Pular para o conteúdo principal

ALGUNS DE ALEXANDER PAYNE >> Carla Dias >>


Alexander Payne é um diretor que me agrada muito. Não somente um diretor, mas também um roteirista que me apetece. Para mim, As Confissões de Schmidt (About Schmidt/2002) e Sideways – Entre Umas e Outras (Sideways/2004) são filmes primorosos. Em Os Descendentes (The Descendantes/2011), ele exercita a delicadeza ao abordar a perda de uma pessoa em processo. Nos três filmes, Payne atuou como roteirista e diretor.

Sabe-se sobre Payne que ele é ótimo quando se trata da seleção dos atores, e eles o adoram. Talvez por isso ele consiga tirar o melhor daqueles que já fazem parte da seleta lista de artistas realmente talentosos. Quem não se lembra de Jack Nicholson em As Confissões de Schmidt? Se você não se lembra, é porque não assistiu ao filme. Por isso, eu o aconselho, veementemente, que o faça. Em Sideways, Paul Giamatti, um ator fantástico, consegue ir além do que já fizera em Anti-Herói Americano (American Splendor/2003), de Shari Springer Berman e Robert Pulcini. Em Os Descendentes, George Clooney aparece vestindo uma fragilidade rara nos personagens que costuma interpretar, o que faz toda a diferença para o filme.

Há algo que Payne faz com maestria: equilibrar o humor e o drama, naquela dose que todo ser humano experimenta. Seus filmes falam sobre pessoas comuns e os seus demônios, encontrando em um cenário árido as riquezas de ser o que somos: humanos. Nesse ponto, ele me lembra de outro grande diretor, por quem também tenho apreço, Robert Altman. Short Cuts – Cenas da Vida (Short Cuts/1993) é um filme revelador. E se você não se lembra da atendente de telessexo trabalhando em casa, atendendo a uma ligação, enquanto troca a fralda do bebê, esse é mais um filme para a lista “eu tenho de assistir e logo”.

Recentemente, assisti ao Nebraska (Nebraska/2013), filme dirigido por Payne, lançado em 2013. Woody Grant (Bruce Dern) é um idoso de Montana, que sofre de uma leve demência, e acredita que ganhou um milhão de dólares ao receber uma carta promocional de uma revista. A fim de reivindicar seu prêmio, ele decide ir a pé à cidade de Lincoln, em Nebraska, o que seria atravessar o país. Depois de várias tentativas, sempre interrompidas pelo filho, o mesmo decide levar o pai até a agência que enviou a correspondência. O que acontece durante a viagem é o que torna Nebraska de uma delicadeza ímpar. Dern é um ótimo ator, que faz com que Woody se torne um personagem interessante em todos os aspectos.

Nebraska é baseado em uma situação pela qual Bob Nelson, o roteirista do filme, passou com seu pai, assim como histórias que ele escutou sobre vários velhinhos que foram até a redação de uma famosa revista, nos anos 90, com as cartas promocionais que receberam, a fim de retirarem os seus prêmios.


Nelson criou um roteiro no qual se encontram personagens interessantíssimos, como a própria esposa de Woody, Kate, interpretada primorosamente por June Squibb. Minha curiosidade girava em torno da participação de Will Forte, um comediante de sucesso, interpretando David, filho de Woody, que tenta conhecer o pai, que ele julgou indiferente a ele, a vida toda, assim como a oferecer a ele alguma dignidade. Só que, durante a viagem, David descobre que o pai é um bom homem, capaz de grandes gestos de gentileza, mas que nunca foi de falar muito. Will Forte foi uma escolha acertada para o papel.

Nebraska - Bruce Dern e Alexander Payne
Um roteiro como o de Nelson não resultaria em um filme brilhante como Nebraska se não fosse o olhar de Payne, que teve de bater o pé para fazê-lo em preto e branco, o que se mostrou um detalhe fundamental para o filme. O diretor também sabe fazer cenas sem diálogos que dizem muito. Em Nebraska, ele abusa disso. Abusa, mas sem passar do ponto, e criando momentos geniais.

Nebraska - Bruce Dern, Will Forte e Alexander Payne
Para mim, Alexander Payne é um dos roteiristas e diretores que melhor sabem contar uma história simples, como é a vida da maioria de nós, trazendo à tona detalhes que a tornam admirável. Criar e dar sentido aos personagens como os que ele vem oferecendo aos espectadores é coisa de quem sabe que a vida é breve, mas pode ser bem divertida, apesar dos pesares.


Clique aqui para conferir Alexander Payne no IMDb.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …