Pular para o conteúdo principal

“ALÉM DO HORIZONTE... [Maria Rita Lemos]

,,, deve ter um lugar bonito pra viver em paz” - diz a canção do Roberto Carlos, tão bela quanto antiga. Não só gosto muito da música, como concordo inteiramente com o autor. A vida moderna, agitada e tensa, faz com que sejamos diariamente bombardeados, além de nossos próprios conflitos inevitáveis, com notícias de crimes e violências que nos levam ao temor e à ansiedade pelo futuro.

Os consultórios médicos estão lotados de gente que gasta fortunas com calmantes, antidepressivos, analgésicos e outros fármacos. A maioria das pessoas, no mundo atual, vive estressada, sem notar que, bem pertinho delas, há certamente um lugar de paz e tranqüilidade.

Algumas vezes, experimentamos esse gosto maravilhoso de Paz quando paramos por alguns instantes, na correria diária, para integrar-nos à natureza. Isso pode acontecer no contato com o verde de um bosque, numa estrada florida, numa caminhada à beira mar, ou mesmo em nosso trajeto habitual para o trabalho. Basta apenas que estejamos atentos e prontos para parar um pouquinho com o zumbido de atividades a serem feitas e prestarmos atenção ao céu, às flores, aos animais e pássaros que cruzam nosso caminho todos os dias, mas que não vemos nem ouvimos. São momentos em que simplesmente desfrutamos a vida, como quem vagarosamente saboreia uma laranja, sem tentar analisá-la ou explicar o prazer que ela causa.

Esse mergulho para dentro de nós mesmos, no contato com a Mãe Natureza, no silêncio interior, talvez valha mais que os programas que nos são diariamente oferecidos pela mídia, como forma de redução do estresse. Um único pensamento negativo é suficiente para nos tirar a tranqüilidade mental. Assim, mesmo que estejamos num paraíso ecológico, se não estivermos perfeitamente integrados e relaxados, continuaremos preocupados e tensos. Da mesma forma, com algum treino, é possível levar a imaginação até a paz de uma praia deserta, mesmo no meio da correria e agitação.

Felizmente, um número cada vez maior de pessoas, atualmente, está acordando para essa realidade e voltando-se para um estilo de vida mais saudável, onde não há tanto espaço para o consumo desenfreado nem para a devastação dos recursos naturais. Gente que faz exercícios físicos sem ansiedade nem esforço, sem “ter que ficar malhado”, obedecendo apenas ao próprio ritmo; pessoas que brincam na água e secam o corpo ao sol... gente que caminha por prazer e com prazer, sem controlar tempo, distância, ou número de passos, competindo consigo mesmo, além de toda a competição que a vida diária nos obriga a ter.

Há pessoas aprendendo a aquietar suas mentes, mergulhando naquele cantinho que todos temos, dentro de nós - basta procurar. Quando for impossível estar numa praia ou num bosque, e a pressa e agitação estiverem insuportáveis, transporte-se mentalmente para o seu local de refúgio. Pode ser simplesmente uma rede na varanda, na casa que você morou quando criança; pode ser a sombra de uma mangueira, no sítio da vovó... enfim, você é quem vai escolher o seu lugar de repouso. Ele está esperando por você, em sua imaginação, sempre que a pressão do dia a dia estiver insuportável. Nesses momentos de transporte para “nosso lugar de paz”, há que lembrar que a vida é um dom, um presente, um doce a ser saboreado prazerosamente. Ou um fel amargo, insípido e inodoro, que nos compete mascar até o fim, sem prazer algum, a escolha é nossa.

 De minha parte, meu lugar de paz talvez nem exista mais, desde que a Fazenda foi arrendada a uma empresa de citricultura, há muitos anos. No entanto, continua sendo o refúgio para onde vou quando minha vida se mostra dura e amarga: é lá, na represa da Fazenda Água Bonita, e no caminho de terra que a ligava à casa sede, onde minhas filhas, meu filho e eu adorávamos estar aos finais de semana, e onde minha irmã estava sempre à nossa espera, com uma refeição gostosa, muitos risos e palavras de carinho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …