Pular para o conteúdo principal

FIM DE ANO COM OBSTÁCULOS... E PASSAS >> Mariana Scherma

Duas aventuras nada bem-vindas na minha vida: supermercado e shopping no fim do ano. São os dois lugares em que só vou porque preciso, mais ou menos a mesma coisa que a ida periódica ao médico. Talvez eu até prefira o médico, se tiver certeza de que ele não vai me deixar esperando duas horas na mesma sala que uma porção de revistas Caras mostrando as “notícias” de um ano que já passou faz tempo.

Moro numa cidade quente e (suspiros de tristeza...) sem praia. Ou seja: adivinha onde todo mundo vai passar o fim de semana! Lógico que no shopping, ainda não sei se pra comprar os benditos presentes ou se pra curtir o ar condicionado. Mas eles estão lá: sábado na hora do almoço, sábado à tarde e domingo a partir da hora que acordam, fazendo uma caminhada normal virar A Interminável Caminhada Com Obstáculos. Ãham. Andar num shopping lotado, com as pessoas paralisadas pelas vitrines (acho até uma cena meio de zumbis) é bem pior que uma corrida com obstáculos. O obstáculo tá lá parado. As pessoas, não: elas andam e de repente param na sua frente, não veem o seu pé e lá vai um pisão. Sério, tenta olhar uma vitrine com atenção: você vai precisar desviar de uma meia dúzia de gente (ou bem mais) zanzando sem destino.

Minha birra com o Natal é que as pessoas ficam enlouquecidas e querem mostrar aos amigos e parentes todo o carinho que economizaram nos outros meses comprando uma lembrancinha (o 13º salário tem ônus, olha só!). Aí não dá outra: o shopping vira o cenário perfeito pra um filme de terror. Ou guerra. Ou luta porque é inevitável você acabar apanhando da fulana que anda com 32 sacolas nas duas mãos mais um sorvete de casquinha e acha que ocupa o espaço de uma pessoa só. Já sugeri em casa de comemorarmos o Natal em janeiro, quando os shoppings se tornam menos impossíveis e ainda dão descontos. Minha mãe riu da minha cara. Ela me acha a maior pão-dura do universo.

Supermercado pra mim tem efeito parecido, talvez até pior. Inesquecível (no péssimo sentido) foi quando eu estava esperando minha vez na sessão de frios e tinha um sujeito escolhendo bacon. Toda vez que ele pedia à atendente pra mostrar um novo pedaço do coitado do porco, eu me esforçava pra não demonstrar reação. Só tinha um vidro separando ele do bacon, por que a pobre da moça tinha que mostrar o bacon na mão? “É bacon, meu senhor, qualquer um desses pedaços vai entupir suas artérias do mesmo jeito”, uma frase que consegui engolir e que prova que se trabalhasse no lugar da atendente não duraria um dia no emprego. É só ver um supermercado lotado que minha mãe e eu nos revezamos: tática de guerra mesmo, "você pega as frutas, eu fico nos frios, passo nas carnes e quem terminar antes corre pra fila no caixa". Combinado. Valendo!

Já esqueci a ideia de inferno pegando fogo, pra mim inferno é o supermercado na véspera de Natal e Ano-Novo. A impressão que dá é que as pessoas deixam pra comer só nessa época e aí a coisa fica meio Saramago em Ensaio Sobre A Cegueira. Sou a favor de ceias magrinhas, sem essa loucura da carne de porco, das castanhas, das sobremesas de chantilly e do arroz amarelo com passas (que, se fosse gostoso de verdade, substituiria o arroz branquinho o ano todo, né?). É uma refeição num país tropical, caramba.

Nessa semana, um novo shopping será inaugurado aqui na cidade onde moro. Não tô soltando fogos de artifício por conta disso, mas me deu um minialívio. Enquanto todo mundo vai correndo checar as novidades, eu vou ao velho shopping mesmo. Com muito foco, sou capaz de comprar os presentes em uma hora (é, eu não sou o tipo que distribui lembrancinhas pra toda lista de contato, só para os mais queridos mesmo). A minha sorte é que quem cuida da ceia é minha mãe – e nenhum supermercado abarrotado é capaz de tirar dela a paixão por fazer compras (taí uma característica nada genética). Como ela sabe da minha falta de paciência, minha tarefa é só dizer o que eu quero comer. Vou pedir o pavê de sempre. E esperar do fundo do coração pra que ela desencane das passas no arroz. Um milagre de Natal, quem sabe?



Comentários

Carla Dias disse…
Essa época do ano desperta o pior em nós, antes do dito (ou apenas esperado)melhor. Também fujo dos shoppings e supermercados, e não apenas nessa época. Não sei o que acontece, mas por aqui parece sempre época de Natal nesses lugares.
silvia tibo disse…
Concordo plenamente...
Zoraya disse…
Hahaha, muito boa Mariana! Nao tenha birra do Natal nao, que é uma Festa linda, de profundíssimos significados. Tenha birra do que o pessoal faz do Natal (e eu, como vc, fujo léguas de shoppings e mercados, Cruz Credo). Obrigada pelas risadas e que o arroz amarelo esteja em falta!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …