Pular para o conteúdo principal

INSISTIR EM DESISTIR >> Clara Braga

— E você, em algum momento, pensou em desistir?
— Ah, pensei várias vezes, mas ai encontrei apoio nos meus familiares, nos meus amigos, nos meus amores e segui em frente, batalhei muito para chegar até aqui!
— E se você fosse dar um recado para seus admiradores, o que você diria?
— Para nunca desistirem de seus sonhos, tenham fé que vocês irão realizar o que desejam!

Por acaso isso soa familiar? Para mim soa muito, é o diálogo básico de 90% das entrevistas feitas com grandes celebridades, seja da música, do teatro, da dança, do esporte, não importa. E convenhamos, sorte a deles que dizem que pensaram em desistir, mas não desistiram. Dá um ar dramático para a entrevista, e a gente, que sabe que muitas vezes nem foi assim, adora um drama! 

Vai dizer que não é um tanto decepcionante quando você está assistindo àquela entrevista com o seu ídolo e ele responde: "Não, nunca pensei não, tudo aconteceu de forma muito natural, eu sabia que essa era minha vida, sempre todo mundo me apoiou muito, nunca tive problemas com a equipe gigante que trabalha comigo, nunca me deparei com uma mulher na TPM que me tirou do sério, nunca tive dificuldades para pagar as contas, nunca fiquei doente durante um mês inteiro, nunca passei por situações constrangedoras, nunca corri risco de vida e não tenho história nenhuma para contar." Em questão de minutos você já está entediado! 

É claro que quando é com a gente, a gente quer é tranquilidade, queremos resolver nossas coisas na paz, sem correria e sem dificuldade, afinal, ainda queremos chegar em casa cedo, tomar um belo banho, deitar  com um balde de pipoca do lado e assistir a um filme tranquilo, daqueles que não exigem muito da gente. Mas as celebridades não, elas têm que passar por situações difíceis para ter o que contar, parece até que só alcança a fama quem, em algum momento, chegou no fundo do poço ou quase lá. E a gente adora, parece até que aumenta nossa admiração pela pessoa, gostamos mesmo de uma boa história de uma pessoa super atalhadora, nada de preguiçosos acomodados!

O que eu não entendo é: qual o problema em desistir? Só se fala em desistir como algo muito distante, que a gente quase faz, mas somos fortes o suficiente para darmos a volta por cima e seguirmos em frente! Para mim, forte mesmo é quem tem coragem para desistir! Forte para dizer: "Não quero mais passar por isso, desisto." E isso não significa que depois você não pode tentar de novo, mas naquele momento é melhor desistir, qual o problema?

Acho que muitas vezes não desistimos para não termos que lidar com aquele sentimento de fracasso, mas por que desistir tem sempre que estar relacionado a fracasso? Acho que fracassado mesmo é quem fica batendo a cabeça na parede sabendo que aquela escolha não foi a melhor, mas não tem coragem de simplesmente largar tudo e começar de novo. Ou então só largar tudo e pronto, seguir outro caminho.

Digo isso pois eu mesma tenho muita dificuldade em desistir, e tendo a admirar mais quem desiste do que quem insiste em algo que todo mundo está vendo que não vai dar certo, pelo menos não agora. A vida é um eterno processo de aprendizagem, e eu aprendi com uma grande amiga que processo é poder voltar e literalmente fazer um novo caminho, ou seja, se permitir desistir de tudo e começar de novo. Depois que entendi isso, algumas escolhas ficaram tão mais leves que convido todos a, de vez em quando, se permitirem desistir, sem peso algum na consciência. É tão bom!

Comentários

É, Clara, há que se saber a hora de retroceder. :)
Anônimo disse…
"Nada em mim foi covarde, nem mesmo as desistências: desistir, ainda que não pareça, foi meu grande gesto de coragem". (C.F. de Abreu)
Concordo com ele e com você, Clara.
Bjs
Ceiça

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …