Pular para o conteúdo principal

PERFUME DE PADARIA >> Mariana Scherma

De todos os cheiros do mundo, o de pós-banho é um dos meus preferidos. É fresco, é de limpeza, é um cheiro lindo. O maior problema é que a indústria dos cosméticos acabou com a minha alegria e confundiu totalmente meu olfato depois que inventou perfume, sabonete, hidratante, xampu e cia. com cheiros de sobremesa. Aí vai minha chateação: todo dia quando eu entro no banheiro da academia me sinto numa padaria, no exato momento em que uma fornada de pão doce sabor baunilha acaba de sair...

Gostar ou não de um certo aroma é uma coisa muito particular, eu sei. Mas juro que não entendo qual é a graça de sair do banho cheirando tal qual uma musse de chocolate. Sorte de quem usa esse tipo de cosmético é que as formigas não se enganam assim tão fácil. Já pensou o perigo?! Até entendo que esses produtos devam fazer sucesso num spa onde todo mundo quer perder uns quilinhos (quilões?), mas no dia a dia, sei lá, não enjoa? Minha rinite chata e implicante pra perfumes doces, que me faz sair todo santo dia espirrando e com os olhos lacrimejando do banheiro da academia, me obriga a sentir saudade dos cheiros tradicionais de cosméticos, que ainda existem, mas devem ficar lá nas prateleiras, ignorados pelas apreciadoras de cosméticos-sobremesa. Vai ver esse é um dos motivos que me faz cogitar entrar, fingindo um descuido, no banheiro masculino. Desculpem ser tão intrusa, homens do peitoral definido e dos braços fortes, é tudo em nome da maravilha de respirar pelo nariz ;)

E é impressionante como essa indústria da beleza/gula se especializa... Morango com champanhe (champanhe? Sério? Eu só sinto o cheiro de morango nadando no leite condensado), pera (imagino um ET chegando ao nosso planeta, sentindo o aroma de um condicionador de pera e, depois, comendo uma pera. Ele vai se sentir lesado: são dois cheiros completamente diferentes) e maçã-verde, então? Outro caso de enganação de paladar: não tem nada a ver com a fruta. Tem também a baunilha (a inimiga mais mortal da minha rinite), musse de maracujá (lotada de açúcar, eu diria...). Já vi até creme hidratante de capuccino! Eu sou dessas que enjoa de tudo o que é doce demais. Nunca fui até o fim de uma barra de chocolate ou lata de leite condensado, acho que a vida precisa de um azedinho.

Mas essa nuvem de baunilha e frutas vermelhas que invade os banheiros é meio o fim dos tempos, só pode. Por ora, eu só agradeço o fato de que ainda ninguém quer sair do banheiro cheirando a cebola frita na manteiga. Sei lá, ia me dar fome, ainda mais depois da academia. Já parou pra pensar o que aconteceria se Perfume de Mulher fosse gravado agora, nessa época de cheiros de sobremesa e “frutas”? Eu já. Aquela cena linda da dança de tango viraria quase uma comédia quando o personagem do Al Pacino dissesse a atriz algo como: “seu perfume é de bolo floresta negra”. Depois, no final, para a professora do colégio: “sabonete de bolinho de chuva, hein?!”. 

Espero do fundo do coração (e das minhas narinas) que essa moda não atinja os homens. Vai ser triste ter o cheiro fresquinho de um cabelo masculino recém-lavado substituído por um de calda de caramelo. Um aroma bem bom por sinal, admito, mas não na cabeça de um cara lindo. Imagine só se esse sujeito ainda for do tipo que pega no pé. Cheirando a caramelo, vai enjoar mais fácil.

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns pelas crônicas de todo o site.

Aproveito para divulgar minha editora e nosso concurso de crônicas.

www.areditora.com.br

Até mais!
Zoraya disse…
Sem chances, Mariana, é melhor você ir se preparando para o futuro nao muito distante, em que todos disfarçaremos nossos cheiros naturais em fragrâncias anti-naturais, assim como disfarçamos nossa carência com compras desmedidas nos shoppings. Mas compartilho sua angústia, tenho saudades do cheiro puro e simples de limpeza, principalmente nos homens. Cebola frita na manteiga? eca

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …