Pular para o conteúdo principal

NÃO ENCHE, ESTOU COM FRIO - O RETORNO >> Fernanda Pinho




Se você é um leitor fiel deste blog e com boa memória, talvez se recorde que, há dois anos, eu publiquei aqui uma crônica onde manifestava todo o meu desprezo pelo clima frio (se você é um leitor infiel, desmemoriado ou novato, pode ler tal lamento aqui).

Agora, exatos dois anos depois, venho me retratar humildemente e dizer que aquele texto não passa de um delírio inocente. Não, meus caros. Não fui flechada por um cupido de neve e acometida por um amor súbito pelo inverno. O que acontece é que minha nova realidade me fez constatar que aqueles 4554 caracteres não passavam de pura difamação, calúnia, injúria (algum advogado que possa me ajudar a diferenciar uma coisa da outra?) contra o ameno e, por isso, agradabilíssimo clima de Belo Horizonte.

Eu passava frio? Um friozinho besta talvez, na hora de entrar pro banho ou escovar os dentes. Aliás, naquele saudoso  e quente tempo, minha relação com a água se restringia às minhas atividades de higiene pessoal. Agora não. Agora sou uma dona de casa, vivendo em Santiago, cercada por uma linda, mas gélida cordilheira.

O difícil não é botar as roupas pra lavar, manter a cozinha em ordem e o banheiro impecável. O difícil é fazer isso com frio. Como é difícil também fazer exercícios físicos, sair para fazer compras, levantar da cama, pensar! Sim, porque no frio eu não penso. No frio eu traço estratégias. Estratégia para sair do banho e não sofrer um choque térmico, estratégia para colocar um casaco sobre o outro sem ficar parecendo um mascote de loja de colchão, estratégia para ficar o dia todo com a cara na estufa sem me constipar quando sair na rua, estratégia para a roupa secar sem ficar com cheiro de murrinha (o que é murrinha, gente?).

Óbvio, nem tudo é tragédia. A cidade está, de fato, muito linda, mesmo com cara de inverno. E assim é Santiago, com as estações bem definidas. Já a vi com cara de verão, cara de outono e agora, cara de inverno. A Cordilheira dos Andes branquinha de neve, parecendo paisagem de embalagem de chocolate suíço. Isso, do lado de fora. Aqui dentro, tenho o melhor cobertor de orelha do mundo, que me aquece a alma. Me deixa mais tranquila, menos reclamona e mais verdadeira. Verdadeira a ponto de confessar que só escrevi esse último parágrafo por medo de a vida me dar mais uma lição e me mandar pra Antártida no próximo inverno.

Comentários

quaseminimalista.blogspot.com disse…
uma boa notícia pra vc, Fernanda. a gente se acostuma com o frio, fique tranquila!
albir disse…
Fernanda,
então estou precisando enfrentar frios mais intensos pra não me incomodar com o frio daqui. Só o sol quente me deixa feliz. Vinte e dois graus já é tortura.

Calúnia, difamação e injúria são crimes contra a honra. Calúnia é atribuir a alguém um fato determinado definido como crime. Exemplo: fulano roubou a bolsa de cicrano às tantas horas do dia tal. Difamação é atribuir a alguém fato que, embora não seja crime, ofende a sua reputação. Exemplo: fulano cometeu adultério com fulana no dia tal. Como adultério não é mais crime, trata-se de difamação e não de calúnia. Na injúria não se atribui fato determinado a alguém, proferem-se palavras vagas e imprecisas que ofendem a dignidade. Por exemplo, "fulano é ladrão" não atribui um fato, é um chingamento, uma ofensa, que não se refere a uma conduta determinada.
Evito reclamar, mas nos caso do FRIO eu abro uma exceção. Se a temperatura baixa de 20, já preparo meu "Valha-me Senhora do Nordeste!"
fernanda disse…
Ana, levando em conta que você está na Alemanha, levarei a sério o que me disse. :)

Albir, muito obrigada pela aula!

Eduardo, idem! Essa é a única reclamação que eu me permito até a exaustão (dos ouvintes).

Beijos!
Zoraya Cesar disse…
Fernanda, viemos do mesmo planeta! No frio eu perco até meu poder de decisão, fico quase que imprestável. A crônica está ótima como sempre, engraçadíssima. Eduardo, posso apelar também para Nossa Senhora do Nordeste? Qualquer 20°e eu já estou parecendo uma velha, de casaquinho...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …