Pular para o conteúdo principal

SOLDADOS >> Albir José Inácio da Silva

Dentre os personagens que embalam nossa imaginação na infância, destaca-se o soldado. O garbo de seu uniforme, a altivez de seu porte e a coragem de suas ações encantam crianças desde sempre. Do soldadinho de chumbo sofremos os apuros nas histórias e temos ciúmes do pequeno exemplar que nos enfeita o armário. Nas brincadeiras, marchamos com chapéu de jornal e espada de madeira pelos campos de batalha e quintais inimigos.

Na adolescência a história nos ensina sobre os soldados egípcios, que ficavam honrados em morrer por seu faraó; dos soldados romanos com seus chapéus imponentes que dominavam o mundo; dos heróis gregos na guerra de tróia; e de todos os guerreiros que varriam os campos e conquistavam as cidades. Na idade média os soldados defendiam castelos, conquistavam reinos e salvavam donzelas. Os templários eram soldados que conquistavam a terra sagrada. Sagrada também para outros, mas que deveria ser só deles.

Depois os soldados participaram dos grandes descobrimentos. Estavam nos navios e nos fortes do novo mundo. Os nativos, soldados que ali já estavam, lutaram bravamente mas não conseguiram impedir o massacre e a destruição de seus povos.

Com a modernidade, os soldados deram a vida para defender seus soberanos e, depois das revoluções, para garantir a nova ordem. Não enriqueceram com os reis nem com a revolução. Eram soldados. Garantiam o que era dos outros. E assim, ganhando ou perdendo, amados ou odiados por quem ganhou ou perdeu, os soldados atravessaram os anos até a carnificina das duas guerras mundiais que quase destruíram o planeta no século passado.

Quando adultos podemos ser soldados, com as honras e os sacrifícios que essa escolha impõe, ou podemos nos emocionar com seus dramas nos livros e filmes que contam guerras e sacrifícios dos combatentes, para defender interesses nem sempre muito nobres.

No Brasil, depois de vinte e cinco anos de ditadura, eles acabaram simbolizando o lado negro da força, o inimigo. Tal generalização acaba sendo inevitável. Para o oprimido a roupa do opressor é intolerável. Mas não podemos esquecer que em certas circunstâncias o opressor é também oprimido. Na segunda guerra, soldados ucranianos eram obrigados a torturar e matar judeus sob pena de serem eles próprios assassinados pelos nazistas.

A maioria dos soldados brasileiros não tinha qualquer noção do que acontecia nos porões. Mesmo quando investiam contra seus irmãos em cargas de cavalaria, acreditavam combater o inimigo.

Claro que esse tipo de inocência não se aplica a torturadores e assassinos que, por sadismo ou profissão, mancharam de sangue a memória do país. Aqueles que agora seguem impunes por conta de uma autoabsolvição, prévia e ilegítima, que conseguiram acochambrar na legislação ao perceber que a história não os perdoaria.

Hoje, ao contrário do que acontecia naquele tempo quando as comemorações eram impostas, as homenagens ficaram restritas aos quartéis. Comemoração tímida para os heróis da nossa infância.

Neste vinte e cinco de agosto, nossas homenagens. Parabéns aos soldados que nos rincões deste país levam comida, remédios e proteção aos brasileiros ainda excluídos da cidadania. Parabéns aos que, em missões internacionais, ajudam a reconstruir a vida de povos destroçados pelo fratricídio que um dia também nos assolou.

A você soldado, homem de boa-vontade, que em qualquer fileira serviu à humanidade. A você soldado, do latim solidarius - aquele que é pago para servir - que está reconquistando o lugar que merece no coração da pátria. A você que povoou na infância a nossa imaginação, a nossa homenagem.

Comentários

Há países em que o próprio soldado é símbolo de opressão. Foi assim por aqui. Noutros, é simbolo da libertação. De qualquer maneira, o clima democrático mais legítimo ou menos legítimo depende dos esforços de tropas mais ou menos obedientes, mais ou menos corruptíveis. Bela homenagem.
Zoraya disse…
Albir, esse deveria sair em TODOS os jornais. Bravo!
albir disse…
André e Zoraya,
obrigado pela leitura.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …