Pular para o conteúdo principal

VIAGENS MUSICAIS >> Whisner Fraga

A caminhonete F-1000 era para isso mesmo e, em dois anos, já havia rodado cem mil quilômetros. Eu costumava ir com meu pai para as fazendas de Mato Grosso e, principalmente, Goiás, que ele gerenciava havia meia década. Íamos em três, se contarmos o patrão. Eram viagens longas, de seis horas, para Goiatuba e de dezessete ou mais para Barra do Garças. Eu não me importava, pois nada era mais empolgante do que a companhia dos velhos.

É claro que não me lembro do que falavam durante o trajeto, mas sei que não contavam com  assunto para tanto minuto, de maneira que tinham de dar um jeito de espantar o sono. Nada mais hipnotizante do que o ruído de um motor diesel ao longo daqueles quilômetros. Assim, eles escolhiam suas fitas cassetes e seguiam cantarolando asfalto afora. Se eu afirmar que me recordo das músicas que tocavam, estarei sendo leviano, mas, no caso de meu pai, penso que poderia ser muito bem um Nat King Cole ou alguma banda cubana. Havia também a música sertaneja, evidentemente.

A conversa girava ao redor de trabalho, piadas e amenidades. Nunca me esqueci do patrão justificando os nomes das cidades: Capinópolis, a cidade do capim, Jardinópolis, a cidade dos jardins, Rondonópolis, a cidade dos Rondons e assim por diante. Eu ria, mas o pensamento continuava no córrego e na vara de pescar, com a qual eu tentaria obstinadamente fisgar algum lambari. No meio do caminho, parávamos em algum posto, bebíamos uma coca-cola, tirávamos a água do joelho, esticávamos as pernas e assim seguíamos. A última parada era na venda de uma vila a cinquenta quilômetros da fazenda: o patrão queria comprar balas para os filhos dos caseiros.

Aprendi a gostar de dirigir, sobretudo em rodovias. Há um ritual que precede a viagem: a escolha das canções que me acompanharão. Quando o trajeto é longo, começo sempre com MPB: Francis Hime, Adriana Calcanhoto, Chico Buarque, Marisa Monte, Gilberto Gil e por aí vamos. Já perto do destino, para espantar o sono, para enganar o desgaste do corpo, prefiro algo mais pesado, um rock clássico: Led Zeppelin, Black Sabbath, AC/DC, Scorpions e bandas do gênero. Hoje é praticamente este o momento que dedico à música.

Em casa, eu tinha o hábito de colocar algo mais erudito: árias, sinfonias, óperas, mas ultimamente venho evitando Acho que tenho trabalhado demais e a música atrapalha. Um Beethoven é tão imponente que eu não consigo fazer nada quando começo a escutá-lo. O mesmo ocorre com Mozart e outros compositores do mesmo calibre. A cabine de um veículo passou a ser o meu refúgio, é ali que eu insiro um pen drive no cd player e navego no tempo, volto a Minas Gerais, onde uma criança se deliciava com as aventuras na estrada, ansiando pelo seu momento de motorista.

Comentários

Zoraya disse…
Estava com saudades de suas crônicas-memórias! Tomara que sua filha aprenda a gostar de música boa da mesma forma que você e tenha maravilhosas lembranças para contar também.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …