Pular para o conteúdo principal

UM SERIAL KILLER EM MINHA VIDA
>> Carla Dias >>



Dexter é um serial killer. Dexter é um serial killer pelo qual as mocinhas se apaixonam. Os mocinhos, esses queriam ter a visão direta de psicopata do Dexter, mas sem a coisa do serial killer de série de televisão pelo qual as mocinhas suspiram ou o emprego de especialista forense em amostras de sangue do departamento de polícia de Miami. Eles querem apenas aprender a aplicar a objetividade de Dexter, o serial killer com código de honra incutido nele pelo pai adotivo que percebeu, logo cedo, quem o filho era, e o ensinou que já que não havia como evitar o desenrolar da história, melhor que Dexter aprendesse a matar somente assassinos quer a polícia não consegue prender.

Entendido? Dexter é um serial killer.

A primeira vez que tentei assistir à série Dexter, não consegui passar de meia hora do episódio. Fiquei extremamente incomodada com a simpatia imediata que senti pelo personagem interpretado por Michael C. Hall, ótimo ator que eu já conhecia de outra série bem peculiar, a Six Feet Under. Achei o cúmulo a possibilidade de torcer por ele, de alguma forma, afinal, serial killer é serial killer, certo?

Quando a série já estava na sua quarta temporada – atualmente, ela está na sétima -, um amigo insistiu para que eu desse uma chance ao Dexter Morgan. Ele panfletou tão bem que foi inevitável. Aluguei a temporada e, como acontece quando a série me pega de jeito, dormi pouquíssimo nos dias seguintes.

Foi assim que um serial killer entrou na minha vida.


Dexter é uma série muito elogiada por mérito. A forma como os roteiristas conduzem a trama é das mais ousadas. Não há limites sobre aonde o serial killer será levado, mas há coerência, e isso é o que a torna tão sedutora. Os temas da temporada levam o personagem central a encarar conflitos cada vez mais complicados, fazendo com que ele tenha de se esforçar, e muito, para equilibrar a realidade do homem que as pessoas enxergam e daquele que somente ele conhece.

Os personagens que colaboram com a história são muito bem construídos, como Debra Morgan (Jennifer Carpenter), irmã de Dexter que, eventualmente, se torna a chefe dele no departamento de polícia. Além de ser das personagens femininas mais boca suja que a tevê já teve, a relação deles é muito complexa e curiosa, e se tornou um tanto insana na temporada atual, o que só melhorou a cadência da série.


Frequentemente, Dexter, por ser um psicopata, consegue ser extremamente lógico a respeito de assuntos que tratamos com a emoção no talo, e alguns desses momentos são brilhantes. Isso também se deve ao fato de escutarmos a voz interior do serial killer o tempo todo, quando ele não está de papo com o pai morto, maneira que Dexter encontrou para analisar as ganas de seu passageiro sombrio, que divide a existência do moço com o profissional, o pai, o irmão, o filho, o amigo...

O próprio marketing da série é feito sobre a dúvida se Dexter é uma boa pessoa ou não. O código de honra e o esforço que ele faz para não dar pistas sobre a existência do seu lado B, ou melhor, do seu passageiro sombrio, ajudam a mantê-lo no hall dos mocinhos. Porém, quando se trata de localizar e executar suas vítimas, bom, o serial killer dá as caras. Sendo assim, não consigo dar fim à dúvida marqueteira: “eu sou uma pessoa fazendo coisas ruins ou sou uma má pessoa fazendo coisas boas?”.

Dexter é baseada no livro de Darkly Dreaming Dexter, de Lindsay Jeff. A sétima temporada de série está prevista para estrear no Brasil em 2013, no canal FX.


Imagens: divulgação.


Comentários

Josiane Caetano disse…
Também sou louca por esta série, é a única que sempre assisti em " Tempo Real" na Net. Mas acho que a culpa da nossa simpatia por este personagem é porque temos acesso aos pensamentos dele ( assim como o capitão Nascimento em Tropa de Elite). E isto faz toda a diferença.
Carla Dias disse…
Josiane... É verdade, tendo acesso aos pensamentos de Dexter conseguimos vê-lo como ser humano. Não houvesse esse canal, nós veríamos feito predador que, no final das contas, ele é. Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …