Pular para o conteúdo principal

CARTA À AMIGA [Ana González]


Saí do cinema após ter assistido Tropicália com uma forte sensação, as mãos tremendo, as faces queimando. Um documentário bem feito com informações tanto culturais como do contexto político do final dos anos sessenta.

Mas, havia muito mais no assunto tratado. Havia parte de mim. E eu fiquei desperta com uma necessidade imensa de falar sobre o que eu tinha assistido. Era a história de um momento de nosso país que se fazia na tela, mas era também parte de minha vida e da vida da amiga que me acompanhava.

A primeira das sensações foi de alegria perturbadora, que me puxava um sorriso nos lábios e um encantamento nos olhos. Tinha sido tudo verdade: tudo o que havíamos vivido. Você sabe, amiga, foi incrível e estava tudo lá, com riqueza de detalhes, que a memória já não guarda e vão esmaecendo no tempo.   

Foi bom rever as pessoas que apareciam nos festivais da Record, as músicas que eram aprendidas da noite para o dia, o que ocupava a nossa mente e ainda não sabíamos se ia permanecer. Não foi moda passageira. Ficou para a história coletiva.

Era também o tempo da ditadura. E nos cantos e banheiros da faculdade, havia notícias das bombas nas ruas. Havia a movimentação dos estudantes pelas vagas nas faculdades e as palavras de ordem na luta pela modificação do mundo. Sim, mudar o mundo. Lembra-se?

Durante o documentário me espalhei em meio aos cachos da cabeleira do Caetano e sua magreza. Ele mudou muito, menos sua baianice pachorrenta. Também nós mudamos. E como nós éramos, amiga? Éramos jovens de uma boniteza como só a natureza pode fazer.

Outras sensações me vieram á lembrança. Tínhamos ideais e esperança, acreditávamos. E também tínhamos angústias, dúvidas. Vivíamos em paradoxos e em crises. Era a fase da ingenuidade e a bondade estava mais próxima de nós. Íamos por onde nos levavam nossos sonhos que desenhavam um cenário sem limites.

À boca pequena nos corredores e nas assembleias, no inflamado da hora falava-se em luta armada. Era um discurso que me amedrontava. Você participava de tudo com mais entrosamento na política. Eu me sentia boba e deslocada. Tudo deveria ser por outros caminhos. Mas quais? Minha perplexidade era tamanha que me paralisava. Talvez hoje eu continue estranha, tão estranha como eu me sentia naquela época, quando um grito surdo ecoava dentro de mim num labirinto de muitos desesperos. Não, não por aí! Mas por onde então?  Hoje as respostas estão mais próximas de mim. O repertório de vida ampliado me oferece argumentos. Certo tipo de organização apazigua meus pensamentos, mesmo que o mundo externo ainda esteja em contínuas guerras, lutas e desejos, tudo em movimento. 

Hoje, amiga, continuamos em posições diferentes diante da política. E guardamos ainda com prudência nossa distância ideológica, essa que afasta as pessoas, que cria vales profundos de discordância, de críticas e julgamentos inócuos. Isso não nos separou.

Ao contrário, nossos diálogos se enchem de família que cresce nos filhos e netos e se enchem ainda em afinidades na busca infinda pelo conhecimento, nos ideais de educação, nos valores que poderiam construir aquele mundo que um dia sonhamos e ainda guardamos (guardamos?) escondido (protegido?) do burburinho à nossa volta.

Uma frase por aí diz que os amigos detêm a nossa história. É verdade. Você, amiga, seria a única pessoa com quem eu teria que estar naquele momento. No cinema revivi tudo com lentes hiperbólicas. E confirmei minha amizade por você em falas de afeto e de coração, de respeito. Sensação boa de reconhecimento e de intimidade. Por essa incrível parceria que se faz longa, agradeço. Você detém parte importante da história de minha vida.

www.agonzalez.com.br             

Comentários

suzana padovano disse…
Oi Ana:

Bonito depoimento, cheio de afeto, lembranças e sensações passadas.

Beijo

Suzana
seramigo disse…
Depois do texto magnífico seu, Ana Maria, ler o depoimento de sua amiga foi um mergulho no tempo chamando todas as lembranças, expectativas, lembranças e confrontando com nossa "sabedoria" (será?) de hoje. Valeu!
wilson-seramigo.
Ana González disse…
Suzana e Wilson, obrigada pelos comentários e pela leitura, amigos. Quanto á "sabedoria", sei não, Wlson. Mas, acho estranho demais eventos de minha vida ter virado história...rsrs... Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …