Pular para o conteúdo principal

TÊTE-À-TÊTE >> Fernanda Pinho

Outro dia me deparei na internet com o vídeo de Jeremiah. Um cara criativo que, aos doze anos, gravou uma VHS para que ele mesmo pudesse assistir no futuro. Nessa filmagem, ele propunha um diálogo entre o Jeremiah de doze anos com o Jeremiah versão 2012, com 32. Confesso. Senti uma pontada de inveja por não ter tido a mesma ideia, e quase gravei uma vídeo para minha versão anciã. Mas, sem querer me gabar, a inveja passou rápido. Quem precisa de VHS quando se tem uma memória excelente? Posso imaginar exatamente como seria minha conversa com minha versão 12 anos...

- Oi, então você sou eu no futuro?
- Sim, sou você.
- E agora eu uso óculos???
- Há muitos anos. Pode se preparar. Daqui a pouco você vai começar a ter dificuldade em enxergar o que os professores escrevem no quadro e a partir de então nunca nos separaremos de um par de óculos.
- Credo. Já chegou dando notícia ruim. O que você me conta de bom?
- Depende do que você chame de bom, Nanda.
- Nanda? Ainda me chamam de Nanda?
- Chamam. E agora chamam de Ferdi também. Apelido que você ganhou na faculdade.
- Faculdade? Então eu fiz Direito? Sou juíza? Ai, não acredito. Isso é o que eu chamo de bom...
- É... na verdade, não foi bem assim. Mudamos de ideia.
- “Mudamos” inclui quem, fofa? Estou muito segura de que quero ser juíza.
- Você quer ser juíza porque acha chique usar toga e bater o martelo para as pessoas fazerem silêncio. Mas eu preciso te dizer uma coisa: isso não é critério para escolher profissão. Daqui a pouco você irá identificar suas aptidões.
- Quais aptidões?
- Para escrever, por exemplo.
- Ai, meu Deus, já estou até vendo onde isso vai parar. Pode falar a verdade. Estou preparada. O que a gente faz da vida?
- Jornalismo.
- Era o que eu temia. Então você desistiu do Direito para fazer Jornalismo. Nossa, você é muito esperta, hein?
- E você é muito irônica para uma menina de apenas 12 anos. Mas saiba que estamos felizes, temos um trabalho legal, escrevemos sobre coisas interessantes.
- Aposto que a Lili fez Direito.
- Não, ela também desistiu. Fizemos jornalismo juntas.
- Nós ainda somos amigas?
- Claro! Aliás, eu continuo tendo esses mesmos amigos que você conquistou. E mais um punhado de outros. Tenho maior orgulho disso, sabe? Sabemos fazer e manter bons amigos.
- Parabéns, gordinha!
- Gordinha? Quer apanhar, menina?
- É, vamos combinar que você está, digamos, mais encorpada.
- E vamos combinar que a culpa foi sua, que sempre foi indignada com sua magreleza e passou anos tentando “adquirir formas”, como você dizia. Parabéns, você venceu.
- Mas não era para ter levando tão a sério...
- Podemos mudar de assunto?
- Tá. Me conta da família. Papai, mamãe, Paula...
- Estão todos bem, dentro do possível.
- Ainda brigo muito com a Paula? Ela ainda fica enchendo o saco querendo brincar?
- Claro que não. Ela é uma adulta. Tem quase 24 anos. Fisioterapeuta...
- Minha irmãzinha é fisioterapeuta. Ai, sou uma idosa, sinto minhas articulações doerem...
- Por falar nisso.. continuamos hipocondríacas, medrosas, inseguras, paranoicas e usando toda nossa imaginação para cometer atos de autossabotagem.
- Ai, controle-se. Eu sou apenas uma menina. Não me jogue isso na cara. Fale mais das pessoas. E a vó?
- Se foi.
- Se foi pra onde?
- Para o céu. Ai, não chora. Olha, também aconteceram coisas boas. Nossa família está muito maior. Você não tem ideia do tanto de criança que nasceu.
- Sério? Mais primos?
- Primos e filhos dos nossos primos. A última que nasceu foi a Fiorella.
- Filha de quem?
- Do Renzo?
- O Renzo casou?
- Sim, há anos.
- Com quem?
- Com a Dafne. Aliás, a Dafne é prima do Osvaldo.
- Quem é Osvaldo?
- Seu marido.
- Marido???? Então eu não me casei com o Márcio da quinta série?
- Claro que não.
- Mas eu jurava que ia casar com esse menino!
- Você ficariam espantadíssima se eu listasse com quantos meninos você achou que se casaria depois disso.
- Espero que você tenha tido, pelo menos, a decência de casar na data que eu sonhei. Um sábado de setembro, às vésperas do meu aniversário de 21 anos.
- É. Foi num sábado de setembro. Mas às vésperas do nosso aniversário de 29 anos.
- Vinte e nove???? Você é devagar, hein, moça?
- Você que era precipitada de demais...
- E aí? Já temos filho? Sabemos cozinhar? Conseguimos ser práticas e racionais para resolver problemas?
- Calma, que nós crescemos, mas nem tanto. Mas mudar para o Chile foi importante nessa evolução.
- Chile??? Nossa, estou ficando confusa. Acho que não quero saber mais nada.
- Mas gostou de como estamos?
- Reconheço que, no geral, gostei sim. Tenho um marido lindo (se não for lindo eu te mato), trabalho fazendo o que eu gosto, não tenho mais prova de matemática nem trabalho de biologia. Posso dizer que minha vida está perfeita!
- Perfeita? Eu não usaria esse termo. Mas estamos felizes.
- É possível ser feliz sem ter uma vida perfeita?
- É possível e é necessário. Essa é a lição que vem depois das lições de matemática e biologia. Aguarde....

Comentários

silvia tibo disse…
Humm... Ja estou a imaginar como seria o meu encontro comigo mesma, alguns aninhos mais jovem... Muito bom acordar com um texto gostoso assim... Beijos.
Sá Luz disse…
ADOREI, Ferdi!
Confesso, senti inveja também por não ter tido a ideia de fazer o video aos 12 anos, olha só, poderia fazer um a cada 12 anos e esse ano seria ano de atualização. Arrasada!
Mas o dialogo ficou incrível! É muita boa memória, heim. Senti uma invejinha e vontade de fazer igual também (ai, que coisa feia, Samantha!), mas não tenho a memória tão boa. =P
Ana González disse…
É, Fernanda, seu texto é lindo e altamente inspirador!!!!!!! também tenho vontade de ver se minha memória me ajuda. No meu caso, como sou mais velha, posso brincar com as várias fases.. rs... qual é mesmo a mais bem lembrada, a que ficou? Bjss Obrigada.
Vivian Loreti disse…
Ótima ideia essa do videotape. Pena que não tive essa ideia... e também não tenho memória tão boa quanto a sua, provavelmente em alguns meses já esqueci essa ideia maravilhosa. Muito bom o seu blog e o texto. Estou seguindo. Bjão!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …