domingo, 20 de julho de 2014

NÃO SE PISA NA LUA >> Eduardo Loureiro Jr.

Há quem diga que, há exatos 45 anos, o homem pisou na Lua. E há quem diga que não.

Quem sou eu para suspeitar da veracidade dos depoimentos de cientistas, jornalistas e políticos? Mas compartilho com os descrentes algumas dúvidas: se o homem chegou mesmo à Lua, por que não retornou? Por que a corrida armamentista, desenvolvimentista, mercantilista, não fez com a Lua o que faz com todo lugar onde chega? Por que não ocupou, colonizou, extraiu, desnaturou? Sem desconfiar de uns nem me fiar em outros, gosto de pensar que a Lua, a Senhora da Inspiração, permitiu a aproximação do Homem pensando que alguns dos tantos que lhe louvavam em versos estavam chegando. Quando percebeu que se tratavam de militares e não de poetas, que vinham não com penas e papéis, mas com bandeiras e coturnos, a Mulher de Fases decidiu fechar seu corpo. E não há tecnologia que a faça abrir por enquanto. Talvez quando os poetas ganharem asas e puderem pousar lá sem nenhuma parafernália. Talvez, apenas talvez.

E você, que diz que me diz?

Partilhar

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom seria ler os versos escritos em braile nas crateras lunares!

Rosimeira P.R. Santos disse...

os questionamentos são válidos e vão além da poesia...e acredito que é mais uma prova da incapacidade humana de respeitar limites, seja quais eles forem...

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Boa, Anônimo!

Grato, Rosimeira.

albir disse...

O jeito é embarcar nessa sua nave-poesia.