Pular para o conteúdo principal

A SOMBRA DA ASSOMBRAÇÃO >> Whisner Fraga

Nem sei se avisavam sobre a classificação indicativa, mas no início dos anos oitenta, eu e meu pai chegamos à conclusão de que eu não deveria ter visto o Fantástico daquele domingo. Não tínhamos o hábito de assistir aos comerciais, de modo que nos sentamos para ver o programa sem a mínima ideia do que inventariam para nos divertir. A certa altura entra a voz obscura de Cid Moreira para narrar a história de um fantasma que assombrava uma loja de brinquedos, nos Estados Unidos.

O dito-cujo, morto há sabe-se lá quantas décadas, deu de aparecer em fotos infantis, tiradas em uma loja de brinquedos. Entrou uma parapsicóloga para dar um tom científico ao acontecimento e eu comecei a ficar cabreiro. Cid inventa uma entonação um pouco mais macabra e a minha noite começa a degringolar. Dali a pouco eu já não aguento e choro. Meu pai olha para um lado e para outro e parece que o interesse dele pelo assunto é grande o bastante para que ele não mude de canal.

Sei que meus irmãos e minha mãe não estavam em casa, o que era um pouco estranho, já que o único que dirigia era meu pai, isto é: para onde eles iriam a pé, os quatro? Mas vou dar um crédito à minha memória e apostar que foi isso mesmo que ocorreu. O pior é que não entendo por que não fechei os olhos, por que não tampei os ouvidos e tentei esquecer o assunto. Acho que a curiosidade infantil falou mais alto e fui que fui.

Dificilmente conseguiria dormir se continuasse naquela toada e meu pai sacou. O prejuízo seria dele, evidente. Assim, intervalo no show da vida e ele me chamou para irmos à sorveteria, o que significava, evidentemente, uma breve volta pelo centro da cidade. Em casa, tentei esbarrar com algo de chocolate no meio do creme gelado, mas tudo que enxergava me parecia com a assombração na foto da loja de brinquedos.

Apelei para o diálogo: Pai, é verdade que fantasma existe? Ele desconversou, com sólidos argumentos: que bobagem, meu filho, é só um programa de televisão! Sei que com uma explicação dessas eu deveria me acalmar, mas o efeito foi o contrário. Engraçado como alguns traumas se mantêm nítidos em nossa memória, pois me recordo dessa conversa como se tivesse acontecido hoje.

Então, me peguei a pensar sobre a imagem desfocada da foto na loja de brinquedos, sobre o porquê de nenhuma aparição surgir claramente para nós, digamos assim, ao meio-dia para um papo cara a cara. Seria tão mais fácil se um espírito se mostrasse plenamente, sem borrões, sem manchas, sem subterfúgios, com a nitidez necessária para uma prova definitiva. Assim, comecei a desconfiar do fato, do Cid Moreira, do fotógrafo americano, dos programas de televisão e da parapsicóloga. Decidi que estavam todos chutando e que tinham dúvidas tão atrozes e profundas quanto as minhas a respeito do que não podiam provar. Munido desse raciocínio, consegui dormir tranquilamente naquela noite.

Comentários

Fantasmas à parte, tá com cara de propaganda indireta: só não sei se contra ou a favor da loja de brinquedos. :)
whisner disse…
É isso também, Eduardo! Mas que propaganda ruim! Abraços, Eduardo!
Zoraya disse…
haha, Whisner, tá me parecendo que voce ainda tem medo de fantasmas e deu um jeito inteligente, como as crianças têm, de sair pela tangente. Diz a lenda da família que, toda vez q me contavam a história da chaperuzinho vermelho, eu interrompia para meio que afirmar que o lobo era bonzinho, ele tava só brincando.
Ou já naquela época sua mente cartesiana de engenheiro te salvou, rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …