Pular para o conteúdo principal

SEMPRE EM CRISE (DE RISO) >> Mariana Scherma

Eu estava de bobeira num desses domingos preguiçosos quando meu celular tocou. Era uma amiga muito querida, daquelas que fazem você perceber que a distância não significa grande coisa, do tipo que você elege como sua irmã e tem certeza de que vai levá-la no coração num pra sempre que não acaba, não. Toda vez que ela me liga ela já vai pedindo desculpas por me atrapalhar, mas “é que eu preciso desabafar e sei que você entende”. Eu já cansei de dizer que ela nunca atrapalha e nossas conversas são sempre divertidas, com uma pitada de melancolia, outras vezes de esperança, com comentários ácidos... Na verdade, acho nossas conversas inspiradoras.

Mas nesse domingo ela estava indignada com a nossa falta de sorte... para o amor. “Por que onde já se viu aquele fulano se dar tão bem, Mari? Ele escreve derrepente! Ele se descreve como um cara auto-astral!”. Não, nós duas não temos nada contra aqueles que escrevem errado por falta de oportunidade de estudar. A gente só fica indignada mesmo com aqueles que gastam parte da fortuna dos pais em ótimos colégios, mas parecem não querer (precisar?) absorver nenhuma lição dos professores porque a autoestima deles os fazem crer que eles não têm mais nada a aprender. E também acham que o dinheiro dos pais vai durar eternamente. Vai nessa, meu amigo.

O bate-papo entre minha amiga e eu, pra uma pessoa de fora, vai soar como uma alegria louca, porque nossa indignação anda de mãos dadas com a crise de riso. A risada da ironia do mundo, a risada de nós mesmas quase sempre, a risada de quem sabe que a coisa não tá boa, mas há de melhorar. Afinal, como nos faz acreditar São Murphy, sempre pode ser pior: nós poderíamos ser da espécie que escreve agente em vez de a gente, ué. Ou do tipo que gasta rios na balada só pra se mostrar cool.

Uma de nossas conclusões mais certeiras em todo fim de conversa telefônica é como uma pessoa pode ser tão cheia de autoestima e, ao mesmo tempo, tão insuportável de conversar. “Sabe, Mari, ele é capaz de conversar mais de três horas só falando da própria vida!”, diz minha amiga. E aí eu fico assustada, porque sou capaz de resumir minha vida em um parágrafo curtinho, assim como essa minha amiga. Nós duas contamos A Incrível E Mágica História De Nossas Vidas antes de o primeiro chopp acabar. Assim, foi inevitável que nós duas chegássemos à conclusão de que talvez autoestima seja inversamente proporcional ao poder de síntese de cada um. E rimos muito dessa conclusão. E só pra deixar claro: não acho terrível ter boa autoestima. Eu queria ter mais. Minha amiga, idem. O que é o fim é o fulano (ou a fulana) não achar que precisa melhorar só porque ele(a) se garante e acha que sabe uma coisa ou outra. Todos nós precisamos evoluir. Todo dia.

No fundo, no fundo, talvez seja bom nossa autoestima não transbordar do copo. E essa é outra conclusão à qual minha amiga e eu sempre chegamos: gente 100% segura não sabe rir de si mesma. E qual é a graça da vida se você só ri do tropeção alheio? Faz teeempo, Ben Stiller disse em uma entrevista que um comediante nunca pode ser excessivamente seguro de si, que isso o impossibilita de fazer piada sobre ele próprio. Concordo demais. Não me acho uma comediante, a vida é que faz piada, a gente só aprendeu a se divertir com nós mesmas.

E pra essa minha amiga querida, eu tenho algumas coisas a dizer, nada que seja muito novidade pra ela. 1. Deixa esse seu amigo bombado na autoestima pra lá, pelo menos ele namora, o que resulta em uma solteira a menos no mercado e um cara chato a menos pra nos xavecar. 2. Pode me ligar sempre que precisar porque eu também vou ligar pra você, sempre. Telefone é nosso jeito de tentar ignorar os quilômetros que nos separam (e eu sou a maior fã das nossas risadas indignadas). 3. Vamos nos lembrar de que temos nossos motivos pra ter autoestima, mas vamos nos lembrar mais ainda que não podemos perder o dom de rir de nós mesmas – e isso, minha amiga, é um baita dom. Por último, não esqueça que você me deve uma visita!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …