Pular para o conteúdo principal

CADA ESQUINA, UMA HISTÓRIA >> Fernanda Pinho

Sempre que vamos ao supermercado passamos por uma rua chamada Armando Jaramillo. Eu já tinha observado o fato algumas vezes porque tenho particular apreço por ler nomes, embora não utilize essa informação para nada útil (se você me perguntar onde fica tal rua eu saberei que conheço esse nome mas dificilmente poderei localizá-la). Meu interesse é por nomes, não por endereços. Gosto de ler as plaquinhas dos logradouros e imaginar quem será que foi aquela pessoa digna de tamanha honraria.

Mas, pegando um retorno e voltando à rua Armando Jaramillo, aconteceu que um dia veio um amigo que eu não conhecia para o jantar. Seu nome? Armando Jaramillo. Fiquei empolgadíssima, seria ele o “dono da rua”? Não exatamente. Seu pai e seu avô também eram Armando Jaramillo e este último foi quem recebeu a homenagem de dar nome a uma charmosa rua de Santiago. Animado pelo meu interesse, o convidado – que, por sinal, vive na tal rua – tratou de me contar todos os feitos do seu avô na política chilena.

Foi a primeira vez que eu tive a oportunidade de ouvir de uma fonte oficial a história de um desses homens e mulheres que dão nomes às ruas. Normalmente, fico só na curiosidade e imaginação. Pelo nome, gosto de imaginar quem teria sido aquela pessoa. Sua profissão, sua personalidade e seu feito para receber tal deferência (naturalmente não estou falando dos casos nos quais eu já sei de quem se trata as pessoas. Ruas Getúlio Vargas, Tom Jobim, Santos Dumont e outros ilustres não despertam meu interesse).

Minha antiga rua em Belo Horizonte chama-se Carmelita Índia do Brasil. Não tenho a menor ideia de quem tenha sido essa senhora, mas gosto de pensar em alguém com nome autoexplicativo. Uma freira, obviamente, pertencente à Congregação das Irmãs Carmelitas, que dedicou sua vida a cuidar do povo indígena em algum lugar do Brasil. Já velhinha, recolheu-se nesse bairro onde hoje tem sua rua e encerrou sua missão praticando obras sociais na comunidade. Não consigo visualizar como ela seria, mas suponho que tenha uma mão superbranquinha, como se lavasse com água sanitária todos os dias. Toda freira que conheci tem as mãos assim.

Hoje vivo na Ricardo Lyon. Um rei, é claro. Tudo bem, aqui no Chile não teve reis. Mas talvez isso tenha a ver com a estreita relação de amizade entre Chile e Inglaterra. Existe uma estreita relação de amizade entre Chile e Inglaterra? Não sei informar, mas eu gosto de pensar assim. “Ricardo” e “Lyon” não tiram a Inglaterra da minha cabeça. Alguns Ricardos foram reis na Inglaterra, Inglaterra de Shakespeare, Shakespeare de Hamlet, Hamlet que inspirou qual produção da Disney? O Rei Leão. The King Lion. E de Lion para Lyon, foi só um erro do escrivão. Ricardo Lyon foi rei e não se fala mais nisso.

Talvez ele tenha conhecido Isidora Goyenechea, que dá nome a outra rua do meu bairro. Nem o fato supracitado de que por aqui não teve império tira da minha cabeça que ela tenha sido uma imperatriz rechonchuda, de bochechas rosadas, que todos os dias desfilava uma peruca de cor diferente e enlouquecia seus servos para atendê-la em hábitos alimentares excêntricos. Ela tinha uma filha, com quem nunca dividiu nenhum tipo de afeto, apenas a alcunha: Isidorita, que dá nome a outra rua da região.

História, apenas histórias que tornam meus caminhos mais interessantes e, claro, me impedem de desenvolver um apurado senso de direção. Não registro nomes de ruas, registro personagens. Ainda que de histórias que só existem na minha cabeça. E se você sabe quem foi Carmelita Índia do Brasil, Ricardo Lyon ou Isidora Goyenechea, por favor, tenha a gentileza de não me contar.

viveremportunhol.blogspot.com

Comentários

Léia disse…
Fernanda vc esqueceu que aqui em BH tem uma pequena rua com o nome de seu avó José Gonçalves Barbosa KKKKK

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …