mas fiquei à vontade depois de ouvir por uma semana os especialistas tentando explicar a derrocada da seleção. Quase concluí que sabem tanto quanto eu. A própria Alemanha campeã parece nos dar a resposta — investimento nas equipes de base.

Mas a copa acontece vinte e quatro horas por dia, durante um mês, e o futebol apenas algumas horas. E não ia ter copa, nem aeroporto, nem estádio, nem hotel, nem segurança. E ia ser um fiasco, uma risadaria, e os gringos iam ter certeza de nossa incompetência para fazer qualquer coisa que não seja samba e futebol.

E a única coisa que salvava o Brasil nesta copa do mundo era o futebol porque somos pentacampeões, nascemos jogando futebol, e está no nosso sangue, no suingue, na malemolência do drible e do toque de bola.

E os gringos jamais conseguiriam isso porque são muito duros, não têm jogo de cintura, não aprendem futebol na várzea e no paralelepípedo e jogam um futebol burocrático e retranqueiro, sem beleza e arte.

E vieram os gringos e jogaram futebol, muito futebol, e cada partida foi mais emocionante que a outra, e as previsões foram pro espaço. Espanha, Itália e Brasil foram humilhados. E Espanha e Itália estão muito felizes de ter para onde voltar. Porque o Brasil teve de ficar aqui e nada poderá fazer além chorar e crucificar Fred e Felipão, com riscos de recaída no complexo de vira-latas.

Manchete do jornal de hoje informa que faltam setecentos e poucos dias para as Olimpíadas. Amanhã devem começar a dizer que não vai ter Olimpíadas. Depois das eleições, pode ser que se calem por algum tempo, mas dois mil e dezesseis é de novo ano eleitoral e as pragas e maldições recomeçam.

Mas, tirando o futebol, aeroportos funcionaram, estádios estavam prontos, hotéis receberam, e o povo abraçou os convidados. A imprensa internacional chamou de copa das copas e os jogadores das outras seleções declararam amor ao Brasil e prometeram voltar. Alguns turistas disseram, inclusive, que não iam mais embora.

Eufóricos estavam os hermanos, que chegaram ao Rio por terra, mar e ar. Tinha-se a impressão de que brotavam do chão e se reduplicavam, cantando em grupos, carreatas e ocupando todos os espaços. Nuvens azuis e brancas se moviam pela areia, pelas calçadas, restaurantes e supermercados, em número que talvez não coubesse em Buenos Aires.

Mas eram bem-vindos por todos, que se esforçavam em portunhol, o mais próximo de português que se ouvia no calçadão. Acho que, se os argentinos ganhassem da Alemanha, conquistariam sua segunda copa no Brasil. Porque da CopaCABANA já tinham tomado posse há um mês.

Os brasileiros gostaram da copa e dos estrangeiros. E vão gostar das olimpíadas. Alguns mais assombrados e bairristas, paranoicos em seu senso de propriedade e soberania, juram ter ouvido de alguns hermanos: — Bienvenidos,  brasileños!

Comentários

Que maravilha de texto, Albir! Você deveria nos oferecer mais desses textos em primeira pessoa.
albir disse…
Obrigado, Edu.
Zoraya disse…
Puxa, vou copiar o Edu ipsis literis. Aliás, maravilha de texto vindo do Albir nao é novidade.
Anônimo disse…
Você tem um ponto de vista interessante sobre o assunto.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …