Pular para o conteúdo principal

O QUE PERCEBEMOS [Heloisa Reis]

As imagens que captamos com nossos olhos vêm imediatamente associadas a significados dos quais muitas das vezes nem nos damos conta. Ao vermos um monte lixo jogado e amontoado pelo vento, depositado ao longo de uma calçada por onde passamos podemos sentir a dimensão da ameaça crescente de sermos soterrados por nosso próprio descarte. 

Imperceptível para a consciência, essa sensação se passa em nossa dimensão do sentir porque o valor daquilo que se observa vai muito além da percepção das formas vistas em primeiro plano.

 O fundo de uma imagem, a composição de seus elementos, a localização dos objetos circundantes na verdade dependem totalmente da nossa posição espacial e principalmente de nossa bagagem de hábitos e cultura.

Que significados apreendemos dessa mensagem dada pelo acúmulo de lixo numa calçada por onde passamos? A interpretação do que se apresenta em nosso campo visual é grandemente determinada por nosso estado de ânimo e nosso envolvimento com o momento presente. Mas, há uma dimensão afetiva não rigidamente determinada,  que faz parte de nossa natureza e é capaz de criar um campo estendido de nosso pensamento - pura energia.

Essa energia se propaga independentemente de transmissões convencionais de informação. É a tal ressonância mórfica que Sheldrake apresenta como “um processo básico difuso e não intencional que articula coletividades de qualquer tipo.” De acordo com sua observação, algumas moléculas criadas em laboratório por acaso ou por circunstâncias especiais seguem um padrão determinado de cristalização e criam uma ressonância mórfica, um novo campo que passa a existir no mesmo padrão em qualquer outro laboratório do mundo.

Seria o mesmo princípio da formação das egrégoras? Vinda da palavra grega egrêgorein que significa velar, vigiar, egrégora é essa entidade que se cria a partir de um coletivo, de um campo de energia em torno de um ideal comum através de seus padrões mentais e emocionais. Assim todos os agrupamentos - quer saibam ou não - possuem essa capacidade de realizar no mundo real as aspirações geradas pela coletividade apenas pela forma padrão em que se concentra a energia . Afinal, todo pensamento é energia e circula livremente pelo cosmo, como as ondas eletromagnéticas em rede.

Então... voltando ao lixo, e ao que este representa da ação do homem no mundo. Será que quanto mais lixo for jogado, mais ainda o será? E o mesmo acontecerá se passarmos a recolhê-lo? Segundo a visão antiga do mundo, ainda dominante, a resposta estaria restrita à ação física do ser que jogou o lixo e do vento que o espalhou como responsáveis por levá-lo ao canto da calçada. Mas na vibração em faixa de freqüência acima da física entramos em campo de energia mais sutil onde os pensamentos, idéias e ações podem gerar um padrão diferente, influenciando o inconsciente coletivo e ajudando talvez o mundo a ficar mais limpo.

Trabalhar para que esse campo sutil aumente é a nossa meta: armazenar nessa freqüência de energia que mal p e r c e b e m o s uma reprogramação que possibilite a recriação da vida e da realidade para que, a reação em cascata aumente, e se faça sensível também no campo da Física.

Trabalho do Eu-Superior que se convida à reflexão: há muitos mistérios dignos de mais Filosofia por menos vã e heterodoxa que seja, já que a realidade vem se revelando muito mais exuberante que a própria Natureza.

Comentários

Zoraya disse…
Heloísa, quero me desculpar por tão pouco comentar suas crônicas, mas vou resumir minha impressão delas todas: indispensáveis.
E eu trabalho o que posso para que as pessoas ao meu redor emanem os melhores pensamentos, criem as melhores egrégoras, somos todos auxiliares do Grande Um. Beijos atrasados

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …