Pular para o conteúdo principal

UM SORRISO NUMA BOLHA DE SABÃO
<< Cristiana Moura


E era tanta a alegria num rosto só! Gabriela, num sorriso que não cabia em seu tamanho pequeno de menina com dois anos incompletos, brincava com a leveza efêmera das bolhas de sabão. Dera eu saber lidar assim com o que simplesmente se desmancha na minha frente. Dera eu.

Vez por outra acordo na madrugada. Insônia quando a gente não briga com ela é assim: um emaranhado de palavras, imagens, desejos como os de Gabi, voando em bolhas de sabão.

A menina cresceu e, no corpo de moça, às alegrias se juntaram seus delírios sãos. Queria adentrar os céus carregada pelas bolhas da infância até adormecer dependurada no sorriso da lua que mal começara a crescer. Deveria também ter sonhos de raízes adentrando na terra. Não. Ela se negava a manter os pés fincados ao chão — só queria o ar.

Houve um dia em que acordou muito depois do Sol. Perdera a hora. Já não era tão menina. Já não era tão moça. Olhou no espelho e lhe faltavam os sorrisos. E foi assim dia após dia. Era uma tal timidez nos lábios, como se alegria fosse que nem chave que a gente esquece pelos cantos. Gabriela havia deixado um pedaço de sorriso em cada encontro fugaz. Esvaziou-se de si. Deixou-se em infância e juventude remotas.

Era dia de quinta-feira, um dos mais atribulados. Acordou. Escovou os dentes. Sentiu, na pele, o Sol recém-nascido como há tempos não fazia. Tomou banho. Comeu suas frutas e cereais. Saiu como em todos os dias. No trânsito caótico, o senhor no carro de trás buzinava freneticamente como se quisesse que ela ultrapassasse o sinal vermelho e ele pudesse fazê-lo também. Ela freava indiferente. O jovem adentrou a faixa de pedestres como quem chega na própria casa. Passos lentos e longos. Era tanta a intimidade e um bem-estar à vontade que os olhos de Gabriela arregalaram-se. Ela, naquele momento, não sabia fazer uma coisa só: dirigia, ouvia o som das buzinas, preenchia o pensamento, simultaneamente, com a lista dos afazeres e a dos dissabores. Freou. Tudo parou. Nas mãos do homem-clown, com seus gestos leves e sua bola de cristal , o destino de Gabi era um sorriso não planejado no sinal fechado. E este sorriso lhe tomou o corpo numa alegria leve que lhe acompanhou por todo o dia.

A arte tem dessas coisas — adentra a vida da gente e oferece outros itinerários ao cotidiano. Ouvi dizer que Gabriela, agora, quer costurar os pedaços do dia a dia com linhas de névoa e assoprar. Assoprar até virar uma bolha leve.


Leia também UMA TRISTEZA, UMA ALEGRIA E A MARESIA
http://www.cronicadodia.com.br/2014/12/uma-alegria-uma-tristeza-e-maresia.html

Comentários

Sopra, Gabriela, sopra...
sergio geia disse…
Cris, seu texto é gigante. Tô virando seu fã.
Cristiana Moura disse…
Edu, :)

Sérgio, é recíproco!
Zoraya disse…
Cris, que poético! Lindo e suave. gostei muito, me enterneceu o coraçao, obrigada!
Anônimo disse…
Com a esperança de não parecer desrespeitoso, eu estou prestes a escrever, com sotaque estrangeiro, um comentário nenhum senso. Este, a necessidade de provar a mim mesmo que eu não estou imaginando essa leitura. Bem, não é só isso, primeiro eu quero agradecer por criar um lugar tão maravilhoso para nós para visitar, é apreciado. No entanto, eu já me sinto a necessidade de ter cuidado para não ficar tão preso em suas estradas intermináveis ​​que eu esqueço o caminho que vim, e decidem se instalar.

Agora, de volta para o meu teste de realidade. Se Cristiana Moura não é você, nem ela nos vê. Eu acho que seria menos louco.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …