Pular para o conteúdo principal

VENTANIA DA SILVA >> Carla Dias >>


Para as meninas da minha vida: Duda, Amanda, Débora e Mayara.

O seu nome é Ventania. Gosta de vento que é uma coisa, mas não é só isso: os cabelos. Já viu cabelos iguais aos dela? Parece até que vão se enroscar nas copas das árvores, enquanto ela caminha desacelerada. Bem se vê que está paquerando pensamento. É de uma lindeza descabida, que faz mais de um, de dois, de cento e cinquenta e sete pessoas desejarem ser Ventania.

Ventania da Silva. Batizada aos meandros dos acontecimentos, que a mãe pariu a menina às lufadas do vento, que na hora do registro não saía de sua cabeça essa coisa de ventania. Ventania da Silva escapou de sua boca, e depois disso, não houve quem tirasse o registro da menina.

Ela nasceu inadequada, é preciso que aceitemos isso.

Quer dizer, não é não! E nem devemos tentar.

Nasceu com a inadequação em polvorosa, porque quando não se cabe no provável é dito feio, insalubre, incorreto, desproporcional, inaceitável e mais uma penca de predicados que não fazem sentido quando se trata da celebração da vida de uma pessoa. Sendo assim, Ventania nasceu não cabendo, e o pai se benzeu ao vê-la sorrir mal saída do ventre da esposa, e os seus olhos já vieram arregalados de um jeito indecente. Jeito de quem vê além. Não teve dúvidas o consorte: fez as malas e se mandou dali. Escolheu viver na lonjura de suas meninas.

Ventania não reclama da vida, não. Mesmo tendo de trabalhar duro para alcançar o que almeja — como qualquer ser humano deve fazê-lo, vale lembrar —, continua na sua caminhada de quem passa e desmancha cabelos, derrete olhares, incomoda pela naturalidade com que diz a verdade, sabendo que a sua verdade nem sempre será a do outro.

A mãe tem um orgulho imenso da filha. Gastou muito do seu tempo contando a ela sobre a história de sua família. Inventou a tal inteirinha, que a mãe veio de lugar nenhum, foi meio que cuspida no mundo. Já viveu tanta coisa ruim nessa vida, que delícia de ser mãe de pessoa feito Ventania é a importância mais importante de sua existência.

Saibam que Ventania não é moça de ficar quieta diante de injustiça. Já desceu das tamancas, e muitas vezes, para defender direito sendo arrancado do outro, assim, na maior cara de pau. Fosse pelo povo lá do bairro, Ventania da Silva seria presidente do Brasil, que sabe que todo direito vem com o dever, e que a fome não é só de comida, a sede não é apenas de água. Talvez por isso tenha se tornado professora, a mais famosa do lugar, conhecida por defender o direito de todos de ser pessoa, com histórias distintas, com suas riquezas particulares.

Ventania da Silva nasceu para a beleza dos pequenos gestos que provocam grandes mudanças. Tem a cabeça nas nuvens, mas os pés no chão, sempre que preciso. E os cabelos? Às vezes, eles parecem querer se enroscar nas estrelas, esconder pensamentos, que Ventania cultiva sonhos e mais sonhos na sua cabeça.

Não há como ignorar pessoa nascida sorrindo, com os olhos já arregalados, de saber enxergar além. O pai se assustou e fugiu. A mãe se encantou e cuidou. A escolha de quem foi e de quem ficou não a aflige, porque acredita ter sido abençoada por a terem acolhido. Ainda que lhe digam que ela merecia ser criada por pai e mãe, amada por pai e mãe, festejada por pai e mãe, oras, nem todos são escolhidos para serem amados apesar da inadequação, e ela foi e tem sido.

Que Ventania da Silva não nasceu para ser vítima de si mesma, tampouco da incapacidade do outro em compreender que ser autêntico, às vezes é confundido com ser inadequado.

Lá vai Ventania, rosto sendo beijado pela chuva, carregando sua história com a maior alegria. E os cabelos? Às vezes, parece que eles se enredam à melodia do vento.

carladias.com

Comentários

albir disse…
Carla, sua poesia diz tanto que o correto diante dela é calar-se.
Carla Dias disse…
Eduardo... Ventania tem seus momentos ;)

Albir... Um obrigada bem sonoro.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …