Pular para o conteúdo principal

COMO ME TORNEI PALMEIRENSE
>> Whisner Fraga


Outro dia vi que o Boa Esporte está brigando de igual para igual na segunda divisão do Campeonato Brasileiro, o que me deixa muito contente. Sempre que vou a algum lugar e tem uma televisão transmitindo os jogos da segundona, falo, cheio de orgulho, que aquele time é da minha cidade. Tudo bem que atualmente eles estão instalados em Varginha, mas essa situação logo vai mudar, pelo que ando vendo sobre a construção do nosso estádio, em Ituiutaba.

Quando vim para São Paulo, me perguntavam para qual time eu torcia. Meus alunos tinham essa curiosidade também. Então eu respondia que era cruzeirense. Pronto, o assunto acabava ali, pois os paulistas não conhecem outro time que não seja do seu estado. Uma pena, porque era uma boa chance de me aproximar dos pupilos. Acredito firmemente que, para que haja aprendizagem, é necessário um envolvimento social. E para que aconteça a amizade é necessário que existam paixões partilhadas.

Então conheci minha atual esposa e com ela vieram as viagens para a casa do sogro. Era um martírio ter de me sentar no sofá da sala e viver alguns momentos de silêncio com os pais dela. Tímido que sou, não conseguia vencer aquela barreira, porque, sob minha ótica, não tínhamos nenhum assunto em comum, restando-nos apenas os olhares acanhados e um mal-estar contínuo. Até que o vi pegando um rádio de pilha no canto da copa e sintonizando um canal esportivo. Pronto, descobri que era um fanático por futebol.

Muitos brasileiros são loucos por esse esporte e não há que recriminá-los. Eu, que depois de ver a melhor seleção do mundo perder a copa de 82, quando era fã de Zico, de Leandro, de Júnior, de Eder e de Sócrates, acabei por me desiludir e não acompanhava mais nenhum jogo. Em minha cabeça o futebol era um jogo de azar, o que significa que somente aqueles que têm sorte é que vencem. Ainda não abandonei totalmente essa concepção, mas, por exemplo, observando as diversas modalidades nas Olímpiadas de Londres deste ano, concluo que todos os esportes contam um pouco com o acaso. Espera-se que o melhor vença, mas não é sempre que isso ocorre.

Então esse meu sogro é palmeirense. Como eu tinha muita simpatia pelo time, porque meus amigos Joãozinho, Merched e Dib torciam para a seleção do Palestra Itália durante minha infância, decidi que torceria também pelo Palmeiras. Com isso veio uma mudança radical em minha vida: comecei a conversar cada vez mais com meu sogro, nos tornamos muito amigos e melhorei o relacionamento com meus alunos. Quando me perguntam hoje qual meu time favorito e respondo Palmeiras, não importa se são adversários, se adotaram outra equipe, tudo vira brincadeira e tiração de sarro.

Assim, conversando com o pai de minha esposa, descobri também que minha sogra escreve lá seus versos e assim fomos descobrindo mais coisas em comum. Hoje não vejo a hora de ter a companhia deles. Foi preciso o futebol para que eu me aproximasse dos dois. Disso concluo que, se queremos realmente partilhar e conviver, é preciso que descubramos uma fresta entre aquela aparente falta de interesses comuns, por onde deixaremos passar nossas afinidades.

Comentários

ANDRÉ FERRER disse…
Os esportes catalisam amizades. Bom texto!
Zoraya disse…
Whisner, quem dera aprendêssemos isso logo cedo em nossas vidas. E a verdade é que vc também se abriu para encontrar uma abertura. E o texto está uma graça. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …