Pular para o conteúdo principal

UM PULINHO EM CÓRDOBA
>> FERNANDA PINHO




Córdoba era uma frustração em minha vida porque eu detesto "quase" e certa vez quase estive lá. Eu estava no nordeste a trabalho, de onde deveria seguir para a Argentina, mas o evento que eu cobriria foi cancelado e a viagem nunca aconteceu. Uma frustração que pairava no ar sempre que a Córdoba era mencionada, o que não era raro já que tenho um amigo que morou por lá e é um verdadeiro entusiasta da cidade.

Mas então, semana passada tivemos uma ideia. Vamos pra Córdoba? Vamos. Quando? Sábado. E fomos. Com uma mala, uns mapas toscos que eu imprimi do Google, algumas dicas do amigo entusiasta e nenhum planejamento.

Qualquer viagem que parte daqui de Santiago já começa bem com o espetacular cruzamento da Cordilheira dos Andes que, a essa altura do ano, está branquinha como montanhas de embalagem de chocolate. Não demorou muito e chegamos ao nosso destino. Voo rápido. Como de Belo Horizonte a São Paulo, me apressei em dizer (acho que estou ficando um pouco chata, para tudo tenho uma comparação com o Brasil).

A simpatia e educação do taxista que nos pegou no aeroporto já acabaram de cara com o preconceito que nós brasileiros (e os chilenos também) temos com os argentinos. Foi a primeira das agradáveis surpresas.

Quando começamos a caminhar pelo centro histórico, a cidade fazia sua habitual sesta. Mas, aos poucos, museus, cafés, igrejas, palácios e simpáticas lojinhas de alfajores iam ficando de portas abertas para nós. A cada lugar que visitávamos, nos sentíamos gratos por termos nos proporcionado essa viagem de sopetão. E nos sentíamos cada vez mais encantados pelo povo (o taxista era regra, não exceção). Percebemos que, além da educação, eles carregam uma tranquilidade revelada pela fala lenta. Ouso a dizer que Córdoba é a Bahia da Argentina. Uma Bahia sem axé, mas com tango. Nunca pensei em sair para jantar e me deparar com vários casais de todas as idades dançando tango em plena praça pública.

A dança foi a entrada para um jantar dos deuses. Aliás, todas as refeições eram dos deuses. Defensores dos animais, tenham compaixão de mim. Mas aquele entrecorte, hummmm, é de

 arrancar uma lágrima de emoção (e muitos litros de saliva) só pela lembrança. As carnes, os pães, os doces, o tradicional Chorripan (pão com linguiça), tudo delicioso e sempre servido em locais aconchegantes. Na nossa última noite, aliás, fomos a um restaurante (chamado Mandarina, se um dia você for a Córdoba não deixe de conhecer) que nos recebeu ao som de Gilberto Gil. Aí eu não tive dúvidas, é mesmo a Bahia da Argentina. E onde é Bahia, só pode ser bom.

Córdoba foi promovida de quase-viagem para viagem-surpresa-incrível e eu adquiri novas figurinhas para meu álbum de boas lembranças.

Comentários

Realmente, Fernanda. Nos acostumamos a generalizar a antipatia do futebol para com o povo argentino, ilusão criada pelas transmissões globais. Aqui conheço 3. Todos da melhor qualidade.
Zoraya disse…
Isso mesmo Fernanda, eu tambem sempre defendo o povo argentino,hospitaleiro, simpático, educado. Fui muitíssimo bem tratada em Buenos Aires, e, sério, quem dera uma pequena parcela dos que falam mal de argentinos fossem tão bacanas quanto eles.
albir disse…
Fernanda,
o melhor de tudo isso é que também podemos viajar nas asas de suas crônicas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …